Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Ambiente Contaminado

Ambiente Contaminado

08/06/2020 Evandro A. S. Grili

Precaução e prevenção sempre foram vigas mestras do Direito Ambiental no Brasil.

Desde 1988, quando a Constituição Federal foi promulgada, fazendo eco aos rumos traçados em Estocolmo em 1972, a questão ambiental ganhou status constitucional e reconheceu-se o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, essencial à sadia qualidade de vida, como garantia de sobrevivência das futuras gerações.

A ordem constitucional vinha para fazer frente a exageros do passado que exigiam que o mundo começasse a pensar em uma forma mais racional de ocupação do planeta, que pudesse atingir desenvolvimento sustentável, ou, em outras palavras: equilíbrio.

Mas a humanidade sempre trata seus problemas na base do excesso e, em dado momento, a rigidez normativa somada a absoluta incapacidade pública da gestão ambiental acabou levando a caminhos que, mais uma vez, desequilibraram a balança e criaram entraves ao desenvolvimento, que deveria existir sempre, de forma sustentável.

Num País que precisa crescer e ampliar suas riquezas, sendo titular de tantas riquezas, isso também é um problema.

Chegamos ao começo de uma nova década, em 2020, e, mais uma vez estamos tentando caminhar a passos largos rumo a um novo desequilíbrio, que não faz bem a ninguém.

Há um ambiente inteiro ¨contaminado¨. Seja na política, seja na gestão pública, seja nas nossas relações privadas e pessoais, agravadas por uma crise sanitária e uma profunda crise econômica que começa a mostrar seus tentáculos.

Para sair da crise era preciso construir pontes e não derrubá-las. Especialmente em meio à rígida legislação ambiental brasileira que arma o Ministério Público de munição maciça para frear os ¨estouros da boiada¨.

Cria-se mais conflito, com pouco diálogo, adia-se o cumprimento de compromissos internacionais sobre clima e meio ambiente que vão nos posicionar em desvantagem competitiva internacional mais rápido do que imaginamos, atingindo em cheio nosso agronegócio que tem uma capacidade fenomenal de nos sustentar economicamente.

E no meio disso tudo a pandemia, que também é um problema ambiental. Pela primeira vez, desde 1988, o cidadão comum sentiu na pele, mesmo que sem saber direito, a aplicação dos princípios da precaução e da prevenção ambiental.

Em face da ameaça invisível do vírus teve que se recolher, se isolar, precavendo-se e prevenindo-se do colapso da rede pública de saúde e do risco da própria vida.

E no meio disso tudo, mais uma vez, não conseguimos encontrar equilíbrio. Governos Federal, Estaduais e Municipais se confrontaram ao vivo nas redes sociais, na mídia e nos Tribunais e nos desequilibraram, mais uma pouco, produzindo crises políticas cotidianas e aprofundando a polarização social e política que já assola o País há vários anos.

Com a economia paralisada pela quarentena e pelo isolamento, ensaiamos o retorno em meio ao momento em que os casos diários de contaminação e morte estão em picos altíssimos.

Mais uma vez, desequilíbrio, falta de diálogo que aprofunda a crise, eleva o risco do próprio país e nos afasta do desenvolvimento, da qualidade de vida, da saúde e da proteção ambiental que tem como princípio básico o bem estar do homem.

Assim que chegamos, infelizmente, a esse 05 de junho de 2020, dia em que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente.

Sim, é sempre tempo de recolher os cacos e recomeçar. Mas ninguém se levanta, sem se equilibrar!

* Evandro A. S. Grili é advogado, sócio e diretor-executivo de Brasil Salomão e Matthes Advocacia, coordena a Área de Direito Ambiental do Escritório.

Fonte: ADVICE Comunicação Corporativa



Rio Grande do Sul: a reconstrução passa pela recuperação de vegetação nativa

A nova realidade criada pela tragédia exige igualmente novas respostas da gestão pública, incluindo um olhar prioritário para a questão ambiental.

Autor: Divulgação

Rio Grande do Sul: a reconstrução passa pela recuperação de vegetação nativa

Investir em saneamento traz retorno para a saúde

A aprovação do Novo Marco Legal do Saneamento, em julho de 2020, trouxe novas e importantes perspectivas para o avanço da infraestrutura do setor.

Autor: Elzio Mistrelo

Investir em saneamento traz retorno para a saúde

Descoberta de Luzia, um dos esqueletos mais antigos das Américas, completa 50 anos

Arqueólogos encontraram os primeiros ossos em 1974, na área do Monumento Estadual Lapa Vermelha, em Pedro Leopoldo

Autor: Divulgação

Descoberta de Luzia, um dos esqueletos mais antigos das Américas, completa 50 anos

Governo de Minas e Ibama reabilitam onça parda atropelada e a devolvem à natureza

Animal havia sido atingido em rodovia, próximo a Campos Altos, e foi submetido a cirurgia; espécie é a segunda maior espécie de felino das Américas e está ameaçada de extinção.

Autor: Divulgação

Governo de Minas e Ibama reabilitam onça parda atropelada e a devolvem à natureza

Qual produto é mais recomendado para manutenção de fossa séptica?

A manutenção ideal de uma fossa séptica é crucial para manter um sistema de saneamento confiável e saudável.

Autor: Divulgação


A revolução das soluções baseadas na natureza

De acordo com um estudo liderado pela UFRJ, 48 mil pessoas morreram por ondas de calor entre 2000 e 2018 no Brasil.

Autor: Danilo Roberti Alves de Almeida

A revolução das soluções baseadas na natureza

Municípios têm oportunidades com o saneamento

O saneamento básico galgou um novo patamar no interesse de investidores e especialistas.

Autor: Maurício Vizeu de Castro

Municípios têm oportunidades com o saneamento

As bactérias do bem que salvam as águas

Pode soar surpreendente, mas são os microrganismos os agentes mais capacitados para tratar da água de forma natural.

Autor: Monique Zorzim

As bactérias do bem que salvam as águas

Cuidar da água para não faltar

“O Brasil, que se ergueu à beira do mar e em volta dos rios, também escreveu histórias de sede, de muita sede”, já apontava Graciliano Ramos, em 1938, na sua obra “Vidas Secas”.

Autor: Luiz Pladevall

Cuidar da água para não faltar

Dia das Florestas: vale a pena derrubar árvores?

Era de amor a relação dos indígenas com a mata, principalmente antes da invasão portuguesa.

Autor: Víktor Waewell

Dia das Florestas: vale a pena derrubar árvores?

Shopping distribui adubo oriundo da compostagem dos resíduos orgânicos

O adubo é utilizado no paisagismo do próprio shopping, doado para os colaboradores e agora está indo para a casa dos frequentadores.

Autor: Divulgação

Shopping distribui adubo oriundo da compostagem dos resíduos orgânicos

Cada passo importa para um futuro sustentável

O ano de 2023 foi confirmado como o mais quente da história, de acordo com o observatório Copernicus Climate Change Service, da União Europeia.

Autor: Artur Grynbaum

Cada passo importa para um futuro sustentável