Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Que venha o técnico estrangeiro…

Que venha o técnico estrangeiro…

19/12/2022 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Acabou – para nós, brasileiros – a Copa do Mundo do Qatar.

Em vez do esperado hexa, resta-nos apenas assistir as partidas dos ex-adversários e a possível final entre França e Argentina. A Seleção Brasileira, única detentora de cinco títulos, não vem correspondendo à sua gloriosa historia e há 20 anos, não passa do 4º lugar (2014). Agora ficou em 7º sua segunda pior classificação, só batida pela de 1934, quando terminamos em 14º. A última grande alegria dada ao torcedor foi em 2002, quando ganhamos o penta em Yokohama (Japão).

Os feitos da Seleção de 1950 – vice-campeã – e das de 1958, 62, 70, 94 e 2002, quando ganhamos a taça, sustentaram a imagem de “país do futebol”, que embalou o sonho de gerações. Naquela época, no entanto, já havia quem observasse que vivíamos um bom momento mas isso poderia mudar. E foi o que aconteceu. A Europa passou a investir alto no futebol, seus times atraíram jogadores de todo o mundo, inclusive os melhores do futebol brasileiro e acabou estabelecida uma nova realidade no esporte. E o Brasil continuou no velho esquema, principalmente na Seleção. Enquanto outros países buscam técnicos no mercado internacional, ficamos com a solução caseira e deu no que deu. Tite hoje é xingado pelo que não conseguiu realizar nas duas Copas que comandou nossa equipe. Mas, muito provavelmente, seja quem menos culpa tem em toda a situação. Hoje clama-se pela busca de um técnico estrangeiro para substituí-lo. E o argumento é que isso tem dado certo a times brasileiros que tem ido à Europa e a outros países buscar seus treinadores e respectivas equipes.    

Fiore Gigliotti, o brilhante  narrador esportivo,  dizia, lá nos anos 90, que logo veríamos times africanos despontando no futebol, e justificava sua previsão com o fato de os países da área estarem melhorando as condições de vida da população e a alimentação do povo que, com sua boa genética, faria sucesso. Cheguei a pensar que a previsão não se cumpria, mas Camarões e Marrocos, na atual Copa, mostram que demorou um pouco, mas meu saudoso amigo estava certo...

Assim como a economia, a política, a tecnologia e as relações entre os países, o futebol também se globalizou. A CBF (Confederação  Brasileira de Futebol), que tem passado por muitas transformações, também precisa entrar no  novo clima. Da mesma forma que os nossos jogadores – atraídos por elevados salários – se internacionalizam, é preciso abrir as portas e criar facilidades para o futebol brasileiro buscar no mercado  ao redor do mundo os craques, treinadores e outros profissionais que necessita. O nacionalismo não é uma boa opção para quem atua num ambiente globalizado. Enquanto não entrar para valer na pauta internacional das contratações, em vez de só apenas vender jogadores para fazer caixa, o futebol brasileiro estará perdendo sua força e, se nada for feito, logo não teremos mais a coragem de nos qualificar como país do futebol. Que venham os estrangeiros. Da mesma forma que exporta, o nosso futebol deve também importar estrelas. Só assim poderá se manter como a alegria do povo...
 
* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).]

Para mais informações sobre futebol clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: ASPOMIL



Nomofobia e os impactos do uso de smartphones no ambiente de trabalho

“Você é um nomofóbico?”. Essa foi a pergunta de partida de minha fala no Congresso da Academia Brasileira de Direito do Trabalho, em outubro de 2023, na cidade de São Paulo.

Autor: Eduardo Pragmácio Filho

Nomofobia e os impactos do uso de smartphones no ambiente de trabalho

O envelhecer e seus impactos na sociedade

Quando jovens, muito comumente pensamos e sentimos que somos imortais; e não pensamos na velhice, na morte; que é bom e ruim.

Autor: Viviane Gago

O envelhecer e seus impactos na sociedade

Poupança X Investimento: economista explica a diferença

De forma bem-humorada e sem enrolação, o influenciador explica os princípios que o regem por trás das cifras milionárias.

Autor: Divulgação

Poupança X Investimento: economista explica a diferença

Menos procrastinação, mais sucesso

Você sabe o que é procrastinação? É aquela mania de deixar tudo para depois.

Autor: Juliana Brito

Menos procrastinação, mais sucesso

História do comércio e a fidelização de clientes

"Só existe uma definição válida para a finalidade de uma empresa: criar um consumidor”.

Autor: Luiz Fernando Dias Guedes

História do comércio e a fidelização de clientes

Escorpiões: quem são esses animais temidos pela população?

Veneno produzido pelo animal é usado para o desenvolvimento de novos medicamentos e tratamentos para doenças crônicas.

Autor: Divulgação

Escorpiões: quem são esses animais temidos pela população?

Boletos se popularizam frente às taxas astronômicas dos cartões de crédito

No atual cenário financeiro, uma disparidade significativa se faz presente entre os boletos e os cartões de crédito no Brasil, especialmente no que se refere às taxas de juros aplicadas.

Autor: Divulgação

Boletos se popularizam frente às taxas astronômicas dos cartões de crédito

Imposto de Renda: veja que documentos são necessários e separe-os antes do prazo

Neste ano, a data de entrega da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física deverá ser entre 15 de março e 31 de maio.

Autor: Divulgação

Imposto de Renda: veja que documentos são necessários e separe-os antes do prazo

Carnaval é feriado? Advogado orienta funcionários e empresas

Uma das épocas mais aguardadas, o Carnaval é uma festa tradicional, embora não seja considerada feriado nacional.

Autor: Divulgação

Carnaval é feriado? Advogado orienta funcionários e empresas

Taxação do Pix é uma loucura

A “iluminada economista” e ex-presidente, Dilma Rousseff, conseguiu a proeza de decepcionar e prejudicar os poupadores de menor renda.

Autor: Julio César Cardoso

Taxação do Pix é uma loucura

Crianças: curiosidade coloca mãozinhas em risco

As mãos da criançada, que tudo querem tocar, estão expostas a sérios acidentes; SBCM ressalta cuidado redobrado no período de férias escolares.

Autor: Antônio Carlos Costa

Crianças: curiosidade coloca mãozinhas em risco

Você está pronto para o futuro?

Existem basicamente três tipos de indivíduos no mundo: os ignorantes, os desesperados e os preparados.

Autor: Martha Gabriel

Você está pronto para o futuro?