Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Como está o ar que respiramos?

Como está o ar que respiramos?

04/06/2019 Sandra Maria Lopes de Souza

A poluição do ar reflete também na poluição do solo por meio da emissão do gás ozônio.

Como está o ar que respiramos?

Dados fornecidos pela ONU Meio Ambiente — a agência ambiental da Organização das Nações Unidas (ONU) — demonstram que 9 em cada 10 pessoas no mundo estão expostas a altos níveis de poluição do ar, excedendo os padrões considerados seguros pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Aproximadamente 7 milhões de pessoas morrem prematuramente ao ano acometidas de doenças ocasionadas pelo mesmo problema. Em grandes cidades, onde o parque industrial e concentração urbana são maiores, as emissões nocivas se mostram mais elevadas, comprometendo a saúde da população e ambiental.

A poluição do ar reflete também na poluição do solo por meio da emissão do gás ozônio. Até 2013, houve uma redução na produção de cultivos básicos em 26%, dados que nos fazem pensar em como podemos contribuir para minimizar esses problemas.

A comemoração do Dia Mundial do Meio Ambiente (5 de junho) é justamente para sensibilizar e conscientizar as pessoas sobre a utilização e preservação dos recursos naturais, garantindo a qualidade de vida e o desenvolvimento sustentável. Essa data representativa foi criada em 5 de junho de 1972 pela ONU com a abertura da Conferência de Estocolmo, na qual vários países decidiram lutar juntos, a favor da preservação do ecossistema e pelas ações em prol do meio ambiente.

Assim, o uso do solo, da água e a qualidade do ar são temas atuais e polêmicos. A grande indagação que se faz é: até quando esses recursos naturais estarão disponíveis sem comprometer a vida no planeta? Vários são os casos de uso do solo irregular causando desmoronamento e erosão, assim como de corpos hídricos contaminados por substâncias tóxicas. Há necessidade urgente de repensarmos a forma da sua utilização para que não aconteçam desastres ambientais em que não só o ambiente sofre, mas também as pessoas.

A ONU propõe instigar governos, indústrias, comunidades e indivíduos a pensar em alternativas sobre a exploração de energia renovável e tecnologias verdes, conseguindo assim uma melhoria na qualidade do ar, começando pelas cidades e abrangendo o mundo.

Essa é uma chamada ousada, pois o planeta é muito diverso e possui necessidades diferentes, mas ao mesmo tempo similares no que diz respeito às consequências da poluição do ar. Ações antrópicas, aquelas realizadas pelo homem, se mostram mais influentes em relação à poluição do ar.

Que ações podem ser praticadas como forma de minimização desse problema? Algumas dessas ações podem ser viabilizadas, por exemplo, na educação ambiental nas escolas e comunidades sociais, na utilização de bicicletas e patinetes, na redução de geração de resíduos, no uso racional dos recursos naturais, na implantação de modalidades de transportes alternativos, em carros movidos a combustíveis mais limpos e elétricos, entre outras. Esses meios auxiliam na melhoria da mobilidade urbana, na saúde dos seres vivos e do próprio meio ambiente. Assim, haverá redução na queima de combustíveis fósseis e também menos riscos no comprometimento da qualidade do ar, do solo e corpos hídricos.

As ações implantadas por governantes, pelas indústrias e pela população em geral (mesmo que a princípio sejam consideradas ações de pouco impacto positivo) contribuirão de forma significativa para a qualidade de vida do planeta e dos seres vivos quando somadas e vistas em longo prazo.

* Sandra Maria Lopes de Souza é professora, mestre em gestão ambiental e coordenadora de cursos de pós-graduação no Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Pg1 Comunicação



A dessalinização como um seguro saúde para redução da vulnerabilidade hídrica no Brasil

A dessalinização é o processo de remoção de sais da água do mar - para que ela possa ser utilizada para fins potáveis ou industriais.

A dessalinização como um seguro saúde para redução da vulnerabilidade hídrica no Brasil

Mudanças climáticas forçam 20 milhões por ano a deixarem suas casas

Conferência da ONU COP25, em Madri, debate emergências climáticas no mundo.

Mudanças climáticas forçam 20 milhões por ano a deixarem suas casas

Bolsa Reciclagem beneficia 1,4 mil famílias de catadores em Minas

Governo retoma repasses do programa que estavam interrompidos desde 2017.

Bolsa Reciclagem beneficia 1,4 mil famílias de catadores em Minas

Para evitar catástrofe climática, emissões de CO2 precisam cair 7,6% ao ano

Dados do Pnuma mostram que em 2018, o total de emissões de CO2 atingiu níveis recordes e, na última década, as emissões aumentaram 1,5% por ano.

Para evitar catástrofe climática, emissões de CO2 precisam cair 7,6% ao ano

Óleo que atingiu Rio de Janeiro é compatível com o do Nordeste

Ao todo, 772 localidades de 124 municípios em 11 estados foram atingidos pelo óleo, diz Ibama.


Expedição avalia poluição do Rio São Francisco

Serão realizadas análises física, química e orgânica das águas do rio.

Expedição avalia poluição do Rio São Francisco

Pós-graduação em Conservação da Fauna da UFSCar oferta mestrado profissional

Inscrições podem ser feitas até o dia 25 de novembro pelo site do Programa.

Pós-graduação em Conservação da Fauna da UFSCar oferta mestrado profissional

Brasil gera 79 milhões de toneladas de resíduos sólidos por ano

Brasil é o campeão de geração de lixo na América Latina.

Brasil gera 79 milhões de toneladas de resíduos sólidos por ano

Projeto no Cerrado recupera área de 110 mil campos de futebol

Ação ensinou 7,8 mil produtores rurais a usar práticas sustentáveis.

Projeto no Cerrado recupera área de 110 mil campos de futebol

A necessária educação ambiental à sociedade civil

A obrigação de conservação da natureza é de todos nós.


IBGE lança mapa com biomas brasileiros

O bioma da Amazônia ocupa 49,5% do território. Em segundo maior bioma é o Cerrado (23,3%),

IBGE lança mapa com biomas brasileiros

UFSCar e Cefet-MG produzem canudos biodegradáveis a base de amido da mandioca

Trabalho conjunto acontece no âmbito do Instituto Midas de Tecnologias Ambientais e aliou experiência na área de Química à Engenharia de Materiais.

UFSCar e Cefet-MG produzem canudos biodegradáveis a base de amido da mandioca