Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Será a vida curta?

Será a vida curta?

04/12/2020 Dr. Alvino Moser

Eis um tema do qual se ocupou Sêneca em De Brevitate vitae.

Será a vida curta?

Nesta obra, ele se dirige a Paulino. Todos se queixam de que a natureza não nos foi favorável dando-nos uma vida tão curta. E assim se amaldiçoa o rigor da natureza. Esta queixa é muito mais recorrente atualmente, em que temos inumeráveis recursos médicos, procedimentos e fármacos.

A pandemia no Brasil já ceifou muitas vidas e não vai parar por aí. Há lamentos dos que perderam seus entes queridos e com razão, pois muitos deixam o nosso convívio prematuramente, apesar do esforços e mercê de muito descaso das autoridades incompetentes, que aproveitam desta desgraça para ganhos políticos e, por que não o dizer, para aproveitar-se do desvio dos recursos públicos, o que é mais lastimável e reprovável.

Mas, o que nos adverte Sêneca em sua obra é “Não temos muito pouco tempo, mas perdemos muito. A vida é bastante longa; ela bastaria, e além, para a realização dos maiores empreendimentos, se todos os momentos fossem bem empregados”.  

E de um modo rude, pede aos idosos, aos que chegaram aos 100 anos, para num exame de consciência examinar e calcular como usaram o tempo de sua vida, ocupada em tarefas e preocupações inúteis ou prejudiciais. Enumera ele o tempo perdido em correr atrás de empréstimos, de pagar dívidas contraídas para comprar inutilidades ou supérfluos. Em vez de se dedicar à família correu atrás de amantes e ficou em intrigas com sua esposa e familiares. Acrescentemos no momento, o tempo em preencher formulários burocráticos em vez de estar procurando atingir objetivos mais significativos e importantes. Correm atrás de bens que em vez de louro são apenas coisas de brilho lantejoulesco.

A burocracia é uma fonte inesgotável de consumo de tempo, se computarmos com sinceridade conosco mesmos. Insisto em ser sincero, porque Jaime Balmes (1810-1848), filósofo espanhol dizia que o homem tem a incrível capacidade de se enganar a si mesmo, veremos os que estão muito ocupados, ocupamo-nos com muitas inutilidades e futilidades, que nos ocupam em demasia. E todos concordam que um homem muito ocupado não pode fazer nada de bom, ele só se preocupa em viver executando maquinal e rotineiramente tarefas, muitas vezes sem razão de ser, apenas para “cumprir tabela”. Tarefas que não entusiasmam e não tem outro apelo senão o fato de serem impostas; tarefas que não são realmente assumidas julgadas como merecedoras de esforços a serem dispendidos, merecedores da dedicação de precioso tempo de vida.

Há mestres em todas as ciências, mas não para a ciência e a arte da vida, pois é a mais difícil, a arte de viver, a ciência de saber viver e requer o aprendizado de toda a vida; como também é muito difícil aprender a morrer. 

Geralmente, as pessoas evitam o tema da morte pensando que o presente seja perene ou eterno: porém, fugit irreparibile tempus.  É preciso dar ao instante seu pleno sentido e fazer do instante, o beijo da Eternidade no tempo. Pois a vida é constituída de momentos, eles fluem e a vida passa, sendo o instante um fluir ou escoar-se no passado abrindo-se ao futuro e ao que há de vir, instantes e momentos que não nos pertencem senão como um lampejo, um brilho lantejoulesco irrepetível, e esse evanescer em constante fuga do presente, no mesmo instante, para o passado que já se foi; assim é e se esvai, se escoa a vida. Se apenas considerarmos o fluir, a vida é muito breve.

Em vez de queixar-se da brevidade da vida, necessário é pensar como se esquece de viver correndo atrás de ouropéis, com uma alegria tola e  uma cupidez voraz. Quanto tempo se desperdiça em redes sociais, sereia de nosso tempo, que a muitos encanta, mas que subtrai preciosos momentos na distração fútil e em conversas fátuas e vãs.

Muitos esquecem de viver, pois morrem a conta gotas, e não compreendem que estão morrendo prematuramente. “Pois viver mal, não refletida, sábia e piedosamente, dizia Demócrito, não é viver mal, mas ir morrendo durante muito tempo”.

* Dr. Alvino Moser é decano e professor do Programa de Mestrado em Educação e Novas Tecnologias; leciona Fundamentos Epistemológicos da Mediação Tecnológica, e faz parte da Escola Superior de Educação do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Pg1 Comunicação



Brasileiros solidários

A Gol em parceria com a Avianca, empresas do grupo Abra, transportou doações em mais um voo humanitário.

Autor: Divulgação

Brasileiros solidários

Solidariedade permanente

Há alguém que dependa única e exclusivamente de si? "Ah, sim, 'eu sou o cara, faço e aconteço, sou uma pessoa independente'".

Autor: Padre Marcio Prado


Cemig envia equipes, geradores e veículos especiais para RGS

Equipamentos cedidos pela companhia podem atender até 2.500 mil residências afetadas pelas enchentes no estado.

Autor: Divulgação

Cemig envia equipes, geradores e veículos especiais para RGS

LBV lança campanha de combate à dengue com recado das crianças

O objetivo de promover hábitos saudáveis e eliminar criadouros do mosquito.

Autor: Divulgação


“Dias Perfeitos”: a incrível beleza das coisas simples

Talvez a maior perda de um mundo em que tudo acontece apenas dentro de uma tela é que as pessoas perdem o caminho de seu mundo interno.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Saúde espiritual: cura que vem de dentro para fora

É fato que a medicina moderna avançou consideravelmente no tratamento das doenças físicas ao longo dos séculos.

Autor: Tatiana Capanema

Saúde espiritual: cura que vem de dentro para fora

O livro de Tobias: uma história edificante

No século III antes de Cristo um grande número de judeus moravam no Egito, em Alexandria.

Autor: Lino Rampazzo


Como as emoções afetam o ambiente de trabalho?

A concorrência no mundo dos negócios é diariamente uma arena onde a racionalidade e a tomada de decisões estratégicas são imperativas para o sucesso.

Autor: Divulgação

Como as emoções afetam o ambiente de trabalho?

Segredo para casamentos duradouros

Com os anos de relacionamento, não é incomum que todo aquele encanto, a alegria, o prazer de estar com a pessoa amada enfraqueça, diminua, encolha e desbote.

Autor: Déa Jório e Jal Reis

Segredo para casamentos duradouros

Especialista explica as consequências da timidez

Atividades que desenvolvem habilidades sociais podem ser a solução.

Autor: Divulgação

Especialista explica as consequências da timidez

Depressão e ansiedade gestacional, como identificar?

O período gestacional é um momento da vida da mulher, principalmente para as mães de primeira viagem, que mais exige equilíbrio emocional.

Autor: Dra. Andréa Ladislau

Depressão e ansiedade gestacional, como identificar?

Quer casar comigo?

Todo dia era a mesma coisa. Marieta sempre esperava o engenheiro chegar.

Autor: Beto Ribeiro

Quer casar comigo?