Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Polícia liberada para trabalhar como sabe

Polícia liberada para trabalhar como sabe

10/05/2022 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Os contumazes amantes da desordem e defensores intransigentes dos criminosos torceram o nariz quando o governador Rodrigo Garcia determinou o aumento do número de policiais nas ruas (a cidade de São Paulo aumentou de 5 mil para 9.740 o número de policiais em ação) e declarou que quem levantar arma contra a polícia vai levar bala.

Sua fala, no entanto, enche de esperança os policiais que, finalmente, poderão empregar no dia a dia a filosofia de trabalho recebida no treinamento de seus cursos de formação e aperfeiçoamento, muitas vezes relevada por falta de energia e foco do governante, tanto em São Paulo quando em outros Estados.

Desde os anos 80, quando os militares deixaram o poder e os bandidos estavam condicionados a respeitar a polícia porque sabiam dos riscos que corriam se não o fizessem, a demagogia política invadiu a área e chegamos ao cúmulo de policiais serem perseguidos, agredidos e até mortos em represália de bandidos tolhidos em sua ação criminosa.

Politiqueiros do pior quilate, apoiados por governantes que só pensavam em democracia a qualquer preço, passaram a perseguir os policiais e vitimizar os criminosos.

O resultado não poderia ser diferente do quadro caótico que se instalou na segurança pública, já que as leis e procedimentos também foram enfraquecidos por obra de parlamentares divorciados da realidade.

Não devemos chegar ao exagero de Paulo Maluf que em 1979, ao assumir o governo do Estado, declaro que “bandido bom é bandido morto”.

Mas não é correto alisar-lhes a cabeça, como fazem importantes figuras – que talvez só tenham ganho importância por essa nefasta atitude – defendendo incondicionalmente os criminosos e, da mesma forma, acusando a polícia de práticas violências e de alta letalidade.

Precisamos do equilíbrio, onde a polícia não seja gratuitamente violenta mas possa agir com a devida energia para controlar situações de risco e impedir a prática delituosa. E que o criminoso ou contraventor tenha a certeza de que seus atos anti-sociais não ficarão impunes.

Conseguidas essas duas vertentes de um mesmo quadro, o resultado será a queda da criminalidade e a volta da tranquilidade à população apreensiva e até amedrontada.

É preciso compreender que, embora se repitam as motivações, nada que já ocorreu no passado será exatamente igual àquele tempo.

As variáveis são diferentes e, principalmente, a tecnologia de hoje oferece melhores possibilidades de trabalho. A polícia – no passado equipada com fusquinhas e o famoso revólver 38 – que atendiam às necessidades daquele momento – possui hoje veículos modernos e velozes e armamento mais eficiente.

Também há a estrutura eletrônica e de comunicação  - inclusive as câmeras portáteis – que dando mais velocidade e transparência ao trabalho.

A estrutura do COPOM – Centro de Operações da Polícia Militar – é uma importante peça de apoio às equipes que estão nas ruas.

Tudo isso sem dizer das câmeras de segurança – públicas e privadas – hoje estão instaladas em toda parte que muito contribuem para a elucidação dos delitos.

A presença de mais polícia na rua, determinada pelo governador, é um eficiente inibidor da atividade criminosa. Penso que um bom começo para um novo tempo na segurança da comunidade.

Mas é preciso readquirir também o rigor no cumprimento das penas e na apuração dos delitos. As leis afrouxadas por interesses que não são os da comunidade mas de esquemas politiqueiros, precisam ser revistas.

Oxalá existam parlamentares com condições e disposição para prestar esse serviço ao Brasil…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre polícia clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Belo Horizonte é a única mineira entre as cidades mais desenvolvidas do país

A capital ocupa a sexta colocação no Índice Sebrae de Desenvolvimento Econômico Local (Isdel).

Belo Horizonte é a única mineira entre as cidades mais desenvolvidas do país

Consumo nos lares brasileiros cresce 2,59% no trimestre

Dados são da Associação Brasileira de Supermercados.

Consumo nos lares brasileiros cresce 2,59% no trimestre

Pagamentos com cartões de crédito crescem 42% no primeiro trimestre

Aumento está relacionado à expansão do comércio online, diz associação.

Pagamentos com cartões de crédito crescem 42% no primeiro trimestre

Indicador de turismo sobe 88% após volta de eventos em São Paulo

Postos terão duas formas de mostrar preços de combustíveis

A medida passa a valer a partir do dia 7 de maio.

Postos terão duas formas de mostrar preços de combustíveis

Governo lança portal com informações sobre o FGTS Digital

Versão digital entra em operação até final do ano.

Governo lança portal com informações sobre o FGTS Digital

Os desafios de lidar com maternidade e realização profissional

A experiência da maternidade é o momento mais importante na vida da mulher, no entanto um dos mais preocupantes também.


Explore seu universo de possibilidades

Você sabia que o ser humano enfrenta em média 23 adversidades por dia?


Maio Amarelo alerta população sobre impactos dos acidentes de trânsito

Trabalho conjunto das Forças de Segurança, ação terá programação durante todo o mês.

Maio Amarelo alerta população sobre impactos dos acidentes de trânsito

Percentuais de endividados e inadimplentes são os maiores em 12 anos

Índice de endividados chegou a 77,7% em abril. O cartão de crédito é o principal motivo das dívidas.

Percentuais de endividados e inadimplentes são os maiores em 12 anos

A esperança é o combustível da vida

A esperança corresponde à aspiração de felicidade existente no coração de cada pessoa.

A esperança é o combustível da vida

Indulto x Interferência de Poderes

As leis, como de corriqueira sabença, obedecem a uma ordem hierárquica, assim escalonadas: – Norma fundamental; – Constituição Federal; – Lei; (Lei Complementar, Lei Ordinária, Lei Delegada, Medida Provisória, Decreto Legislativo e Resolução).