Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Taxação do Pix é uma loucura

Taxação do Pix é uma loucura

21/01/2024 Julio César Cardoso

A “iluminada economista” e ex-presidente, Dilma Rousseff, conseguiu a proeza de decepcionar e prejudicar os poupadores de menor renda.

Taxação do Pix é uma loucura

Os vorazes depredadores dos bolsos de contribuintes estão sempre de plantão para encontrar soluções mágicas, destinadas a fartar os cofres do tesouro, cujos recursos são mal administrados, como, por exemplo, os 5,7 bilhões de reais destinados a campanhas políticas de 2019 e, agora, 4,9 bilhões para 2024.

Questionado sobre a eventual possibilidade de se criar um imposto sobre as transações realizadas pelo Pix, o diretor de Organização do Sistema Financeiro e de Resolução do Banco Central (BC), Renato Dias de Brito Gomes, ponderou que “não é assunto do BC, mas seria uma loucura”, afirmou na live semestral da instituição. 

Pois bem, taxar o uso do Pix, sonhado por algum “iluminado” do governo, seria mesmo uma loucura, como afirmou o diretor do Banco Central. Porém, não se iludam, porque é sempre dessa forma que agem à surdina os governantes, ávidos por sugar os contribuintes

Agora, reduzir o monumental gasto público da ilha da fantasia Brasília com um monte de ministérios, parlamentares federais e seus gabinetes, onde o empreguismo, sem concurso público, é uma vergonha, aí os governos e seus representantes não são capazes de apresentar solução. 

É difícil acreditar-se num país onde as regras mudam invariavelmente ao sabor de gestões políticas, expondo a falta de segurança jurídica dos negócios e abalando a confiança dos cidadãos no Estado e nas normas. 

Vejam, a caderneta de poupança, instrumento mais antigo de poupar dinheiro no Brasil e principal fonte de financiamento habitacional, sempre foi o porto seguro do pequeno poupador. Mas, a exemplo da pretensa taxação do Pix, a “iluminada economista” e ex-presidente, Dilma Rousseff, conseguiu a proeza de decepcionar e prejudicar os poupadores de menor renda, ao assinar a Media Provisória 567/2012, que instituiu novas regras para a caderneta de poupança, sob pífias justificativas de impedir que grandes investidores transformassem a poupança em instrumento de especulação. 

Em 2022, a poupança bateu recorde negativo. R$ 3,73 trilhões foram sacados da caderneta, enquanto os depósitos totalizaram R$ 3,63 trilhões. Ou seja, a poupança sofreu uma perda líquida de R$ 103 bilhões durante o ano, um valor recorde desde o início da série histórica, que começou em 1995. Segundo dado do Banco Central, a caderneta encerrou 2023 com saldo líquido negativo de 87,8 bilhões de reais.

A caderneta de poupança é um dos ativos com a menor rentabilidade do país. O governo, através desse mecanismo, explora o pequeno poupador, responsável pelo financiamento habitacional, mas é minimamente recompensado.  

Dessa forma, como conscientizar a população sobre a importância de utilizar a poupança como forma de investimento, num cenário de menor rentabilidade? Ora, ninguém é ingênuo e nem salvador da pátria para colocar os seus trocados sem ser razoavelmente remunerado. 

Durante conversa com jornalistas para comentar os resultados do banco no primeiro trimestre de 2023, a ex-executiva da Caixa Econômica, Maria Rita Serrano, afirmou que “Com a taxa de juros altíssima, estamos tendo perdas na poupança. E, ao perder recursos em poupança, tornamos o investimento em habitação mais caro, já que temos de ir atrás de outros fundings mais caros para continuar financiando a habitação”. 

Se a caderneta de poupança pode ser considerada a principal fonte de financiamento imobiliário, e o país precisa de mais moradias, jamais deveria ter sido alterado, em 2012, o critério de atualização da poupança, considerando que esse instrumento já era um dos ativos com menor rentabilidade do país. 

Assim, por que o governo não rever a decisão da Medida Provisória, convertida na Lei 12.703/2012, para que a remuneração da caderneta de poupança volte ao nível anterior de 6% a.a., como foi instituída, para manter a regularidade do financiamento imobiliário? 

Júlio César Cardoso - Servidor Federal aposentado.

Para mais informações sobre PIX clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp



O envelhecer e seus impactos na sociedade

Quando jovens, muito comumente pensamos e sentimos que somos imortais; e não pensamos na velhice, na morte; que é bom e ruim.

Autor: Viviane Gago

O envelhecer e seus impactos na sociedade

Poupança X Investimento: economista explica a diferença

De forma bem-humorada e sem enrolação, o influenciador explica os princípios que o regem por trás das cifras milionárias.

Autor: Divulgação

Poupança X Investimento: economista explica a diferença

Menos procrastinação, mais sucesso

Você sabe o que é procrastinação? É aquela mania de deixar tudo para depois.

Autor: Juliana Brito

Menos procrastinação, mais sucesso

História do comércio e a fidelização de clientes

"Só existe uma definição válida para a finalidade de uma empresa: criar um consumidor”.

Autor: Luiz Fernando Dias Guedes

História do comércio e a fidelização de clientes

Escorpiões: quem são esses animais temidos pela população?

Veneno produzido pelo animal é usado para o desenvolvimento de novos medicamentos e tratamentos para doenças crônicas.

Autor: Divulgação

Escorpiões: quem são esses animais temidos pela população?

Boletos se popularizam frente às taxas astronômicas dos cartões de crédito

No atual cenário financeiro, uma disparidade significativa se faz presente entre os boletos e os cartões de crédito no Brasil, especialmente no que se refere às taxas de juros aplicadas.

Autor: Divulgação

Boletos se popularizam frente às taxas astronômicas dos cartões de crédito

Imposto de Renda: veja que documentos são necessários e separe-os antes do prazo

Neste ano, a data de entrega da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física deverá ser entre 15 de março e 31 de maio.

Autor: Divulgação

Imposto de Renda: veja que documentos são necessários e separe-os antes do prazo

Carnaval é feriado? Advogado orienta funcionários e empresas

Uma das épocas mais aguardadas, o Carnaval é uma festa tradicional, embora não seja considerada feriado nacional.

Autor: Divulgação

Carnaval é feriado? Advogado orienta funcionários e empresas

Crianças: curiosidade coloca mãozinhas em risco

As mãos da criançada, que tudo querem tocar, estão expostas a sérios acidentes; SBCM ressalta cuidado redobrado no período de férias escolares.

Autor: Antônio Carlos Costa

Crianças: curiosidade coloca mãozinhas em risco

Você está pronto para o futuro?

Existem basicamente três tipos de indivíduos no mundo: os ignorantes, os desesperados e os preparados.

Autor: Martha Gabriel

Você está pronto para o futuro?

2024 será ano bissexto com 366 dias

O ano de 2024 terá uma peculiaridade astronômica: será bissexto.

Autor: Divulgação

2024 será ano bissexto com 366 dias

Uma nova parceria entre veículos de comunicação acaba de ser anunciada

O acordo operacional visa fortalecer os laços entre as duas empresas de BH e SP.

Autor: Divulgação