Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Construtora elimina uso da madeira em seus canteiros de obras

Construtora elimina uso da madeira em seus canteiros de obras

09/06/2020 Divulgação

Para cada metro cúbico de madeira, pode ser necessária a derrubada de uma ou duas árvores, segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Florestas.

Construtora elimina uso da madeira em seus canteiros de obras

Mas esse é um importante elemento natural, responsável pela produção de ar puro e de crescimento lento. Comprometida com a sustentabilidade e com a inovação, a MRV implantou mudanças em suas obras que eliminaram o uso da madeira em seus canteiros.

A empresa substituiu as técnicas construtivas tradicionais, com a alvenaria, na qual a madeira é bastante utilizada para moldar pilares, fazer escoramento, andaimes, equipamentos de proteção coletiva, como os bandejões nas extremidades da torre ou o isolamento dos fossos dos elevadores. Atualmente, seus residenciais são construídos com paredes de concreto, que são montadas no canteiro com formas de alumínio- e não mais com madeira. 

“Essa substituição envolveu um investimento alto porque o alumínio é bem mais caro que a madeira. Para cada 4 apartamentos, o custo de R$ 1,2 milhão. Porém, esse insumo pode ser reutilizado em cerca de 10 obras”, diz Felipe Ribeiro Motta, coordenador de obras no Estado. Outras mudanças no canteiro foram a troca da madeira pelos containers para os escritórios, almoxarifado e outras estruturas temporárias de obra. Outra alternativa é o uso da tenda. Atualmente, na obra Gran Oásis, no Bairro Rio Formoso, em Goiânia, 260 apartamentos de dois quartos e 42 metros quadrados, estão sendo erguidos com esse sistema. 

Felipe Ribeiro informa que há três anos as obras em Goiás usam as paredes de concreto com fôrmas de alumínio para moldagem, e elas representam ganhos não apenas ecológico, como garantem também mais agilidade à obra e qualidade. “Com as paredes de concreto, o tempo da obra caiu de 22 meses para 12. O volume de entulho caiu pela metade - atualmente as caçambas chegam, no máximo, a duas por apartamento durante toda a obra. A tecnologia também facilitou a implantação da parte hidráulica e elétrica dos apartamentos, que já chega pré-montada da fábrica própria, evitando desperdício e retrabalho”, lista.

A mudança já vinha sendo implementada desde 2010 em suas obras fora do Estado, sendo resultado de sua área de inovação, criada para desenvolver e testar novos materiais e tecnologias, que vão sendo implementadas paulatinamente em todo País.

Com inúmeras ações sustentáveis, a MRV foi convidada pela Organização das Nações Unidas (ONU) para apresentar um case que detalhou como os objetivos de desenvolvimento sustentável da Agenda 2030, composta por 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e 169 metas, geram valor para a sociedade e para a empresa. A participação da plataforma de soluções habitacionais aconteceu no painel sobre o futuro das cidades, em Nova York. Além disso, a MRV é signatária do Pacto Global da ONU desde 2016 e está presente há três anos no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE B3) e participa do conselho do Instituto Ethos.

Fonte: Comunicação Sem Fronteiras



Rio Grande do Sul: a reconstrução passa pela recuperação da vegetação nativa

A nova realidade criada pela tragédia exige igualmente novas respostas da gestão pública, incluindo um olhar prioritário para a questão ambiental.

Autor: Divulgação

Rio Grande do Sul: a reconstrução passa pela recuperação da vegetação nativa

Investir em saneamento traz retorno para a saúde

A aprovação do Novo Marco Legal do Saneamento, em julho de 2020, trouxe novas e importantes perspectivas para o avanço da infraestrutura do setor.

Autor: Elzio Mistrelo

Investir em saneamento traz retorno para a saúde

Descoberta de Luzia, um dos esqueletos mais antigos das Américas, completa 50 anos

Arqueólogos encontraram os primeiros ossos em 1974, na área do Monumento Estadual Lapa Vermelha, em Pedro Leopoldo

Autor: Divulgação

Descoberta de Luzia, um dos esqueletos mais antigos das Américas, completa 50 anos

Governo de Minas e Ibama reabilitam onça parda atropelada e a devolvem à natureza

Animal havia sido atingido em rodovia, próximo a Campos Altos, e foi submetido a cirurgia; espécie é a segunda maior espécie de felino das Américas e está ameaçada de extinção.

Autor: Divulgação

Governo de Minas e Ibama reabilitam onça parda atropelada e a devolvem à natureza

Qual produto é mais recomendado para manutenção de fossa séptica?

A manutenção ideal de uma fossa séptica é crucial para manter um sistema de saneamento confiável e saudável.

Autor: Divulgação


A revolução das soluções baseadas na natureza

De acordo com um estudo liderado pela UFRJ, 48 mil pessoas morreram por ondas de calor entre 2000 e 2018 no Brasil.

Autor: Danilo Roberti Alves de Almeida

A revolução das soluções baseadas na natureza

Municípios têm oportunidades com o saneamento

O saneamento básico galgou um novo patamar no interesse de investidores e especialistas.

Autor: Maurício Vizeu de Castro

Municípios têm oportunidades com o saneamento

As bactérias do bem que salvam as águas

Pode soar surpreendente, mas são os microrganismos os agentes mais capacitados para tratar da água de forma natural.

Autor: Monique Zorzim

As bactérias do bem que salvam as águas

Cuidar da água para não faltar

“O Brasil, que se ergueu à beira do mar e em volta dos rios, também escreveu histórias de sede, de muita sede”, já apontava Graciliano Ramos, em 1938, na sua obra “Vidas Secas”.

Autor: Luiz Pladevall

Cuidar da água para não faltar

Dia das Florestas: vale a pena derrubar árvores?

Era de amor a relação dos indígenas com a mata, principalmente antes da invasão portuguesa.

Autor: Víktor Waewell

Dia das Florestas: vale a pena derrubar árvores?

Shopping distribui adubo oriundo da compostagem dos resíduos orgânicos

O adubo é utilizado no paisagismo do próprio shopping, doado para os colaboradores e agora está indo para a casa dos frequentadores.

Autor: Divulgação

Shopping distribui adubo oriundo da compostagem dos resíduos orgânicos

Cada passo importa para um futuro sustentável

O ano de 2023 foi confirmado como o mais quente da história, de acordo com o observatório Copernicus Climate Change Service, da União Europeia.

Autor: Artur Grynbaum

Cada passo importa para um futuro sustentável