Portal O Debate
Grupo WhatsApp

É preciso agir para evitar o colapso climático

É preciso agir para evitar o colapso climático

06/06/2023 Alvaro Trilho

A emergência climática nunca foi tão urgente.

É preciso agir para evitar o colapso climático

O relatório divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU) nas últimas semanas deixou claro que há grandes chances de extrapolarmos o limite definido pelo Acordo de Paris para tentar conter o aumento da temperatura global. 

Ao longo de 23 páginas, o documento destaca que nos próximos cinco anos devemos aumentar a temperatura do planeta em 1,8º C, ultrapassando a meta de 1,5º C determinada pelo Acordo de Paris. Pode parecer pouco, afinal estamos falando de apenas 0,3º C, mas devemos lembrar que já estamos no limite. 

Para tentar equacionar a urgência climática em que nos encontramos, um estudo publicado na Nature Ecology & Evolution mostrou que, se aumentarmos a temperatura do mundo em 2,5º C, cerca de 30% das espécies seriam extintas. Fazendo um contraponto com a pesquisa da ONU, estamos falando de apenas 0,7º C, que também é bem pouco. 

Por isso, mais do que nunca, é hora de mudarmos nosso pensamento e condutas, em todas as esferas e níveis. Há uma necessidade global para tentarmos reverter esse quadro, antes que ele se torne irreversível.  

Já estamos vendo alguns movimentos governamentais para tentar frear esse aumento de temperatura, como um Projeto de Lei que tramita na França, que quer proibir voos com menos de duas horas de duração, para reduzir as emissões de CO². Aqui no Brasil, temos o PL 7578/17, que regulariza o mercado de crédito de carbono e pode ser muito positivo para o país. 

Mas não podemos esquecer que todos esses tramites refletem na sociedade, por isso precisam ser muito bem pensados e avaliados, o que leva um certo tempo. No caso francês, por exemplo, precisamos estudar os impactos em toda cadeia da aviação, como as fabricantes de aviões regionais. 

Por isso, os grandes expoentes nessa mudança são as empresas, que cada vez mais serão pressionadas por mudanças. Só que isso precisa ser visto não como uma cobrança, mas como uma oportunidade de fazer a diferença.  

É verdade que muitas empresas ainda não se atentaram a essa nova realidade, mas agora é a hora de agir. Para começar, elas precisam analisar seus impactos ambientais. E isso precisa ser feito de forma ampla e profunda, avaliando a cadeia de fornecedores, emissões de CO², consumo de eletricidade, dentre muitos outros elementos, que, normalmente, são levantados por empresas contratadas especialmente para esses fins. 

A partir daí, serão definidas as metas e as estratégias para reduzir seus impactos ambientais. 

É verdade que as empresas terão um papel de liderança nesse processo para tentar frear o aquecimento global, mas não podemos esquecer as pessoas, que também terão uma função importante nesse contexto. Não adianta elas cobrarem providências, se não assumirem sua posição nessa batalha. 

Como julgar uma empresa que consome energia se a pessoa deixa as luzes de casa acesas o dia todo ou fica horas no banho? Essa é uma das perguntas que devemos fazer para nossa própria reflexão. 

A verdade é que se trata de uma luta de todos. Que o Dia Mundial do Meio Ambiente que se aproxima sirva como marco para revertermos esse quadro complexo, pois o tempo, nesse caso, está contra nós. 

* Alvaro Trilho é Diretor de Risk & Analytics da WTW.

Para mais informações sobre Meio Ambiente clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Grupo Virta



Rio Grande do Sul: a reconstrução passa pela recuperação de vegetação nativa

A nova realidade criada pela tragédia exige igualmente novas respostas da gestão pública, incluindo um olhar prioritário para a questão ambiental.

Autor: Divulgação

Rio Grande do Sul: a reconstrução passa pela recuperação de vegetação nativa

Investir em saneamento traz retorno para a saúde

A aprovação do Novo Marco Legal do Saneamento, em julho de 2020, trouxe novas e importantes perspectivas para o avanço da infraestrutura do setor.

Autor: Elzio Mistrelo

Investir em saneamento traz retorno para a saúde

Descoberta de Luzia, um dos esqueletos mais antigos das Américas, completa 50 anos

Arqueólogos encontraram os primeiros ossos em 1974, na área do Monumento Estadual Lapa Vermelha, em Pedro Leopoldo

Autor: Divulgação

Descoberta de Luzia, um dos esqueletos mais antigos das Américas, completa 50 anos

Governo de Minas e Ibama reabilitam onça parda atropelada e a devolvem à natureza

Animal havia sido atingido em rodovia, próximo a Campos Altos, e foi submetido a cirurgia; espécie é a segunda maior espécie de felino das Américas e está ameaçada de extinção.

Autor: Divulgação

Governo de Minas e Ibama reabilitam onça parda atropelada e a devolvem à natureza

Qual produto é mais recomendado para manutenção de fossa séptica?

A manutenção ideal de uma fossa séptica é crucial para manter um sistema de saneamento confiável e saudável.

Autor: Divulgação


A revolução das soluções baseadas na natureza

De acordo com um estudo liderado pela UFRJ, 48 mil pessoas morreram por ondas de calor entre 2000 e 2018 no Brasil.

Autor: Danilo Roberti Alves de Almeida

A revolução das soluções baseadas na natureza

Municípios têm oportunidades com o saneamento

O saneamento básico galgou um novo patamar no interesse de investidores e especialistas.

Autor: Maurício Vizeu de Castro

Municípios têm oportunidades com o saneamento

As bactérias do bem que salvam as águas

Pode soar surpreendente, mas são os microrganismos os agentes mais capacitados para tratar da água de forma natural.

Autor: Monique Zorzim

As bactérias do bem que salvam as águas

Cuidar da água para não faltar

“O Brasil, que se ergueu à beira do mar e em volta dos rios, também escreveu histórias de sede, de muita sede”, já apontava Graciliano Ramos, em 1938, na sua obra “Vidas Secas”.

Autor: Luiz Pladevall

Cuidar da água para não faltar

Dia das Florestas: vale a pena derrubar árvores?

Era de amor a relação dos indígenas com a mata, principalmente antes da invasão portuguesa.

Autor: Víktor Waewell

Dia das Florestas: vale a pena derrubar árvores?

Shopping distribui adubo oriundo da compostagem dos resíduos orgânicos

O adubo é utilizado no paisagismo do próprio shopping, doado para os colaboradores e agora está indo para a casa dos frequentadores.

Autor: Divulgação

Shopping distribui adubo oriundo da compostagem dos resíduos orgânicos

Cada passo importa para um futuro sustentável

O ano de 2023 foi confirmado como o mais quente da história, de acordo com o observatório Copernicus Climate Change Service, da União Europeia.

Autor: Artur Grynbaum

Cada passo importa para um futuro sustentável