Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O impacto da tecnologia na prevenção à lavagem de dinheiro

O impacto da tecnologia na prevenção à lavagem de dinheiro

21/03/2016 Ivan Silva e Alberlei Aparecido de Oliveira

O sistema bancário brasileiro é um dos mais modernos do mundo.

O impacto da tecnologia na prevenção à lavagem de dinheiro

Como clientes, conseguimos realizar uma infinidade de transações com poucos cliques. Pagamentos, transferências, aplicações, análise de riscos, contato com o profissional da Instituição Financeira e outras tantas operações que estão disponíveis na palma de nossas mãos.

Do lado do banco, você já parou para pensar a quantidade de plataformas e soluções tecnológicas necessárias para que tantos produtos e serviços estejam disponíveis 24 horas por dia, sete dias por semana?

As opções são muitas e, ainda que se destaque como uma área altamente tecnológica e automatizada, o sistema bancário ainda não faz uso de todas as soluções disponíveis e que podem garantir um melhor funcionamento e conformidade nas suas operações, principalmente no que tange às obrigações impostas por orgãos reguladores, como o Banco Central do Brasil.

Alguns exemplos são as soluções que diminuem os erros operacionais, fraudes e lavagem de dinheiro (LD). Vejamos, como exemplo, o fato de que recursos gerados nos processos de licitações fraudulentas podem ser “lavados”, causando prejuízos relevantes aos cofres públicos do Brasil e do mundo.

Detectar uma operação com indícios de lavagem de dinheiro não é uma tarefa simples. Para começar, a LD envolve não só grandes transações em espécie, geradas por algumas atividades ilegais. Por esse motivo, a primeira preocupação dos envolvidos no processo de lavagem é colocar o dinheiro no sistema financeiro por meio de operações regulares, como por exemplo depósitos, compra de títulos, pagamento de cobranças, entre outros.

Uma vez inserido nas instituições financeiras, inicia- se a segunda fase que consiste em transformar esse recurso em outra forma de ativo, para dificultar o seu rastreamento. Isso pode ser feito por meio de investimentos em renda fixa e renda variável, compra de produtos bancários ou de seguros, títulos de capitalização e etc.

Em terceiro lugar, esses produtos financeiros são resgatados, incorporados formalmente e utilizados na aquisição de outros bens com origem supostamente “lícita”. A lavagem de dinheiro também pode ser realizada por meio de inúmeras transferências entre contas – dentro e fora do País - do dinheiro advindo de qualquer infração penal.

Porém, a dificuldade aqui é detectar qual transação envolve o montante ilícito dentre milhares – quem sabe milhões – que são feitas diariamente e, em sua grande maioria, legítimas. Para evitar – ou ao menos diminuir - tais operações, o sistema financeiro brasileiro possui diversas regulamentações, instruções e recomendações do Bacen (Banco Central do Brasil) e da CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

Um exemplo é a Carta-Circular 3.542/12, que relaciona as situações e operações que podem configurar indícios de ocorrência de infração penal, conforme estabelecido na Lei 9.613/98, e que são passíveis de comunicação ao Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), órgão criado no âmbito do Ministério da Fazenda, instituído pela Lei 9.613, de 1998, e que atua eminentemente na prevenção e combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento ao terrorismo.

Compete ao Coaf receber, examinar e identificar as ocorrências suspeitas de atividades ilícitas; comunicar às autoridades competentes para a instauração dos procedimentos cabíveis nas situações em que o Conselho concluir pela existência, ou fundados indícios, de crimes de lavagem, ocultação de bens, direitos e valores, ou de qualquer outro ilícito; coordenar e propor mecanismos de cooperação e de troca de informações que viabilizem ações rápidas e eficientes no combate à ocultação ou dissimulação de bens, direitos e valores; e disciplinar e aplicar penas administrativas.

Porém, manter-se em conformidade às melhores práticas é um grande desafio. Inúmeros são os produtos disponíveis, desde previdência privada, seguros, conta corrente, poupança, dentre outros e que geram novas transações o tempo todo.

O esforço para geração de dados e informações é gigantesco e muitas instituições ainda possuem controles empíricos. Muitos podem se perguntar: Com tanta tecnologia disponível, por qual motivo não digitalizam todas essas operações?

O grande desafio que surge é a integração de sistemas. Temos muitos bancos no mercado, cada um com seu ambiente rodando em uma determinada plataforma, dificultando essa integração. Essa falta de integração afeta a ação de monitoramento, uma vez que restringe a captação dos dados, correlação de eventos e o mapeamento de comportamentos incomuns, como por exemplo - os montantes transacionados que podem levar à detecção dessas operações ligadas à lavagem de dinheiro.

Eliminar esse gap não é algo fácil, mas os bancos e os órgãos reguladores estão sempre trabalhando com esse foco. E, para apoiá-los nesse desafio, eles contam com o comprometimento e expertise de empresas desenvolvedoras de soluções, que oferecem alternativas para a transformação digital desses estabelecimentos financeiros.

A utilização de uma tecnologia agnóstica, que se integre rapidamente às demais plataformas do mercado é uma das principais saídas que resultam em ganhos para todos os níveis: os processos ganham automatização e monitoramento; as transações ganham mais segurança; os gestores ganham transparência; a instituição ganha governança e visibilidade, e os clientes ganham credibilidade.

* Ivan Silva é diretor de pré-vendas da Software AG e Alberlei Aparecido de Oliveira é analista de atos ilícitos em Instituição Financeira e autor do livro Mecanismos de Prevenção à Lavagem de Dinheiro – Identificando fraudes em licitações públicas.



Portabilidade de crédito imobiliário cresce 200% em 2019

Número representa 6,4% dos contratos que poderiam ser alterados.

Portabilidade de crédito imobiliário cresce 200% em 2019

Casos de feminicídio crescem 22% em 12 estados durante pandemia

Números da violência contra a mulher caíram em apenas três estados.

Casos de feminicídio crescem 22% em 12 estados durante pandemia

Consumo das famílias tem a queda mais intensa desde 2001

O motivo da queda, segundo o IBGE, foi a pandemia do novo coronavírus.

Consumo das famílias tem a queda mais intensa desde 2001

Por que plano de saúde está tão caro?

Não é de hoje que os planos de saúde estão ficando cada vez mais caros.

Por que plano de saúde está tão caro?

Brasil perde mais de 860 mil empregos formais em abril

De janeiro a abril foram 4.999.981 admissões e 5.763.213 demissões.

Brasil perde mais de 860 mil empregos formais em abril

Correios serão opção para fazer cadastro para auxílio emergencial

Banco é condenado por falha ao compensar cheque

Cliente vai receber R$ 15 mil por danos morais.

Banco é condenado por falha ao compensar cheque

Dólar nas alturas: será que só existe desvantagem?

Do momento em que os casos de covid-19 começaram a aparecer fora da China, a moeda norte-americana acelerou o movimento de alta dos preços.

Dólar nas alturas: será que só existe desvantagem?

Fake news: da mídia à justiça (e vice-versa)

As fake news estão ultrapassando os prejuízos financeiros e de credibilidade nas empresas e invadindo o judiciário com dezenas de processos.

Fake news: da mídia à justiça (e vice-versa)

Por que emitir moeda em tempos de pandemia?

Somente o BC pode emitir moeda e somente o TN pode emitir títulos e pagar as despesas do Governo Federal.

Por que emitir moeda em tempos de pandemia?

Cartórios do interior já podem realizar casamentos virtuais

O projeto-piloto que autoriza a realização de casamentos civis por videoconferência e escritura pública digital foi ampliado.

Cartórios do interior já podem realizar casamentos virtuais

O que está acontecendo com o dólar com a saída do Moro?

A crise causada pelo Coronavírus já vinha elevando o preço do dólar que, nos últimos tempos, estava apresentando patamares históricos.

O que está acontecendo com o dólar com a saída do Moro?