Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Cidades devem planejar para enfrentar as águas

Cidades devem planejar para enfrentar as águas

11/02/2020 Luiz Pladevall

O verão 2019/2020 já entrou para a história como um dos mais marcantes pelos impactos causados pelas chuvas em importantes municípios brasileiros.

Cidades devem planejar para enfrentar as águas

Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, entre outras localidades, pagam um preço alto pela urbanização desenfreada e a consequente impermeabilização do solo.

Os estragos não se limitam aos fatores acima apontados. As mudanças climáticas vão impactar cada vez mais na vida da população, principalmente das regiões metropolitanas. São Paulo, por exemplo, já tem histórico de enfrentar longos períodos de seca e momentos onde o volume das chuvas passa, em muito, das médias históricas.

Assim como nas cidades brasileiras, municípios dos EUA, França, Inglaterra, Itália têm enfrentado os resultados das mudanças climáticas, com indicadores muito além das médias históricas, tanto na estiagem como no aumento do volume de chuvas. Para as localidades populosas, é um grande estrago, isso quando não se transformam em tragédias.

A tecnologia já permite utilizar ferramentas para prever com alguma antecedência o volume de chuvas. Informações como essa ajudam a Defesa Civil a se preparar com algumas horas de antecedência para eventuais catástrofes, principalmente no atendimento às populações que moram em regiões de maior risco como às margens dos grandes rios e em encostas. Por outro lado, os piscinões têm uso limitado diante de um grande volume de água das chuvas.

As soluções passam por aumentar a permeabilidade do solo, principalmente nas proximidades dos cursos dos rios. Os piscinões também não devem ser descartados, mas construídos associados com outras soluções, como parques lineares, incentivos com redução de IPTU para os moradores manterem áreas permeáveis nos seus imóveis.

Uma medida fundamental é a coleta correta do lixo. Esse é um material que, invariavelmente, contribuiu para aumentar ainda mais os estragos, tampando bueiros e aumentando os riscos de contaminações. Em temporais, podemos ver de tudo boiando nos rios, até mesmo móveis como sofás e geladeiras. Isso aumenta ainda mais o caos.

Uma coisa podemos ter certeza, as enchentes e a secas vão passar, cada vez mais, a fazer parte do nosso cotidiano. As soluções não são simples, mas precisam avançar para evitar que a vida em regiões metropolitanas fique insuportável e com custos das tragédias cada vez maiores.

* Luiz Pladevall é engenheiro, presidente da Apecs (Associação Paulista de Empresas de Consultoria e Serviços em Saneamento e Meio Ambiente) e vice-presidente da ABES-SP (Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental)

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Não, as praias não serão privatizadas – entenda a PEC 3/2022 e por que defendê-la

É necessário que o bem do Brasil esteja acima de qualquer preciosismo político.

Autor: Lucas Sampaio


Cemig recicla quase 100% dos resíduos sólidos gerados pela companhia

Desde 2020, a empresa evitou o descarte de 200 mil toneladas de materiais no meio ambiente.

Autor: Divulgação

Cemig recicla quase 100% dos resíduos sólidos gerados pela companhia

Minas garante a preservação de espécies raras de fauna e flora

As unidades de conservação (UCs) em Minas Gerais, geridas pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF), são verdadeiros oásis para a conservação da natureza.

Autor: Divulgação

Minas garante a preservação de espécies raras de fauna e flora

A geopolítica do clima e as consequências de ignorar

Nos últimos anos, estamos percebendo de forma bastante clara como as questões climáticas vêm influenciando o xadrez geopolítico global.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray

A geopolítica do clima e as consequências de ignorar

Traças de roupas e livros: curiosidades e prejuízos causados pelos insetos

Encontradas em lares, roupas e livros, as traças tem hábitos alimentares e de sobrevivência distintos, de acordo com Biólogo do CEUB.

Autor: Divulgação

Traças de roupas e livros: curiosidades e prejuízos causados pelos insetos

Rio Grande do Sul: a reconstrução passa pela recuperação da vegetação nativa

A nova realidade criada pela tragédia exige igualmente novas respostas da gestão pública, incluindo um olhar prioritário para a questão ambiental.

Autor: Divulgação

Rio Grande do Sul: a reconstrução passa pela recuperação da vegetação nativa

Investir em saneamento traz retorno para a saúde

A aprovação do Novo Marco Legal do Saneamento, em julho de 2020, trouxe novas e importantes perspectivas para o avanço da infraestrutura do setor.

Autor: Elzio Mistrelo

Investir em saneamento traz retorno para a saúde

Descoberta de Luzia, um dos esqueletos mais antigos das Américas, completa 50 anos

Arqueólogos encontraram os primeiros ossos em 1974, na área do Monumento Estadual Lapa Vermelha, em Pedro Leopoldo

Autor: Divulgação

Descoberta de Luzia, um dos esqueletos mais antigos das Américas, completa 50 anos

Governo de Minas e Ibama reabilitam onça parda atropelada e a devolvem à natureza

Animal havia sido atingido em rodovia, próximo a Campos Altos, e foi submetido a cirurgia; espécie é a segunda maior espécie de felino das Américas e está ameaçada de extinção.

Autor: Divulgação

Governo de Minas e Ibama reabilitam onça parda atropelada e a devolvem à natureza

Qual produto é mais recomendado para manutenção de fossa séptica?

A manutenção ideal de uma fossa séptica é crucial para manter um sistema de saneamento confiável e saudável.

Autor: Divulgação


A revolução das soluções baseadas na natureza

De acordo com um estudo liderado pela UFRJ, 48 mil pessoas morreram por ondas de calor entre 2000 e 2018 no Brasil.

Autor: Danilo Roberti Alves de Almeida

A revolução das soluções baseadas na natureza

Municípios têm oportunidades com o saneamento

O saneamento básico galgou um novo patamar no interesse de investidores e especialistas.

Autor: Maurício Vizeu de Castro

Municípios têm oportunidades com o saneamento