Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Relacionamentos: sabemos realmente o que necessitamos?

Relacionamentos: sabemos realmente o que necessitamos?

19/05/2024 Viviane Gago

Interessante observar que o casamento, por exemplo, não cai de moda, todas as gerações ainda migram para esse modelo.

Relacionamentos: sabemos realmente o que necessitamos?

Para o ser humano ser saudável, precisa equilibrar várias áreas da vida, não só depositar as fichas na carreira, ou só em lazer ou só em um relacionamento íntimo, por exemplo. Ao contrário, precisamos de muitas coisas.
Precisamos de tudo isso que foi mencionado acima, mais família, amigos, cuidar do intelectual, do emocional, da espiritualidade, da parte financeira no positivo, harmonia nos ambientes que mais frequentamos, dentre outras coisas.

Falando mais detidamente sobre a área do relacionamento íntimo, questiono-me se as pessoas, sabem o que realmente necessitam quando estão se relacionando? Quando estudamos Gestalt*, aprendemos que quando cientes das nossas reais necessidades, ou seja, cientes daquilo que precisamos nos nutrir, vamos de encontro ao objeto de satisfação para atingir a homeostase, ou seja, o equilíbrio.

Percebo que muitos não sabem o seu objetivo, o que necessitam, de fato, muito menos quando estão se relacionando. As pessoas entram num automatismo misturado com uma “normose” (patologia da normalidade) sendo levados pelo que a sociedade comumente executa. Casar-se até uma determinada idade, fazer uma festa, lua de mel, comprar uma casa, um carro, ter filhos etc. Fazem isso porque está impregnado no inconsciente coletivo, porém as pessoas não pensam se isso tudo faz sentido realmente para elas.

Interessante observar que o casamento, por exemplo, não cai de moda, todas as gerações ainda migram para esse modelo, incluindo os jovens. Acredito que por trás disso, deste comportamento, esteja incluído  “sair de casa para uma nova experiência”, “ perseguir o  amor”, “não estar só”, “construir uma vida  diferente”.

Relacionar-se dá trabalho e tem altos e baixos. Trata-se de um investimento de tempo, emoção, dinheiro e, principalmente, o foco em conservar/cultivar esse relacionar-se por meio de escolhas diárias de querer estar com o outro verdadeiramente. Não se pode pensar que conquistou o parceiro e está tudo certo. Essa conquista precisa ser constante e permanente, caso contrário o relacionamento acaba.

Um dado para você refletir. O número de divórcios no Brasil cresceu 8,6% em 2022 na comparação com 2021, de 386.813 para 420.039. Foram 340.459 realizados por meio judicial e 79.580 de forma extrajudicial. Os divórcios judiciais concedidos em 1ª instância corresponderam a 81,1% dos divórcios do país. Os dados são das Estatísticas do Registro Civil de 2022, divulgados nesta quarta-feira, 27, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Meu pai dizia “relacionamento é uma planta que se rega todos os dias”. É verdade. E há também as diferenças geracionais, os relacionamentos pretéritos, dos nossos avós e pais tinham uma dinâmica específica, diferente das dinâmicas atuais, fruto das mudanças sociais. Então não se pode comparar uns e outros, mas o que se pode dizer sem medo de errar é que é necessário, atualmente, ter consciência sobre a importância das conversas difíceis. Não se deve colocar coisas para “debaixo do tapete”, há que se enfrentar, alinhar, compreender questões que estão incomodando seriamente; e isso é para a vida, pois ajustes devem ser feitos de tempos em tempos durante todo o perdurar da relação. Como diz a psiquiatra Ana Beatriz Barbosa, “relacionamento é uma maratona e devemos dar a mesma importância que damos ao fracasso profissional ao fracasso pessoal”.

Assim como o fracasso profissional traz várias implicações desafiadoras, o pessoal também, em especial quando há filhos envolvidos.

Outro aspecto interessante é que hoje a adoção de aplicativos de relacionamento é mundial. Tanto que redefiniram a ideia de namoro para toda uma geração e cresceram até se transformarem em um mercado multibilionário, no qual consumidores de todo o mundo gastaram mais de US$ 5 bilhões em 2023, de acordo com pesquisadores do mercado de aplicativos da Data.ai.

E não há fórmulas mirabolantes para o relacionamento, cada qual tem a sua, ou seja, o que faz sentido e faz bem para determinada pessoa, não o faz para outras. É ainda importante pontuar que cada ciclo de vida demanda necessidades diferentes, as pessoas precisam pensar que adaptar-se, ter flexibilidade e paciência é fundamental para seguir em frente e ao lado.
Mais um fato relevante e determinante é a decisão individual de cada um dos envolvidos no relacionamento no tocante amar o outro, construir uma história compartilhada com todos os seus desafios e dificuldades, apreciando a humanidade do outro com certa dose de humor no sentido de rir, se divertir face o “pacote “de cada um, com  suas belezuras e feiuras.

Isso tudo não vem pronto, tem que ser conquistado, construído e é para aqueles que são corajosos, assumem riscos e têm disposição.

Segundo ensinamentos do psicólogo americano Keith Witt algumas estrelas de um bom relacionamento íntimo são: 

- Polaridade erótica;

- Parceiros cuidam-se mutuamente da saúde física e psicológica;

- Fazem o que é preciso para voltar para o amor; e

- Ter um propósito que admira e respeita no outro.

E lembremos: 

- dinheiro não sustenta relação;

- filhos não sustentam relação;

- beleza física não sustenta relação;

- fama não sustenta relação; 

- a vontade somente de uma pessoa não sustenta relação;

Quem faz dar certo uma relação são duas pessoas que decidem e escolhem dar certo, com respeito e amor um pelo outro. Gostar muito da essência do outro, pois ninguém muda ninguém. As pessoas se transformam por impulso, iniciativa própria, se quiserem. Acredito também que nisso tudo há certa dose de sorte em encontrar alguém especial em meio a tantos .

Você sabe realmente o que necessita para querer estar em um relacionamento?

* Gestalt trata-se de um modelo psicoterápico que enfatiza a experiência individual do momento presente (aqui-agora) e seu papel matricial de autorregulação e ajustamento criativo do sujeito ao seu contexto de vida.

* Viviane Gago, advogada e consteladora pelo Instituto de Psiquiatria da USP (IPQ/USP) com parceria do Instituto Evoluir e ProSer e facilitadora pela Viviane Gago Desenvolvimento Humano. 

Para mais informações sobre relacionamentos clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Todos os nossos textos são publicados também no X

Fonte: Conecte Comunicação



Como as comparações me fizeram prisioneira da Síndrome do Impostor

Comecei a perceber que algo não estava certo na minha vida quando, mesmo sendo bem-sucedida, me sentia constantemente inferior.

Autor: Thereza Cristina Moraes

Como as comparações me fizeram prisioneira da Síndrome do Impostor

“Canal Livre” discute o uso exagerado de celular e internet por crianças e adolescentes

O programa aborda os impactos que esse hábito traz para a vida escolar, os prejuízos psicossociais e a interferência na socialização da nova geração.

Autor: Divulgação


Cidadãos podem solicitar segunda via de certidões pelo celular

Solicitante não precisa se deslocar até uma unidade presencial para pedir o documento, podendo recebê-lo em casa ou no cartório de sua escolha.

Autor: Divulgação

Cidadãos podem solicitar segunda via de certidões pelo celular

Fazendo as escolhas certas: guia para selecionar imóveis para investimento em São Paulo

Investir em imóveis certos é garantia de retorno rápido e seguro se feito com base na valorização, localização, demanda e segurança. Uma incorporadora de confiança te ajuda a realizar seu sonho!

Autor: 5 estrelas

Fazendo as escolhas certas: guia para selecionar imóveis para investimento em São Paulo

Bares e restaurantes seguram preços por medo de perder clientes

Inflação em bares e restaurantes é mais baixa que os índices de alimentação no domicílio e também dos insumos, aponta IPCA.

Autor: Divulgação

Bares e restaurantes seguram preços por medo de perder clientes

Idoso de 100 anos ganha ensaio fotográfico de pré-casamento

Nilza e Paraná convivem há quase 18 anos na unidade da Fhemig em Betim (MG).

Autor: Divulgação

Idoso de 100 anos ganha ensaio fotográfico de pré-casamento

Calvície já teve lá seu glamour, mas hoje só afeta a autoestima

Talvez você não saiba, mas já houve um tempo em que ser calvo não apenas era algo dissociado de uma doença capilar como ainda era sinônimo de status.

Autor: ‌Melina Oliveira

Calvície já teve lá seu glamour, mas hoje só afeta a autoestima

Aloísio Teixeira Garcia, ex-deputado estadual, morre aos 80 anos

Cultura, política e educação perderam com o falecimento no domingo passado do ex-deputado estadual e ex-membro da Academia Mineira de Letras, Aloísio Teixeira Garcia.

Autor: Divulgação


O que a pandemia nos ensinou que podemos usar no enfrentamento à dengue?

A palavra pandemia sempre nos transporta a lembranças de dias difíceis.

Autor: Jarbas da Silva Motta Junior


Catástrofe do RS exige união de esforços e não combate a Fake News

A catástrofe do Rio Grande Sul tem comovido o país inteiro.

Autor: Bady Curi Neto

Catástrofe do RS exige união de esforços e não combate a Fake News

O poder sedutor do dinheiro

Dinheiro e Poder, que dupla!

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

O poder sedutor do dinheiro

O peso dos idosos na balança eleitoral

Dados consolidados pelo Tribunal Superior Eleitoral, referentes a abril de 2024, mostram que o Brasil possui 33,7 milhões de eleitores com mais de 60 anos.

Autor: Wilson Pedroso

O peso dos idosos na balança eleitoral