Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Cinco anos do Acordo de Paris e a desgovernança do clima

Cinco anos do Acordo de Paris e a desgovernança do clima

14/12/2020 Dr. Norman Arruda Filho

O Acordo de Paris teve sua importância para limitar os danos do aumento da tempertaura média global.

Cinco anos do Acordo de Paris e a desgovernança do clima

Nos últimos dias, o Pacto Global das Nações Unidas (ONU) uniu-se aos Programas da ONU para o Ambiente e para as Alterações Climáticas, além dos dirigentes da COP 25 e COP 26, juntamente com líderes de empresas e finanças da sociedade civil na oitava reunião anual do High Level Meeting of Caring for Climate para uma conversa sobre formas de impulsionar coletivamente a ação climática.

O que eu observei no encontro foram os representantes de iniciativas como a “Race to Zero” e “Business Ambition for 1.5°C” fazerem um balanço de seus progressos desde o Acordo de Paris e discutirem estratégias para uma recuperação sustentável com o objetivo de enfrentar as crises causadas pela pandemia do COVID-19 e as alterações climáticas. Escutei com atenção o discurso do secretário geral da ONU, António Guterres, com sua fala sobre a urgência de ações, pois as políticas climáticas não estão à altura das metas, e sobre a imprescindível necessidade dos países signatários encontrarem soluções inovadoras pós-pandemia como empregos sustentáveis e a redução da emissão de carbono.

A cada encontro, em cada discurso, confirmo e reafirmo minha convicção da grande importância das instituições de ensino na formação de líderes para o futuro. Instituições comprometidas com a agenda global que irão desenvolver em seus alunos a criticidade para a tomada de decisão dentro das organizações em prol de resultados que irão impactar o futuro de todos. Hoje, a ONU conta com o The Principles for Responsible Management Education (Os Princípios para uma Educação Executiva Responsável), o PRME, que possui mais de 800 escolas de negócios e instituições de ensino signatárias ao redor do mundo.

A reunião que ocorreu teve o objetivo de ser um “aquecimento” para a cúpula virtual “Climate Ambition Summit”, co-convocada pelas Nações Unidas, Reino Unido e França, em parceria com o Chile e a Itália, que ocorrerá neste sábado, dia 12 de dezembro, data do aniversário do Acordo de Paris (compromisso mundial sobre as alterações climáticas que prevê metas para a redução da emissão de gases do efeito estufa). Será neste encontro que os governos nacionais deverão anunciar novos compromissos ambiciosos nas metas já estipuladas no Acordo.

Nos últimos cinco anos, o avanço dos países para solucionar o desafio climático ocorreu na contramão do aumento dos desastres relacionados às mudanças climáticas como ondas de calor, secas, incêndios florestais, inundações, etc. Porém, o Acordo de Paris teve sua importância para limitar os danos do aumento da tempertaura média global. A Cúpula que será realizada no sábado soa animadora com novos compromissos de neutralização de carbono anunciados por Coreia do Sul, Japão, União Europeia e pelo presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, para 2050 e para 2060 pela China e pelo Brasil.

Enquanto a sobrevivência do mundo está em jogo, o que se espera da Cúpula é que os alertas realizados incessantemente pela ciência não sejam mais ignorados; que a sinergia entre a Academia, o setor público e o privado criem vínculos cada vez mais produtivos em prol da agenda global; que os signatários do Acordo de Paris apresentem seus compromissos não apenas revistos, mas que sejam viáveis política e economicamente e que esses compromissos tenham rápida aplicabilidade e retorno. Ainda temos tempo, mas ele se esgota a cada indecisão ou, pior, a cada decisão equivocada dos líderes mundiais.

* Norman Arruda Filho é Presidente do ISAE Escola de Negócios e Membro do Comitê Brasileiro do Pacto Global das Nações Unidas.

Fonte: P+G Comunicação Integrada



Rio Grande do Sul: a reconstrução passa pela recuperação da vegetação nativa

A nova realidade criada pela tragédia exige igualmente novas respostas da gestão pública, incluindo um olhar prioritário para a questão ambiental.

Autor: Divulgação

Rio Grande do Sul: a reconstrução passa pela recuperação da vegetação nativa

Investir em saneamento traz retorno para a saúde

A aprovação do Novo Marco Legal do Saneamento, em julho de 2020, trouxe novas e importantes perspectivas para o avanço da infraestrutura do setor.

Autor: Elzio Mistrelo

Investir em saneamento traz retorno para a saúde

Descoberta de Luzia, um dos esqueletos mais antigos das Américas, completa 50 anos

Arqueólogos encontraram os primeiros ossos em 1974, na área do Monumento Estadual Lapa Vermelha, em Pedro Leopoldo

Autor: Divulgação

Descoberta de Luzia, um dos esqueletos mais antigos das Américas, completa 50 anos

Governo de Minas e Ibama reabilitam onça parda atropelada e a devolvem à natureza

Animal havia sido atingido em rodovia, próximo a Campos Altos, e foi submetido a cirurgia; espécie é a segunda maior espécie de felino das Américas e está ameaçada de extinção.

Autor: Divulgação

Governo de Minas e Ibama reabilitam onça parda atropelada e a devolvem à natureza

Qual produto é mais recomendado para manutenção de fossa séptica?

A manutenção ideal de uma fossa séptica é crucial para manter um sistema de saneamento confiável e saudável.

Autor: Divulgação


A revolução das soluções baseadas na natureza

De acordo com um estudo liderado pela UFRJ, 48 mil pessoas morreram por ondas de calor entre 2000 e 2018 no Brasil.

Autor: Danilo Roberti Alves de Almeida

A revolução das soluções baseadas na natureza

Municípios têm oportunidades com o saneamento

O saneamento básico galgou um novo patamar no interesse de investidores e especialistas.

Autor: Maurício Vizeu de Castro

Municípios têm oportunidades com o saneamento

As bactérias do bem que salvam as águas

Pode soar surpreendente, mas são os microrganismos os agentes mais capacitados para tratar da água de forma natural.

Autor: Monique Zorzim

As bactérias do bem que salvam as águas

Cuidar da água para não faltar

“O Brasil, que se ergueu à beira do mar e em volta dos rios, também escreveu histórias de sede, de muita sede”, já apontava Graciliano Ramos, em 1938, na sua obra “Vidas Secas”.

Autor: Luiz Pladevall

Cuidar da água para não faltar

Dia das Florestas: vale a pena derrubar árvores?

Era de amor a relação dos indígenas com a mata, principalmente antes da invasão portuguesa.

Autor: Víktor Waewell

Dia das Florestas: vale a pena derrubar árvores?

Shopping distribui adubo oriundo da compostagem dos resíduos orgânicos

O adubo é utilizado no paisagismo do próprio shopping, doado para os colaboradores e agora está indo para a casa dos frequentadores.

Autor: Divulgação

Shopping distribui adubo oriundo da compostagem dos resíduos orgânicos

Cada passo importa para um futuro sustentável

O ano de 2023 foi confirmado como o mais quente da história, de acordo com o observatório Copernicus Climate Change Service, da União Europeia.

Autor: Artur Grynbaum

Cada passo importa para um futuro sustentável