Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Reforma da Previdência e a (in) responsabilidade do legislativo federal

Reforma da Previdência e a (in) responsabilidade do legislativo federal

22/05/2019 Bady Curi Neto

O Brasil vive uma crise sem precedentes, parte por irresponsabilidade dos presidentes anteriores, parte por descaso do Congresso Nacional.

Reforma da Previdência e a (in) responsabilidade do legislativo federal

Reformas necessárias (política, tributária e previdenciária), sempre foram plataformas de candidatos ao Governo Federal, caindo no ostracismo quando vencedores do pleito eletivo.

O atual Governo, do presidente eleito Jair Bolsonaro, editou várias Medidas Provisórias que estão correndo o risco de caducarem por inércia do Congresso Nacional. Destacam-se duas de suma importância: MP 870/2019 (Reforma Administrativa) que reduz de 29 para 22 o total de ministérios, pendentes de aprovação pelos plenários da Câmara e do Senado, com prazo de validade até o dia 03 de junho, e a MP 871/2019 que cria programas de combate à fraude em benefícios previdenciários, também pendente de aprovação nos plenários das duas casas do Congresso Nacional, com o mesmo prazo de validade.

Além das Medidas Provisórias, o que mais aflige o Brasil como um todo é a Reforma da Previdência. Não é novidade que o orçamento dos Estados, Municípios e União estão altamente comprometidos com a folha de pagamento de seus funcionários ativos e aposentados, não sobrando verba para fazer frente às outras obrigações dos entes da Federação.

Diante da premente urgência, o Governo Federal enviou ao Congresso a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) da Previdência para votação.  Infelizmente, o que temos visto é um total descaso com a referida PEC, deixando transparecer mais uma briga de egos entre a Câmara dos Deputados Federais e o Presidente da República.

Na Comissão de Constituição e Justiça e na Comissão Especial da reforma da previdência, nas sessões que compareceu o ministro da Economia, Paulo Guedes, para esclarecimentos sobre a reforma, assistimos, atônitos, uma oposição agressiva e desrespeitosa, que preferiram, em vez de indagações, partirem para discursos, meramente políticos ou, pior, para o enfrentamento desrespeitoso com Guedes.

Agora, segundo noticiado em vários jornais, os partidos do denominado “Centrão” dizem estar insatisfeitos com a articulação política do Governo, chegando a afirmar que poderiam apresentar um texto alternativo, sendo desmentido pelo deputado Relator da Previdência.

A verdade é que os governadores, prefeitos, a sociedade, a imprensa, a população e os próprios deputados já conscientizaram que não há solução para a crise sem a aprovação da reforma previdenciária. Alguns deputados buscam o protagonismo da reforma no intuito de colherem louros políticos futuros. Já a oposição, cega e do “quanto pior melhor”, por não ter feito nada durante os longínquos anos que foram situação, pretendem, apenas, sabotar o Governo.

Não restam dúvidas que o presidente Jair Bolsonaro, tem pouco “jogo de cintura” para lidar com o congresso, e que a sua fala, por vezes, é de uma rudeza dispensável para um chefe de Estado e do Executivo, mas a hora é de resolver a crise que assola o país, não de disputa de vaidades e brigas entre os poderes.

Ressalte-se que é preferível um homem rude na fala e bem-intencionado para solucionar as mazelas do Brasil, do que um com dizeres mansos, bem articulado, que fala a linguagem do povo, mas que suas atitudes o levaram para a prisão.

Com a responsabilidade, o Congresso Nacional.

* Bady Curi Neto, advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Recebeu um e-mail sobre o cancelamento do seu título? É falso!

Mensagens inverídicas enviadas em nome da Justiça Eleitoral tentam ludibriar eleitores para fornecerem dados sigilosos.

Recebeu um e-mail sobre o cancelamento do seu título? É falso!

Receita libera pagamento do 4º lote de restituição do IR 2019

Lote inclui restituições residuais dos exercícios de 2008 a 2018.

Receita libera pagamento do 4º lote de restituição do IR 2019

Setor busca reconhecimento da cachaça como símbolo nacional

Atualmente, a bebida é exportada para mais de 60 países.

Setor busca reconhecimento da cachaça como símbolo nacional

Pagamento de R$ 500 por conta do FGTS teve início nesta sexta

Cerca de 33 milhões de trabalhadores receberão o crédito automático na conta poupança.

Pagamento de R$ 500 por conta do FGTS teve início nesta sexta

Número de mortes violentas no país caiu 10,43% de 2017 para 2018

Casos passaram de 64.021 para 57.341, mostra anuário.

Número de mortes violentas no país caiu 10,43% de 2017 para 2018

Contribuinte já pode consultar o 4º lote de restituição do IR

O dinheiro será depositado nas contas no próximo dia 16 de setembro.

Contribuinte já pode consultar o 4º lote de restituição do IR

Papa Francisco deixa Moçambique com apelo à reconciliação

Francisco foi o segundo chefe máximo da Igreja Católica a visitar Moçambique, depois de João Paulo II, em 1988. 

Papa Francisco deixa Moçambique com apelo à reconciliação

Atletas da Cidade dos Meninos vão em busca de título mundial no Japão

Alisson Ferreira e Darllyon Araújo viajam esse mês para o país oriental em busca de título mundial da categoria de slackline.

Atletas da Cidade dos Meninos vão em busca de título mundial no Japão

Grito dos Excluídos 2019 denuncia aumento da desigualdade e do desemprego

A manifestação Grito dos Excluídos ocorre há 25 anos no dia 7 de setembro em todo o país.


As fintechs começam a incomodar os grandes bancos

O sistema financeiro brasileiro é conhecido por ser muito concentrado e caro.

As fintechs começam a incomodar os grandes bancos

Hábitos que podem estar levando seu dinheiro embora

Confira dez hábitos que podem ser cortados para não comprometer a sua renda.

Hábitos que podem estar levando seu dinheiro embora

Lucro líquido da Caixa no primeiro semestre aumenta 22,2%

Em 2019 o lucro do banco chegou a R$ 8,1 bilhões.

Lucro líquido da Caixa no primeiro semestre aumenta 22,2%