Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Será a vida curta?

Será a vida curta?

04/12/2020 Dr. Alvino Moser

Eis um tema do qual se ocupou Sêneca em De Brevitate vitae.

Será a vida curta?

Nesta obra, ele se dirige a Paulino. Todos se queixam de que a natureza não nos foi favorável dando-nos uma vida tão curta. E assim se amaldiçoa o rigor da natureza. Esta queixa é muito mais recorrente atualmente, em que temos inumeráveis recursos médicos, procedimentos e fármacos.

A pandemia no Brasil já ceifou muitas vidas e não vai parar por aí. Há lamentos dos que perderam seus entes queridos e com razão, pois muitos deixam o nosso convívio prematuramente, apesar do esforços e mercê de muito descaso das autoridades incompetentes, que aproveitam desta desgraça para ganhos políticos e, por que não o dizer, para aproveitar-se do desvio dos recursos públicos, o que é mais lastimável e reprovável.

Mas, o que nos adverte Sêneca em sua obra é “Não temos muito pouco tempo, mas perdemos muito. A vida é bastante longa; ela bastaria, e além, para a realização dos maiores empreendimentos, se todos os momentos fossem bem empregados”.  

E de um modo rude, pede aos idosos, aos que chegaram aos 100 anos, para num exame de consciência examinar e calcular como usaram o tempo de sua vida, ocupada em tarefas e preocupações inúteis ou prejudiciais. Enumera ele o tempo perdido em correr atrás de empréstimos, de pagar dívidas contraídas para comprar inutilidades ou supérfluos. Em vez de se dedicar à família correu atrás de amantes e ficou em intrigas com sua esposa e familiares. Acrescentemos no momento, o tempo em preencher formulários burocráticos em vez de estar procurando atingir objetivos mais significativos e importantes. Correm atrás de bens que em vez de louro são apenas coisas de brilho lantejoulesco.

A burocracia é uma fonte inesgotável de consumo de tempo, se computarmos com sinceridade conosco mesmos. Insisto em ser sincero, porque Jaime Balmes (1810-1848), filósofo espanhol dizia que o homem tem a incrível capacidade de se enganar a si mesmo, veremos os que estão muito ocupados, ocupamo-nos com muitas inutilidades e futilidades, que nos ocupam em demasia. E todos concordam que um homem muito ocupado não pode fazer nada de bom, ele só se preocupa em viver executando maquinal e rotineiramente tarefas, muitas vezes sem razão de ser, apenas para “cumprir tabela”. Tarefas que não entusiasmam e não tem outro apelo senão o fato de serem impostas; tarefas que não são realmente assumidas julgadas como merecedoras de esforços a serem dispendidos, merecedores da dedicação de precioso tempo de vida.

Há mestres em todas as ciências, mas não para a ciência e a arte da vida, pois é a mais difícil, a arte de viver, a ciência de saber viver e requer o aprendizado de toda a vida; como também é muito difícil aprender a morrer. 

Geralmente, as pessoas evitam o tema da morte pensando que o presente seja perene ou eterno: porém, fugit irreparibile tempus.  É preciso dar ao instante seu pleno sentido e fazer do instante, o beijo da Eternidade no tempo. Pois a vida é constituída de momentos, eles fluem e a vida passa, sendo o instante um fluir ou escoar-se no passado abrindo-se ao futuro e ao que há de vir, instantes e momentos que não nos pertencem senão como um lampejo, um brilho lantejoulesco irrepetível, e esse evanescer em constante fuga do presente, no mesmo instante, para o passado que já se foi; assim é e se esvai, se escoa a vida. Se apenas considerarmos o fluir, a vida é muito breve.

Em vez de queixar-se da brevidade da vida, necessário é pensar como se esquece de viver correndo atrás de ouropéis, com uma alegria tola e  uma cupidez voraz. Quanto tempo se desperdiça em redes sociais, sereia de nosso tempo, que a muitos encanta, mas que subtrai preciosos momentos na distração fútil e em conversas fátuas e vãs.

Muitos esquecem de viver, pois morrem a conta gotas, e não compreendem que estão morrendo prematuramente. “Pois viver mal, não refletida, sábia e piedosamente, dizia Demócrito, não é viver mal, mas ir morrendo durante muito tempo”.

* Dr. Alvino Moser é decano e professor do Programa de Mestrado em Educação e Novas Tecnologias; leciona Fundamentos Epistemológicos da Mediação Tecnológica, e faz parte da Escola Superior de Educação do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Pg1 Comunicação



Ajuda psicológica traz confiança e aceitação para quem vive com HIV

Pessoas que vivem com o vírus podem apresentar as mesmas angústias e receios.

Ajuda psicológica traz confiança e aceitação para quem vive com HIV

Sempre é tempo para começar a pedalar

Segundo psicóloga, o sistema cognitivo de aprendizado dos adultos é diferente de quando criança, mas é possível desenvolver novas habilidades.

Sempre é tempo para começar a pedalar

O fetiche do cinema e o autismo

O autismo infantil é um assunto que tem dominado a agenda dessa semana.

O fetiche do cinema e o autismo

Por que usar muito a cabeça não é pensar com inteligência ?

O cérebro humano é um órgão incrível, mas, assim como a própria natureza humana ele também é limitado.

Por que usar muito a cabeça não é pensar com inteligência ?

Boca seca é alerta: descubra as causas e saiba como prevenir

Conheça as verdadeiras causas da boca seca.

Boca seca é alerta: descubra as causas e saiba como prevenir

Conheça as verdadeiras causas da boca seca

A xerostomia ou boca seca é mais comum entre os mais idosos.

Conheça as verdadeiras causas da boca seca

O condomínio é responsável por danos aos veículos nas garagens?

O condomínio não tem personalidade jurídica.

O condomínio é responsável por danos aos veículos nas garagens?

Mulheres de 50 anos, o tempo de ser feliz é agora!

Se alguém ainda acredita que uma mulher de 50 anos ou mais está no declínio da sua vida anda meio desinformado.

Mulheres de 50 anos, o tempo de ser feliz é agora!

O futuro é digital e é idoso

O que aprendi com minha mãe de 83 anos durante a pandemia.

O futuro é digital e é idoso

Crianças homenageiam heróis no combate ao Covid-19

Estudantes irão entregar uma faixa aos profissionais de saúde do Hospital Universitário da UEL, em Londrina (PR).

Crianças homenageiam heróis no combate ao Covid-19

Sorrir melhora a autoestima e o humor, promovendo conexão pessoal e bem-estar

Ter autoconfiança na hora de sorrir aumenta a autoestima, gera conexão com outras pessoas, melhora o humor, libera hormônios de bem-estar e pode até promover o rejuvenescimento.

Sorrir melhora a autoestima e o humor, promovendo conexão pessoal e bem-estar

Experiência de vida muda comunicação entre cães e humanos, diz estudo

Animais domésticos têm troca de olhares mais intensa com os donos.

Experiência de vida muda comunicação entre cães e humanos, diz estudo