Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Rejeição e superação: aprendendo a ser livre

Rejeição e superação: aprendendo a ser livre

10/05/2023 Ângela Abdo

No mundo atual, temos uma grande ilusão sobre o conceito de ser livre. Muitas pessoas acreditam que ser livre é fazer o que quiser da própria vida.

Rejeição e superação: aprendendo a ser livre

Ledo engano, ser livre é o contrário de ser prisioneiro. E quantas pessoas são prisioneiras no espírito e no coração. Somos prisioneiros daquilo que cativa o nosso coração e não se consegue largar, mesmo que faça mal fisicamente, emocionalmente ou espiritualmente. Ser livre é conseguir dizer “não” a tudo que nos faz mal.

Não é fazer o que se quer, mas sim escolher, optar por tudo aquilo que nos faz bem. Escolher, sem pressão de ninguém, por livre e espontânea vontade, o que é bom. Ser livre fazendo o bem agrada a Deus!

Muitos pensam que uma vida de santidade nos torna prisioneiros, ao contrário, podemos fazer tudo o que queremos, porém o diferencial é o seguinte: quem anda em santidade é tão livre que consegue escolher o bem.

Aprender a ser livre parece algo difícil de ser alcançado, dentro dos limites do que nos é saudável, fisicamente e espiritualmente, enquanto buscar uma liberdade sem regras parece mais acessível. Esse é um engano que muitos cometem, porque os atalhos parecem mais fáceis do que a porta estreita; e até o são, mas não levam à verdadeira felicidade.

Essa reflexão sobre liberdade é fundamental, quando estendemos o conceito para os nossos relacionamentos interpessoais. No ciclo da vida é impossível não sentirmos que alguém nos rejeitou em alguma situação, ou que nós não rejeitamos alguém ao longo da existência. 

Faço-lhe uma pergunta: você conhece algum ser humano que nunca vivenciou uma pequena ou grande rejeição? Eu não conheço. Quando olhamos para dentro de nós e nos perguntamos sobre rejeição na nossa vida, pode ser doloroso, mas é bom e necessário fazer essa reflexão. Porque algumas pessoas metabolizam bem essas reações sobre si, outras, no entanto, se tornam cativas dessas emoções dolorosas. Essa servidão pode ser consciente ou inconsciente, mas a decisão de mudar é de cada um.

Esse texto nos convida a um exame dos nossos sentimentos e principalmente reacender a pulsão de vida que existe em cada um, que pode ser um dos fatores de cura que mudará nossa ótica de enxergar as situações cotidianas e as pessoas que nos cercam.

Para efetuar mudanças, precisamos, primeiro, querer mudar e abrir mão de ganhos secundários. Depois, conhecer as causas desse sentimento que leva a pessoa a se sentir excluída, indesejada por si e pelos outros, e reconhecer as consequências de ter a vida aprisionada por esses sentimentos tóxicos. É necessário buscar libertação desse fardo que traz tantos sofrimentos ou incômodos, que impedem a plenitude enquanto ser humano, assumindo a responsabilidade da solução da situação que está em nós, e não nos outros.

Precisamos diagnosticar a autorrejeição, que leva a uma visão deturpada do próprio eu, enfatizando os defeitos e depreciando as qualidades. Também a rejeição alheia leva a pessoa a vivenciar dificuldades no seu relacionamento com os demais. O predomínio do sentimento de inferioridade leva a questionamentos da sua capacidade, a deixar de ser quem é para agradar alguém, optar por se rejeitar antes que o outro o faça, não se sentir bem sobre si mesmo, e necessitar da validação alheia, vida permeada por indiferença e solidão, acessos de raiva, não se sentir digno do amor do outro, desenvolvimento de um espírito crítico e/ou atitudes de autodestruição como defesa para preencher o vazio que assola a existência.

Constatar que todos nós trazemos feridas na alma é importante, mas a notícia boa é que, se bem tratada a rejeição, o próprio tempo se encarrega de cicatrizá-la. É esse trajeto que desejo a você dentro de uma perspectiva psicológica e espiritual, que pode te ajudar, e muito, a entender os motivos desse sentimento e decidir pela cura.

Avante!

* Ângela Abdo é fundadora, coordenadora nacional e internacional do Movimento Mães que Oram pelos Filhos e assessora no Estudo das Diretrizes para a RCC Nacional.

Para mais informações sobre superação clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Fundação João Paulo II / Canção Nova



Depressão e ansiedade gestacional, como identificar?

O período gestacional é um momento da vida da mulher, principalmente para as mães de primeira viagem, que mais exige equilíbrio emocional.

Autor: Dra. Andréa Ladislau

Depressão e ansiedade gestacional, como identificar?

Quer casar comigo?

Todo dia era a mesma coisa. Marieta sempre esperava o engenheiro chegar.

Autor: Beto Ribeiro

Quer casar comigo?

Prazer sexual e moralidade cristã

O prazer no casamento foi concedido por Deus ao ser humano e o pecado está no coração de quem não quer fazer a vontade do Senhor.

Autor: Osiel Gomes

Prazer sexual e moralidade cristã

Festa da Misericórdia tem sua 22ª edição neste fim de semana

Para o domingo (07/04), a Comunidade Católica, em Cachoeira Paulista (SP), espera cerca de 30 mil pessoas.

Autor: Divulgação

Festa da Misericórdia tem sua 22ª edição neste fim de semana

366 dias para estreitar o relacionamento com Deus

Pastor Michel Simplício lança devocional interativo para exercitar a fé e aliviar o estresse diário.

Autor: Divulgação


Semana Santa: caminho que nos conduz a glória da Ressurreição

O Tríduo Pascal e suas funções litúrgicas devem ser observadas por todos os fiéis com devoção e ação de graças a Deus.

Autor: Padre Ricardo Rodolfo Silva


Aceitação

Ouvi essa história na prédica de um monge budista brasileiro, Gustavo Pinto, na década de noventa. A vida parecia mais fácil nos anos noventa.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Aceitação

O que é a beleza?

Há quem diga que somos geneticamente programados para uma determinada percepção de harmonia, certos códigos áureos que transcendem ditames sociais.

Autor: Leonardo de Moraes

O que é a beleza?

São José, o justo

O trecho do Evangelho que se refere a José como homem justo é precisamente o que, na sequência, relata sua magnanimidade.

Autor: Sandro Arquejada

São José, o justo

Sete motivos para rir mais todos os dias

O riso é uma habilidade humana inata que antecede até mesmo nossas primeiras palavras.

Autor: Ros Ben-Moshe

Sete motivos para rir mais todos os dias

Características da ansiedade infantil: o que fazer ao identificá-las?

Muitas famílias se deparam com a necessidade de compreender e tratar transtornos ansiosos ou um comportamento ansioso de seus filhos.

Autor: Elaine Ribeiro

Características da ansiedade infantil: o que fazer ao identificá-las?

Segurança infantil: evite brinquedos perigosos

Quando vamos presentear uma criança devemos avaliar sobre qual brinquedo comprar para garantir a segurança delas.

Autor: Divulgação

Segurança infantil: evite brinquedos perigosos