Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Minha empresa entrou em crise. O que faço?

Minha empresa entrou em crise. O que faço?

12/02/2016 Telmo Schoeler

Encare a realidade: os fatos são mais relevantes do que o que você pensa.

Minha empresa entrou em crise. O que faço?

Em síntese, você não percebeu as mudanças empresariais e de gestão, subestimou seus efeitos ou simplesmente não quis fazer os ajustes que se impunham, três pecados mortais no mundo moderno. Não se autoflagele, você não errou sozinho.

A maioria esquece que o cenário se tornou dinâmico, mutante, desestabilizador e disruptivo e ainda fica olhando no espelho retrovisor, focada no que passou, esquecendo que o presente já é – e o futuro será ainda mais – diferente.

Achar que o passado o salvará qualquer tolo faz, mas enxergar o futuro, preparar-se para ele e até influenciá-lo só os capacitados e de mente aberta conseguem fazer.

Torça para que sua crise ainda tenha cura, ao contrário de Matarazzo, Varig, Olivetti, Kodak e tantos outros.

Havendo luz no horizonte, tenha consciência de que precisará implantar e aceitar mudanças na gestão e no seu modelo, o que só será possível se seguir a “equação de Strategos”, ou seja, se tiver “a humildade de ouvir, a capacidade de entender, a vontade de mudar e a determinação de levar o processo até o fim”.

Esta lógica requer aceitar que alguém pode até ter 100% do capital e da propriedade de um negócio, mas ninguém – absolutamente ninguém – possui 100% da informação e da capacidade, na qual se inclui gestão como ciência, pois já não basta boa intenção, intuição, dedicação e esforço.

Mas, não tente mudar sozinho. Busque ajuda externa, isenta, capacitada e experiente em processos de transformação.

Só alguém assim será capaz de adequado diagnóstico da realidade e mapeamento de causas e efeitos para, com base nisso, produzir um eficiente e eficaz plano de reversão a ser validado e aprovado por você, dando a imprescindível sustentação política para que possa ser implementado.

Não esqueça que a psicologia nos mostra que o ser humano não gosta de mudanças, pois elas nos tiram da zona de conforto.

Por isso, salvo em raras exceções e onde os problemas a serem corrigidos são pequenos ou restritos, coloque na liderança do processo de reversão ou recuperação um competente “gestor interino”.

Apenas ele, por ser movido por uma “missão” de reverter e salvar, com objetivo e prazo definidos, terá a isenção e capacidade para mudar hábitos, quebrar paradigmas, questionar e desafiar procedimentos, coisa quase impossível de ser feita por um executivo “de carreira” que sempre trafegará pelos convenientes caminhos da acomodação de interesses e do aparamento de arestas.

Como o foco do “interino” será a reestruturação e recuperação da empresa e não o desenvolvimento e manutenção de sua carreira, suas ações, deliberações e liderança – afinadas com o plano de recuperação aprovado – serão técnicas, objetivas e racionais, ingredientes imprescindíveis em processos de mudança.

Em paralelo, esquecendo seu umbigo, não deixe de olhar pela janela. Não basta estabelecer um plano e orçamento e premiar um resultado que o supere. De quem você terá que ganhar é da concorrência e do mercado, ou seja, a performance terá que ser boa em termos relativos, um olhar “beyond budgeting”.

Finalmente, para que você possa fazer isso tudo, olhar para frente e tomar as ações e precauções que aumentarão em muito sua probabilidade de sucesso e sobrevivência, deverá implantar ou ajustar sua estrutura de Governança Corporativa, cuidando para que ela não seja apenas teoria ou forma, mas sim um sistema cuja efetiva prática e funcionamento assegurem a você dar a volta e permanecer por cima.

Isto requer acionistas conscientes e preparados, um Conselho adequado, uma auditoria eficiente e uma diretoria executiva apta a uma performance que deixe felizes todos os “stakeholders”, inclusive os acionistas.

Em síntese, diante da crise, fora seus valores e princípios, tudo terá que mudar, pois se fizer as mesmas coisas e seguir os mesmos caminhos, você sempre chegará ao mesmo lugar.

* Telmo Schoeler é sócio diretor da Strategos Consultoria Empresarial e da Orchestra Soluções Empresariais 



Aloísio Teixeira Garcia, ex-deputado estadual, morre aos 80 anos

Cultura, política e educação perderam com o falecimento no domingo passado do ex-deputado estadual e ex-membro da Academia Mineira de Letras, Aloísio Teixeira Garcia.

Autor: Divulgação


O que a pandemia nos ensinou que podemos usar no enfrentamento à dengue?

A palavra pandemia sempre nos transporta a lembranças de dias difíceis.

Autor: Jarbas da Silva Motta Junior


Catástrofe do RS exige união de esforços e não combate a Fake News

A catástrofe do Rio Grande Sul tem comovido o país inteiro.

Autor: Bady Curi Neto

Catástrofe do RS exige união de esforços e não combate a Fake News

O poder sedutor do dinheiro

Dinheiro e Poder, que dupla!

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

O poder sedutor do dinheiro

Relacionamentos: sabemos realmente o que necessitamos?

Interessante observar que o casamento, por exemplo, não cai de moda, todas as gerações ainda migram para esse modelo.

Autor: Viviane Gago

Relacionamentos: sabemos realmente o que necessitamos?

O peso dos idosos na balança eleitoral

Dados consolidados pelo Tribunal Superior Eleitoral, referentes a abril de 2024, mostram que o Brasil possui 33,7 milhões de eleitores com mais de 60 anos.

Autor: Wilson Pedroso

O peso dos idosos na balança eleitoral

Contribuintes podem ajudar vítimas no Rio Grande do Sul através do IR

O prazo de entrega da declaração do Imposto de Renda termina em 31 de maio, exceto para as cidades atingidas pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: Divulgação


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


A tragédia se repete e a insensibilidade política permanece

É estranho que, mesmo com todos os recursos técnicos hoje disponíveis, não se tenha conseguido evitar uma enchente de proporção ainda maior que a de 1941.

Autor: Samuel Hanan

A tragédia se repete e a insensibilidade política permanece

BH Airport suspende temporariamente arrecadação de doações

Mais de 15 toneladas de doações para o Rio Grande do Sul chegaram nos pontos de coleta do BH Airport nos últimos 5 dias.

Autor: Divulgação


Após 1500, como os portugueses conquistaram o Brasil?

De início, os portugueses passavam aqui para buscar produtos como o pau-brasil, a caminho da Índia, onde estavam as especiarias.

Autor: Víktor Waewell

Após 1500, como os portugueses conquistaram o Brasil?

Saber escutar nos aproxima das pessoas

Desde que desenvolvemos a linguagem, passamos a valorizar os grandes oradores.

Autor: Roberta Perdomo

Saber escutar nos aproxima das pessoas