Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O marketing de comunidades é a parte humana que a IA não consegue substituir

O marketing de comunidades é a parte humana que a IA não consegue substituir

26/10/2023 Emiliano Agazzoni

Já nos aproximamos da metade da terceira década do século XXI, e a essa altura não é mais possível ignorar o avanço vertiginoso da inteligência artificial (IA).

O marketing de comunidades é a parte humana que a IA não consegue substituir

A cada dia mais pessoas se deparam com essa ferramenta — mesmo nas atividades mais simples do cotidiano, o que transforma a IA em uma tecnologia relevante para quem trabalha com marketing e quer tornar suas marcas conhecidas e admiradas pelos consumidores. Mas será que ela, sozinha, dá conta da abrangência dessa tarefa? Ou ainda precisamos de conexões humanas para realmente aproximar os clientes das empresas?

Dada a evolução da tecnologia, pode até parecer que a IA vai predominar. Mas, pelo menos no marketing, não vai ser possível abrir mão daquilo que é central no processo de promoção das marcas: a atenção às pessoas que vão consumir seus produtos e/ou serviços. Por mais que a IA conquiste espaço — e isso está acontecendo a passos largos —, a necessidade humana fundamental de pertencimento e conexão não vai desaparecer. Daí a relevância, para o marketing, de estratégias “de carne e osso”, como a gestão de comunidades (community manager).

Nesse sentido, desenvolver estratégias de marketing de comunidades é crucial para que uma marca estabeleça um diferencial competitivo que não se baseie apenas em seu produto, mas sim na comunidade que o rodeia. Essas estratégias envolvem testes com lançamentos, feedbacks para melhorias, colaborações em fóruns online e incentivo para os membros da comunidade em torno de uma marca criarem conteúdos que a promovam — lembrando que os membros de uma comunidade muitas vezes fazem publicidade gratuita dos seus produtos preferidos. Essas conexões genuínas entre a marca e seus clientes não podem ser replicadas — nem por outra marca, nem pela IA.

A IA está sendo cada vez mais utilizada no marketing para personalizar campanhas, otimizar anúncios, gerar insights e criar planos de marketing direcionados, além de ajudar muito na análise de dados de clientes. São pontos importantes, mas que não podem gerar dependência excessiva da automação, sob pena de a marca se afastar da desejável humanização nas interações com clientes. É grande o risco, por exemplo, de perda de autenticidade nessas relações.

Outro problema é o fato de muitas empresas, quando pensam em aplicar a IA ao marketing, incorrerem no erro de usar apenas instrumentos bem genéricos — o caso mais emblemático é o do ChatGPT — em vez de desenvolverem ferramentas mais adaptadas ao perfil de seus próprios clientes. Ocorre que demanda muito tempo e investimento financeiro da empresa desenvolver algoritmos proprietários para atender as necessidades específicas de seus clientes. Apostar na estratégia do engajamento de comunidades tende a ser mais barato, eficiente e duradouro.

Quando se fala em proximidade humana, aliás, não se trata de algo distante das tecnologias digitais — muito ao contrário. Já faz pelo menos 20 anos que as pessoas integram comunidades online em torno de marcas, ambientes que favorecem a conexão da empresa com quem está longe e dos consumidores entre eles. E têm tido muitos benefícios as empresas que conseguiram criar ambientes virtuais seguros de interação usando redes sociais e comunidades proprietárias (whitelabel, em ambientes de marcas).

Assim, por mais paradoxal que possa parecer, o futuro do marketing está na conexão legitimamente humana, e não na tecnologia de inteligência artificial — que vai ter sim seu papel, mas secundário. Empresas que negligenciam a gestão de comunidades podem perder a oportunidade de construir relações sólidas e autênticas com seus clientes. Será muito mais valioso para as marcas investir nesse relacionamento próximo, autêntico e acolhedor do que se valer exclusivamente das frias ferramentas de IA. Essa segunda opção, no fim das contas, pode até prejudicar a reputação da marca, identificada por interações impessoais e ausência de empatia.

* Emiliano Agazzoni é CEO da CM School.

Para mais informações sobre estratégias de marketing clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Agência Blue Chip



Bares e restaurantes seguram preços por medo de perder clientes

Inflação em bares e restaurantes é mais baixa que os índices de alimentação no domicílio e também dos insumos, aponta IPCA.

Autor: Divulgação

Bares e restaurantes seguram preços por medo de perder clientes

Idoso de 100 anos ganha ensaio fotográfico de pré-casamento

Nilza e Paraná convivem há quase 18 anos na unidade da Fhemig em Betim (MG).

Autor: Divulgação

Idoso de 100 anos ganha ensaio fotográfico de pré-casamento

Calvície já teve lá seu glamour, mas hoje só afeta a autoestima

Talvez você não saiba, mas já houve um tempo em que ser calvo não apenas era algo dissociado de uma doença capilar como ainda era sinônimo de status.

Autor: ‌Melina Oliveira

Calvície já teve lá seu glamour, mas hoje só afeta a autoestima

Aloísio Teixeira Garcia, ex-deputado estadual, morre aos 80 anos

Cultura, política e educação perderam com o falecimento no domingo passado do ex-deputado estadual e ex-membro da Academia Mineira de Letras, Aloísio Teixeira Garcia.

Autor: Divulgação


O que a pandemia nos ensinou que podemos usar no enfrentamento à dengue?

A palavra pandemia sempre nos transporta a lembranças de dias difíceis.

Autor: Jarbas da Silva Motta Junior


Catástrofe do RS exige união de esforços e não combate a Fake News

A catástrofe do Rio Grande Sul tem comovido o país inteiro.

Autor: Bady Curi Neto

Catástrofe do RS exige união de esforços e não combate a Fake News

O poder sedutor do dinheiro

Dinheiro e Poder, que dupla!

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

O poder sedutor do dinheiro

Relacionamentos: sabemos realmente o que necessitamos?

Interessante observar que o casamento, por exemplo, não cai de moda, todas as gerações ainda migram para esse modelo.

Autor: Viviane Gago

Relacionamentos: sabemos realmente o que necessitamos?

O peso dos idosos na balança eleitoral

Dados consolidados pelo Tribunal Superior Eleitoral, referentes a abril de 2024, mostram que o Brasil possui 33,7 milhões de eleitores com mais de 60 anos.

Autor: Wilson Pedroso

O peso dos idosos na balança eleitoral

Contribuintes podem ajudar vítimas no Rio Grande do Sul através do IR

O prazo de entrega da declaração do Imposto de Renda termina em 31 de maio, exceto para as cidades atingidas pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: Divulgação


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


A tragédia se repete e a insensibilidade política permanece

É estranho que, mesmo com todos os recursos técnicos hoje disponíveis, não se tenha conseguido evitar uma enchente de proporção ainda maior que a de 1941.

Autor: Samuel Hanan

A tragédia se repete e a insensibilidade política permanece