Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como está o ar que respiramos?

Como está o ar que respiramos?

04/06/2019 Sandra Maria Lopes de Souza

A poluição do ar reflete também na poluição do solo por meio da emissão do gás ozônio.

Como está o ar que respiramos?

Dados fornecidos pela ONU Meio Ambiente — a agência ambiental da Organização das Nações Unidas (ONU) — demonstram que 9 em cada 10 pessoas no mundo estão expostas a altos níveis de poluição do ar, excedendo os padrões considerados seguros pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Aproximadamente 7 milhões de pessoas morrem prematuramente ao ano acometidas de doenças ocasionadas pelo mesmo problema. Em grandes cidades, onde o parque industrial e concentração urbana são maiores, as emissões nocivas se mostram mais elevadas, comprometendo a saúde da população e ambiental.

A poluição do ar reflete também na poluição do solo por meio da emissão do gás ozônio. Até 2013, houve uma redução na produção de cultivos básicos em 26%, dados que nos fazem pensar em como podemos contribuir para minimizar esses problemas.

A comemoração do Dia Mundial do Meio Ambiente (5 de junho) é justamente para sensibilizar e conscientizar as pessoas sobre a utilização e preservação dos recursos naturais, garantindo a qualidade de vida e o desenvolvimento sustentável. Essa data representativa foi criada em 5 de junho de 1972 pela ONU com a abertura da Conferência de Estocolmo, na qual vários países decidiram lutar juntos, a favor da preservação do ecossistema e pelas ações em prol do meio ambiente.

Assim, o uso do solo, da água e a qualidade do ar são temas atuais e polêmicos. A grande indagação que se faz é: até quando esses recursos naturais estarão disponíveis sem comprometer a vida no planeta? Vários são os casos de uso do solo irregular causando desmoronamento e erosão, assim como de corpos hídricos contaminados por substâncias tóxicas. Há necessidade urgente de repensarmos a forma da sua utilização para que não aconteçam desastres ambientais em que não só o ambiente sofre, mas também as pessoas.

A ONU propõe instigar governos, indústrias, comunidades e indivíduos a pensar em alternativas sobre a exploração de energia renovável e tecnologias verdes, conseguindo assim uma melhoria na qualidade do ar, começando pelas cidades e abrangendo o mundo.

Essa é uma chamada ousada, pois o planeta é muito diverso e possui necessidades diferentes, mas ao mesmo tempo similares no que diz respeito às consequências da poluição do ar. Ações antrópicas, aquelas realizadas pelo homem, se mostram mais influentes em relação à poluição do ar.

Que ações podem ser praticadas como forma de minimização desse problema? Algumas dessas ações podem ser viabilizadas, por exemplo, na educação ambiental nas escolas e comunidades sociais, na utilização de bicicletas e patinetes, na redução de geração de resíduos, no uso racional dos recursos naturais, na implantação de modalidades de transportes alternativos, em carros movidos a combustíveis mais limpos e elétricos, entre outras. Esses meios auxiliam na melhoria da mobilidade urbana, na saúde dos seres vivos e do próprio meio ambiente. Assim, haverá redução na queima de combustíveis fósseis e também menos riscos no comprometimento da qualidade do ar, do solo e corpos hídricos.

As ações implantadas por governantes, pelas indústrias e pela população em geral (mesmo que a princípio sejam consideradas ações de pouco impacto positivo) contribuirão de forma significativa para a qualidade de vida do planeta e dos seres vivos quando somadas e vistas em longo prazo.

* Sandra Maria Lopes de Souza é professora, mestre em gestão ambiental e coordenadora de cursos de pós-graduação no Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Pg1 Comunicação



Amazônia: tão necessária quanto pulmões, coração e cérebro

Na medicina sabemos que é necessário respirar e o coração bater para nos mantermos vivos, além da função cerebral.

Amazônia: tão necessária quanto pulmões, coração e cérebro

Julho registra temperatura média mais alta da história

Nos últimos anos, o país tem registrado invernos mais quentes que a média histórica.

Julho registra temperatura média mais alta da história

A mente de uma abelha

As abelhas demonstraram habilidade para entender conceitos abstratos como “igual” ou “diferente”.

A mente de uma abelha

Museu Oceanográfico Univali recebe exposição Gigantes do Passado

Acervo de animais da “Era do Gelo” pode ser visitado no Balneário Piçarras, Santa Catarina.

Museu Oceanográfico Univali recebe exposição Gigantes do Passado

Nasa divulga imagem de galáxia em caos após colisão

Imagem foi obtida pelo Telescópio Espacial James Webb.

Nasa divulga imagem de galáxia em caos após colisão

Cidade de São Paulo tem mês de julho mais quente desde 1943

Temperatura mais alta tinha sido registrada em julho de 1977.

Cidade de São Paulo tem mês de julho mais quente desde 1943

Cientistas detectam buraco negro adormecido fora da Via Láctea

Fenômeno foi constatado na galáxia Grande Nuvem de Magalhães.

Cientistas detectam buraco negro adormecido fora da Via Láctea

Plantio de mudas ajuda a preservar nascentes em Sorocaba

Emrpesa realiza plantio de mudas, em parceria com prefeitura de Sorocaba e Secretaria de Meio Ambiente.

Plantio de mudas ajuda a preservar nascentes em Sorocaba

Nasa divulga fotos de Júpiter capturadas pelo telescópio James Webb

Registros feitos ainda na fase de testes mostram detalhes do Planeta, luas e asteroides com detalhamentos nunca antes vistos.

Nasa divulga fotos de Júpiter capturadas pelo telescópio James Webb

Projeto sobre plantas medicinais faz sucesso nas redes

Com conteúdos multimídia e atividades práticas sobre o mundo vegetal, iniciativa estimula a curiosidade e o conhecimento científico em jovens estudantes.

Projeto sobre plantas medicinais faz sucesso nas redes

Bioma amazônico tem 30 a 40 mil espécies só de plantas, mostra estudo

Trabalho divulgado hoje mapeia pesquisas científicas na região.

Bioma amazônico tem 30 a 40 mil espécies só de plantas, mostra estudo

Observatório em Minas Gerais capta meteoro brilhante

Evento luminoso foi registrado na cidade mineira de Brazópolis.

Observatório em Minas Gerais capta meteoro brilhante