Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Após 1500, como os portugueses conquistaram o Brasil?

Após 1500, como os portugueses conquistaram o Brasil?

26/04/2024 Víktor Waewell

De início, os portugueses passavam aqui para buscar produtos como o pau-brasil, a caminho da Índia, onde estavam as especiarias.

Após 1500, como os portugueses conquistaram o Brasil?

É que a corrente marítima que contorna a África passa pelo meio do Atlântico, então o Brasil era um desvio não muito grande no trajeto de ida.

Em várias partes do mundo, os portugueses fundaram fortalezas perto da costa nas quais os produtos que lhes interessavam eram guardados para quando os navios passarem. Em troca, entregavam itens europeus que hoje podem parecer de pouco valor, mas não eram. Se você precisa cortar uma árvore, vai valorizar bastante um machado de cunha metálica. Caso já tenha ficado numa casa sem espelhos, sabe que faz falta. No começo, os portugueses eram comerciantes, compravam aqui para vender lá e vice-versa. Então, os povos nativos de várias partes, inclusive no Brasil, trocavam por vontade.

No entanto, as guerras logo começaram a pipocar.

No Brasil, enquanto uns capitães portugueses continuavam a procurar pau-brasil, outros passaram a caçar pessoas e vendê-las como escravas para as incipientes plantações de cana no Nordeste. Diante da perspectiva dos grilhões, muitos nativos se uniram e deram batalha contra a invasão. Em alguns lugares, como no Espírito Santo, os indígenas venceram, matando muitos e queimando o que fora construído por portugueses, retardando o processo de colonização. Em outros, os fidalgos conseguiram aproveitar inimizades entre os caciques locais para conseguir bons aliados para si, ocasionando décadas de grandes batalhas em terra e no mar, como é o caso do eixo Rio-São Paulo, onde aconteceu a chamada Confederação dos Tamoios, a nossa maior revolta indígena – que, por sinal, é o pano de fundo do meu último livro.

Guerras assim eram habituais para portugueses, em sua vasta rede comercial, com embates do Brasil à Malásia, fossem contra reis locais ou almirantes otomanos. Frequentemente, os portugueses perderam. Às vezes, conquistavam apenas os direito de fazer comércio ali e, sendo otimista, de manter o castelo perto da praia.

Só que, no Brasil, os fidalgos avançaram cada vez mais sobre o território, até a vitória completa. Por quê?

Diferente do senso comum, as armas de fogo, bem rudimentares à época, não foram de grande valia. As armaduras, sim, faziam diferença, contra povos sem metalurgia. Mas o que realmente pendeu a balança foram as doenças. São vários os registros de contaminação lançada propositalmente contra os indígenas, com envio de pessoas ou objetos infectados a eles. Males que haviam circulado no resto do mundo por milhares de anos, causando várias epidemias mortíferas, ganharam a América. Diferente dos europeus, resultado de uma longa seleção de indivíduos resistentes àquelas doenças, os nativos morriam em proporção assombrosa.

O mundo dos indígenas, antes da virada do primeiro século da invasão, já era um cenário pós-apocalíptico. Cerca de 90% das pessoas morreram adoecidas. De início, faleciam mais os inimigos dos portugueses, contra os quais as doenças eram direcionadas. Depois, a epidemia varreu tudo. Povos inteiros no sertão que às vezes nem tinham ouvido falar de um branco desapareceram.

Com o território aberto, não se demoraram os hoje chamados bandeirantes, singrando o país em busca de metais preciosos e de nativos remanescentes para serem escravizados. Os metais foram encontrados em Minas Gerais e os nativos, difíceis de serem domados pela facilidade de fugirem pela mata, ficaram obsoletos como força motriz da economia, quando começaram a chegar, aos milhares e depois aos milhões, os pretos da África.

Neste 22 de abril lembramos o chamado Dia do Descobrimento do Brasil. Este é um jeito incrivelmente errado de descrever a situação, pois não foi descoberto, mas invadido, nem era o Brasil. De toda forma, o marco da chegada dos portugueses é um dia para se pensar. De lá para cá, têm sido boas as nossas escolhas?

* Víktor Waewell é escritor, autor do livro “Guerra dos Mil Povos”, uma história de amor e guerra durante a maior revolta indígena do Brasil.

Para mais informações sobre guerras clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: LC Agência de Comunicação



Aloísio Teixeira Garcia, ex-deputado estadual, morre aos 80 anos

Cultura, política e educação perderam com o falecimento no domingo passado do ex-deputado estadual e ex-membro da Academia Mineira de Letras, Aloísio Teixeira Garcia.

Autor: Divulgação


O que a pandemia nos ensinou que podemos usar no enfrentamento à dengue?

A palavra pandemia sempre nos transporta a lembranças de dias difíceis.

Autor: Jarbas da Silva Motta Junior


Catástrofe do RS exige união de esforços e não combate a Fake News

A catástrofe do Rio Grande Sul tem comovido o país inteiro.

Autor: Bady Curi Neto

Catástrofe do RS exige união de esforços e não combate a Fake News

O poder sedutor do dinheiro

Dinheiro e Poder, que dupla!

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

O poder sedutor do dinheiro

Relacionamentos: sabemos realmente o que necessitamos?

Interessante observar que o casamento, por exemplo, não cai de moda, todas as gerações ainda migram para esse modelo.

Autor: Viviane Gago

Relacionamentos: sabemos realmente o que necessitamos?

O peso dos idosos na balança eleitoral

Dados consolidados pelo Tribunal Superior Eleitoral, referentes a abril de 2024, mostram que o Brasil possui 33,7 milhões de eleitores com mais de 60 anos.

Autor: Wilson Pedroso

O peso dos idosos na balança eleitoral

Contribuintes podem ajudar vítimas no Rio Grande do Sul através do IR

O prazo de entrega da declaração do Imposto de Renda termina em 31 de maio, exceto para as cidades atingidas pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: Divulgação


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


A tragédia se repete e a insensibilidade política permanece

É estranho que, mesmo com todos os recursos técnicos hoje disponíveis, não se tenha conseguido evitar uma enchente de proporção ainda maior que a de 1941.

Autor: Samuel Hanan

A tragédia se repete e a insensibilidade política permanece

BH Airport suspende temporariamente arrecadação de doações

Mais de 15 toneladas de doações para o Rio Grande do Sul chegaram nos pontos de coleta do BH Airport nos últimos 5 dias.

Autor: Divulgação


Saber escutar nos aproxima das pessoas

Desde que desenvolvemos a linguagem, passamos a valorizar os grandes oradores.

Autor: Roberta Perdomo

Saber escutar nos aproxima das pessoas

5 coisas que (provavelmente) nunca te contaram sobre o Imposto de Renda

A declaração de Imposto de Renda é uma certeza na vida de milhões de brasileiros, mas há detalhes nesse processo que podem passar despercebidos até mesmo pelos mais atentos.

Autor: Divulgação

5 coisas que (provavelmente) nunca te contaram sobre o Imposto de Renda