Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A pandemia que desnuda um planeta agonizante

A pandemia que desnuda um planeta agonizante

20/04/2020 Paulo Stucchi

Adoecemos. Definitivamente, 2020 foi o ano em que a humanidade se viu, frente a frente, com sua pequenez e fragilidade.

As décadas consecutivas de expansão urbana, inovações na medicina, universalização da Web e planificação dos continentes numa aldeia global fizeram-nos esquecer daquilo que, ano após ano, jogamos para debaixo do tapete junto às nossas promessas de Réveillon: desmatamento em larga escala, fome, miséria, poluição, contaminação do ar e das águas, concentração de renda nas mãos de poucos em detrimento da alienação social de muitos.

Criamos para nós, homens, um mundo doente; um organismo cujo sistema imunológico tem sido minado, dia a dia, ano após ano, pela nossa ação destrutiva, que cresce em um ritmo muito superior à nossa igual capacidade de renovar, embelezar e amar. Então, amigos, convido à reflexão profunda: quem, de fato, esteve doente todos estes anos? Quem, na realidade, respira por aparelhos há muito tempo, lutando para recuperar seus recursos diante do voraz apetite humano por exploração, extração e consumo?

Criamos guerras, matamos nossos iguais sob pretextos diversos (crenças, cor da pele, origem, classe social); transformamos a política em argumento para o extermínio e o dinheiro em nutriente para a devastação. Mas, como toda escolha, há consequências. Não. Não é apenas a humanidade que adoce. Muito antes, nosso planeta já agonizava, confinado em uma UTI por aqueles que, justamente, deveriam prezar pela sua saúde: nós.

Certamente, demorará para que voltemos à normalidade quando o pico das contaminações por Covid-19 diminuir. Podemos curar nosso corpo, mas nossos espíritos ainda estarão letárgicos em apagar os meses de angústia, isolamento e introspecção obrigatória. Contudo, nesse meio tempo, nosso planeta respira; mais do que isso, ele se cura.

Arrisco dizer, sem obviamente desconsiderar o sofrimento humano que os sintomas e a morte causam, que foi necessário a humanidade adoecer para que o mundo iniciasse sua regeneração. Ao longo de séculos o corpo estranho, o organismo infeccioso que mata seu hospedeiro, fomos nós, homens. E, de tempos em tempos, pestes após pestes, a Terra nos lembra que, mesmo que desapareçamos, a beleza da vida continuará a existir de outras maneiras.

A boa notícia é que ainda temos tempo: para refletir, mudar nossos hábitos, relativizar nossa ganância e pensar em um desenvolvimento de mão dupla – que permita, sim, o usufruto do capital e dos bens, mas que também abra espaço para que nosso mundo respire sem ajuda de aparelhos, e que mais sorrisos de seres humanos sejam vistos através de uma distribuição mais igualitária de oportunidades.

Aprendemos, pela religião e pela nossa necessidade intrínseca de mitos, salvadores e mártires, que milagres curam; que eles acontecem em momentos de extremo desespero e nos salvam. Contudo, nos esquecemos bisonhamente de que esses milagres sempre ocorrem da maneira mais singela, quando o homem se conecta com o grande mundo do qual faz parte, e deixa fluir o que nele há de melhor.

As sociedades não preexistem; elas são criadas, são frutos de uma estrutura pensada, de uma engrenagem complexa e meramente humana. Então, está em nossas mãos o leme do destino. Até lá, o planeta sempre nos lembrará, através da dor (depois de tanto amor dedicado) que nada somos diante da grandeza do ecossistema universal.

* Paulo Stucchi é jornalista e psicanalista, divide seu tempo entre o trabalho de assessor de comunicação e sua paixão pela literatura, principalmente, romances históricos. ​

Fonte: LC Agência de Comunicação



Amazônia: tão necessária quanto pulmões, coração e cérebro

Na medicina sabemos que é necessário respirar e o coração bater para nos mantermos vivos, além da função cerebral.

Amazônia: tão necessária quanto pulmões, coração e cérebro

Julho registra temperatura média mais alta da história

Nos últimos anos, o país tem registrado invernos mais quentes que a média histórica.

Julho registra temperatura média mais alta da história

A mente de uma abelha

As abelhas demonstraram habilidade para entender conceitos abstratos como “igual” ou “diferente”.

A mente de uma abelha

Museu Oceanográfico Univali recebe exposição Gigantes do Passado

Acervo de animais da “Era do Gelo” pode ser visitado no Balneário Piçarras, Santa Catarina.

Museu Oceanográfico Univali recebe exposição Gigantes do Passado

Nasa divulga imagem de galáxia em caos após colisão

Imagem foi obtida pelo Telescópio Espacial James Webb.

Nasa divulga imagem de galáxia em caos após colisão

Cidade de São Paulo tem mês de julho mais quente desde 1943

Temperatura mais alta tinha sido registrada em julho de 1977.

Cidade de São Paulo tem mês de julho mais quente desde 1943

Cientistas detectam buraco negro adormecido fora da Via Láctea

Fenômeno foi constatado na galáxia Grande Nuvem de Magalhães.

Cientistas detectam buraco negro adormecido fora da Via Láctea

Plantio de mudas ajuda a preservar nascentes em Sorocaba

Emrpesa realiza plantio de mudas, em parceria com prefeitura de Sorocaba e Secretaria de Meio Ambiente.

Plantio de mudas ajuda a preservar nascentes em Sorocaba

Nasa divulga fotos de Júpiter capturadas pelo telescópio James Webb

Registros feitos ainda na fase de testes mostram detalhes do Planeta, luas e asteroides com detalhamentos nunca antes vistos.

Nasa divulga fotos de Júpiter capturadas pelo telescópio James Webb

Projeto sobre plantas medicinais faz sucesso nas redes

Com conteúdos multimídia e atividades práticas sobre o mundo vegetal, iniciativa estimula a curiosidade e o conhecimento científico em jovens estudantes.

Projeto sobre plantas medicinais faz sucesso nas redes

Bioma amazônico tem 30 a 40 mil espécies só de plantas, mostra estudo

Trabalho divulgado hoje mapeia pesquisas científicas na região.

Bioma amazônico tem 30 a 40 mil espécies só de plantas, mostra estudo

Observatório em Minas Gerais capta meteoro brilhante

Evento luminoso foi registrado na cidade mineira de Brazópolis.

Observatório em Minas Gerais capta meteoro brilhante