Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Novo entendimento do Judiciário beneficia vítimas de golpes em bancos

Novo entendimento do Judiciário beneficia vítimas de golpes em bancos

03/12/2021 Divulgação

Bancos terão que provar veracidade de assinatura em contratos apontados pelos clientes como fraudulentos.

Novo entendimento do Judiciário beneficia vítimas de golpes em bancos

Inesperadamente, o jornalista Paulo Roberto Alves, 59 anos, recebeu um e-mail de cobrança sobre uma dívida de 170 mil reais. O suposto débito era referente a um financiamento efetuado para a compra de um carro de luxo. Imediatamente, Paulo Roberto entrou em contato com a instituição bancária para informar que não havia feito o empréstimo, e que na verdade, fora vítima de um golpe de estelionatário.

Um golpista, portando documento falso, conseguiu aprovar o financiamento ao informar número errado de endereço, telefone e assinatura falsificada de Paulo. Mesmo tendo ciência de que o financiamento havia sido realizado por terceiros, com a utilização de dados falsos, o banco incluiu o nome de Paulo no cadastro de inadimplentes do SPC.

“Logo que percebi que usaram o meu nome com dados falsos, procurei o banco para informar sobre o golpe, em seguida, registrei boletim de ocorrência e formalizei a fraude no Banco Central. Mesmo com todas essas informações, a instituição bancária não adotou nenhuma medida para retirar do meu nome o registro do veículo adquirido de forma fraudulenta e, ainda, inscreveu meu nome do SPC”, conta Paulo Roberto.

A advogada Luciana Atheninese explica que neste caso, Paulo Roberto foi vítima de estelionatários que fraudaram seus documentos pessoais e celebraram financiamento junto à instituição bancária. Segundo Luciana, não se trata de um caso isolado. Este tipo de golpe acontece com muita frequência, lesando centenas de pessoas recorrentemente.

Recentemente, o Superior Tribunal de Justiça firmou posicionamento determinando que na hipótese do consumidor contestar a autenticidade de assinatura incluída em contrato bancário, caberá ao banco provar que a assinatura é verdadeira.

“Esse entendimento deve favorecer o consumidor hipossuficiente já que este não consegue obter provas por decorrência de seu desconhecimento técnico ou informacional. Cabe à instituição financeira o ônus de provar a autenticidade da assinatura, seja por perícia grafotécnica ou mediante os meios de prova legais ou moralmente legítimos. Vale lembrar que a instituição bancária deverá arcar com os prejuízos causados aos consumidores em razão de sua responsabilidade objetiva e da atividade comercial desenvolvida, que lhe impõe o risco do negócio”, argumenta Luciana.

A advogada ainda aponta a responsabilidade dos bancos em evitar novos casos: “Infelizmente as práticas fraudulentas já se tornaram frequentes no Brasil, portanto, cabe às instituições financeiras buscarem meios de reprimí-las amparado ao seu conhecimento técnico e tecnológico e, de maneira nenhuma, impor este ônus a parte mais frágil que é o consumidor”, argumenta a advogada.

Para mais informações sobre Golpes clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: RG Comunicação



Poupança tem recorde de resgates para julho

Caderneta registrou saída líquida de R$ 12,7 bilhões no mês, revertendo o saldo de R$ 6,4 bilhões de julho de 2021

Poupança tem recorde de resgates para julho

Brasil fechou quase 800 bibliotecas públicas em cinco anos

O número de municípios com bibliotecas públicas também caiu.

Brasil fechou quase 800 bibliotecas públicas em cinco anos

A inflação pode ser um aliado

Afinal de contas, a inflação é um inimigo ou um aliado da economia?

A inflação pode ser um aliado

Declaração do IR retida na Malha Fina: o que fazer?

Nenhum contribuinte deseja ter sua declaração retida na malha fina.

Declaração do IR retida na Malha Fina: o que fazer?

Mesmo aquecida e confiante, construção civil tem grandes desafios

O ano de 2020 representou uma reviravolta para a indústria da construção civil.


Como começar a investir

A maioria dos investidores genuínos são pessoas comuns que vão trabalhar, têm famílias e têm interesses além do dinheiro.


Taxa de desemprego cai para 9,3% no segundo trimestre

População ocupada é a maior desde o início da série histórica.

Taxa de desemprego cai para 9,3% no segundo trimestre

IBGE lança novo concurso para 15 mil vagas de recenseador

Há vagas ainda não preenchidas em diversos municípios do país.

IBGE lança novo concurso para 15 mil vagas de recenseador

Brasil lança moeda colorida para celebrar bicentenário da Independência

Destinadas a colecionadores, peças serão vendidas por R$ 34 e R$ 420.

Brasil lança moeda colorida para celebrar bicentenário da Independência

Rio Grande do Sul será primeiro estado a emitir nova identidade

Nova carteira de identidade adotará o número de inscrição no CPF como registro geral, único e válido para todo o país.

Rio Grande do Sul será primeiro estado a emitir nova identidade

População cresce, mas número de pessoas com menos de 30 anos cai

Governo suspende atividades de 180 empresas por telemarketing abusivo