Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Armadilhas financeiras: como evitar o desperdício de dinheiro?

Armadilhas financeiras: como evitar o desperdício de dinheiro?

01/02/2016 Lélio Braga Calhau

O consumidor brasileiro é bombardeado sempre com estímulos para comprar, muitas vezes com o que não precisamos.

Armadilhas financeiras: como evitar o desperdício de dinheiro?

A propaganda para consumir nos cerca a todo momento e lugar e quer, inclusive, invadir o sossego de nossos lares com ligações 24 horas por dia de grandes empresas (curiosamente, os mesmo litigantes profissionais que entopem a Justiça com ações, lesando consumidores) fazendo “ofertas espetaculares”.

São instituições financeiras, companhias de telefonia celular, empresas de internet, empresas aéreas, entre outras. Uma das estratégias de marketing utilizadas por esses grandes fornecedores para legalmente “tomar o seu dinheiro” é, literalmente, mexer nas suas emoções.

Por quê? Porque eles sabem que se suas emoções forem balançadas, você terá mais dificuldade de raciocinar se uma determinada compra será realmente boa para você ou não. E aqui não estou falando do simples exagero, mas da vontade de fazer uma venda para o consumidor, mesmo que isso o prejudique.

Segundo Laura Lake, algumas empresas fazem o consumidor sentir que precisa de certo produto para se sentir melhor, ou aparentar, de determinada maneira. No final, porém, o ponto verdadeiro é que as empresas fazem as pessoas quererem o produto, mesmo que verdadeiramente não precisem dele.

E como isso pode ser conseguido? Tentando fazer o consumidor confundir desejos com necessidades. Assim, ele não racionaliza direito e acaba fazendo uma compra mal feita. Imagine que qualquer compra assim já te dá um certo grau de prejuízo, mas contabilize, então, isso ao longo de uma vida inteira.

Não há fortuna que se sustente com isso no longo prazo. É o que acontece quando você entra numa concessionária para comprar um carro pequeno e o vendedor fica tentando te forçar a comprar um maior - e que nem te serve tão bem.

Ou o profissional de telemarketing que fica te ligando o tempo todo para que você compre um “pacote de dados” fantástico, que curiosamente só será ofertado naquele momento, etc. Fique atento, pois, em muitos casos, as pessoas ficam focadas em ganhar mais dinheiro e se esquecem de defendê-lo nas pequenas coisas, diariamente, desses “abutres financeiros”.

Não deixe nenhum vendedor te confundir em qualquer compra. Desejo é uma coisa e necessidade é outra. Não aceite apelo emocional, como “você merece isso”, “sua família vai adorar”, “todo mundo está comprando”.

Exija sempre um prazo mínimo para refletir. Peça que enviem a “oferta fantástica” por e-mail - coisa que raramente eles o farão.

Não caia em “necessidades artificiais”, pois essas estratégias buscam apenas tomar o seu dinheiro sem trazer nenhum valor novo e efetivo para a sua vida.

Avalie sempre e separe os seus desejos das suas necessidades. Você pode ter o que deseja, mas isso não pode comprometer as suas necessidades reais e verdadeiras.

* Lélio Braga Calhau é Promotor de Justiça de defesa do consumidor do Ministério Público de Minas Gerais.



Aloísio Teixeira Garcia, ex-deputado estadual, morre aos 80 anos

Cultura, política e educação perderam com o falecimento no domingo passado do ex-deputado estadual e ex-membro da Academia Mineira de Letras, Aloísio Teixeira Garcia.

Autor: Divulgação


O que a pandemia nos ensinou que podemos usar no enfrentamento à dengue?

A palavra pandemia sempre nos transporta a lembranças de dias difíceis.

Autor: Jarbas da Silva Motta Junior


Catástrofe do RS exige união de esforços e não combate a Fake News

A catástrofe do Rio Grande Sul tem comovido o país inteiro.

Autor: Bady Curi Neto

Catástrofe do RS exige união de esforços e não combate a Fake News

O poder sedutor do dinheiro

Dinheiro e Poder, que dupla!

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

O poder sedutor do dinheiro

Relacionamentos: sabemos realmente o que necessitamos?

Interessante observar que o casamento, por exemplo, não cai de moda, todas as gerações ainda migram para esse modelo.

Autor: Viviane Gago

Relacionamentos: sabemos realmente o que necessitamos?

O peso dos idosos na balança eleitoral

Dados consolidados pelo Tribunal Superior Eleitoral, referentes a abril de 2024, mostram que o Brasil possui 33,7 milhões de eleitores com mais de 60 anos.

Autor: Wilson Pedroso

O peso dos idosos na balança eleitoral

Contribuintes podem ajudar vítimas no Rio Grande do Sul através do IR

O prazo de entrega da declaração do Imposto de Renda termina em 31 de maio, exceto para as cidades atingidas pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: Divulgação


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


A tragédia se repete e a insensibilidade política permanece

É estranho que, mesmo com todos os recursos técnicos hoje disponíveis, não se tenha conseguido evitar uma enchente de proporção ainda maior que a de 1941.

Autor: Samuel Hanan

A tragédia se repete e a insensibilidade política permanece

BH Airport suspende temporariamente arrecadação de doações

Mais de 15 toneladas de doações para o Rio Grande do Sul chegaram nos pontos de coleta do BH Airport nos últimos 5 dias.

Autor: Divulgação


Após 1500, como os portugueses conquistaram o Brasil?

De início, os portugueses passavam aqui para buscar produtos como o pau-brasil, a caminho da Índia, onde estavam as especiarias.

Autor: Víktor Waewell

Após 1500, como os portugueses conquistaram o Brasil?

Saber escutar nos aproxima das pessoas

Desde que desenvolvemos a linguagem, passamos a valorizar os grandes oradores.

Autor: Roberta Perdomo

Saber escutar nos aproxima das pessoas