Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Polícia liberada para trabalhar como sabe

Polícia liberada para trabalhar como sabe

10/05/2022 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Os contumazes amantes da desordem e defensores intransigentes dos criminosos torceram o nariz quando o governador Rodrigo Garcia determinou o aumento do número de policiais nas ruas (a cidade de São Paulo aumentou de 5 mil para 9.740 o número de policiais em ação) e declarou que quem levantar arma contra a polícia vai levar bala.

Sua fala, no entanto, enche de esperança os policiais que, finalmente, poderão empregar no dia a dia a filosofia de trabalho recebida no treinamento de seus cursos de formação e aperfeiçoamento, muitas vezes relevada por falta de energia e foco do governante, tanto em São Paulo quando em outros Estados.

Desde os anos 80, quando os militares deixaram o poder e os bandidos estavam condicionados a respeitar a polícia porque sabiam dos riscos que corriam se não o fizessem, a demagogia política invadiu a área e chegamos ao cúmulo de policiais serem perseguidos, agredidos e até mortos em represália de bandidos tolhidos em sua ação criminosa.

Politiqueiros do pior quilate, apoiados por governantes que só pensavam em democracia a qualquer preço, passaram a perseguir os policiais e vitimizar os criminosos.

O resultado não poderia ser diferente do quadro caótico que se instalou na segurança pública, já que as leis e procedimentos também foram enfraquecidos por obra de parlamentares divorciados da realidade.

Não devemos chegar ao exagero de Paulo Maluf que em 1979, ao assumir o governo do Estado, declaro que “bandido bom é bandido morto”.

Mas não é correto alisar-lhes a cabeça, como fazem importantes figuras – que talvez só tenham ganho importância por essa nefasta atitude – defendendo incondicionalmente os criminosos e, da mesma forma, acusando a polícia de práticas violências e de alta letalidade.

Precisamos do equilíbrio, onde a polícia não seja gratuitamente violenta mas possa agir com a devida energia para controlar situações de risco e impedir a prática delituosa. E que o criminoso ou contraventor tenha a certeza de que seus atos anti-sociais não ficarão impunes.

Conseguidas essas duas vertentes de um mesmo quadro, o resultado será a queda da criminalidade e a volta da tranquilidade à população apreensiva e até amedrontada.

É preciso compreender que, embora se repitam as motivações, nada que já ocorreu no passado será exatamente igual àquele tempo.

As variáveis são diferentes e, principalmente, a tecnologia de hoje oferece melhores possibilidades de trabalho. A polícia – no passado equipada com fusquinhas e o famoso revólver 38 – que atendiam às necessidades daquele momento – possui hoje veículos modernos e velozes e armamento mais eficiente.

Também há a estrutura eletrônica e de comunicação  - inclusive as câmeras portáteis – que dando mais velocidade e transparência ao trabalho.

A estrutura do COPOM – Centro de Operações da Polícia Militar – é uma importante peça de apoio às equipes que estão nas ruas.

Tudo isso sem dizer das câmeras de segurança – públicas e privadas – hoje estão instaladas em toda parte que muito contribuem para a elucidação dos delitos.

A presença de mais polícia na rua, determinada pelo governador, é um eficiente inibidor da atividade criminosa. Penso que um bom começo para um novo tempo na segurança da comunidade.

Mas é preciso readquirir também o rigor no cumprimento das penas e na apuração dos delitos. As leis afrouxadas por interesses que não são os da comunidade mas de esquemas politiqueiros, precisam ser revistas.

Oxalá existam parlamentares com condições e disposição para prestar esse serviço ao Brasil…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre polícia clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Nomofobia e os impactos do uso de smartphones no ambiente de trabalho

“Você é um nomofóbico?”. Essa foi a pergunta de partida de minha fala no Congresso da Academia Brasileira de Direito do Trabalho, em outubro de 2023, na cidade de São Paulo.

Autor: Eduardo Pragmácio Filho

Nomofobia e os impactos do uso de smartphones no ambiente de trabalho

O envelhecer e seus impactos na sociedade

Quando jovens, muito comumente pensamos e sentimos que somos imortais; e não pensamos na velhice, na morte; que é bom e ruim.

Autor: Viviane Gago

O envelhecer e seus impactos na sociedade

Poupança X Investimento: economista explica a diferença

De forma bem-humorada e sem enrolação, o influenciador explica os princípios que o regem por trás das cifras milionárias.

Autor: Divulgação

Poupança X Investimento: economista explica a diferença

Menos procrastinação, mais sucesso

Você sabe o que é procrastinação? É aquela mania de deixar tudo para depois.

Autor: Juliana Brito

Menos procrastinação, mais sucesso

História do comércio e a fidelização de clientes

"Só existe uma definição válida para a finalidade de uma empresa: criar um consumidor”.

Autor: Luiz Fernando Dias Guedes

História do comércio e a fidelização de clientes

Escorpiões: quem são esses animais temidos pela população?

Veneno produzido pelo animal é usado para o desenvolvimento de novos medicamentos e tratamentos para doenças crônicas.

Autor: Divulgação

Escorpiões: quem são esses animais temidos pela população?

Boletos se popularizam frente às taxas astronômicas dos cartões de crédito

No atual cenário financeiro, uma disparidade significativa se faz presente entre os boletos e os cartões de crédito no Brasil, especialmente no que se refere às taxas de juros aplicadas.

Autor: Divulgação

Boletos se popularizam frente às taxas astronômicas dos cartões de crédito

Imposto de Renda: veja que documentos são necessários e separe-os antes do prazo

Neste ano, a data de entrega da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física deverá ser entre 15 de março e 31 de maio.

Autor: Divulgação

Imposto de Renda: veja que documentos são necessários e separe-os antes do prazo

Carnaval é feriado? Advogado orienta funcionários e empresas

Uma das épocas mais aguardadas, o Carnaval é uma festa tradicional, embora não seja considerada feriado nacional.

Autor: Divulgação

Carnaval é feriado? Advogado orienta funcionários e empresas

Taxação do Pix é uma loucura

A “iluminada economista” e ex-presidente, Dilma Rousseff, conseguiu a proeza de decepcionar e prejudicar os poupadores de menor renda.

Autor: Julio César Cardoso

Taxação do Pix é uma loucura

Crianças: curiosidade coloca mãozinhas em risco

As mãos da criançada, que tudo querem tocar, estão expostas a sérios acidentes; SBCM ressalta cuidado redobrado no período de férias escolares.

Autor: Antônio Carlos Costa

Crianças: curiosidade coloca mãozinhas em risco

Você está pronto para o futuro?

Existem basicamente três tipos de indivíduos no mundo: os ignorantes, os desesperados e os preparados.

Autor: Martha Gabriel

Você está pronto para o futuro?