Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Fóssil achado em MG pode revelar novidades sobre dinossauros

Fóssil achado em MG pode revelar novidades sobre dinossauros

28/10/2020 Divulgação

Espécie batizada de Spectrovenator ragei viveu no período Cretáceo, o último da Era Mesozoica.

Um fóssil localizado em uma região próxima do município de Coração de Jesus (MG) pode auxiliar na compreensão sobre dinossauros que viveram no planeta no período de 65 a 145 milhões de anos atrás. Encontrado por pesquisadores vinculados ao Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (USP) e ao Museo Paleontológico Egidio Feruglio, da Argentina, a espécie foi batizada de Spectrovenator ragei (caçador fantasma, em tradução livre) e pertence à família de terópodes Abelisauridae, que viveu no período Cretáceo, o último da Era Mesozoica.

Conforme detalha a equipe de cientistas em artigo publicado no periódico Comptes Rendus Palevol, a família dos abelissaurídeos desempenhou papel central entre predadores durante a reta final do período Cretáceo. Os pesquisadores ressaltam que o espécime achado tem enorme valor por ser raro. Segundo eles, embora seja mais fácil resgatar materiais bem preservados da etapa final desse período, restam poucos intactos que permitam um estudo sobre os ciclos anteriores. Desse modo, o entendimento sobre como a linhagem de abelissaurídeos se desenvolveu ao longo do tempo fica limitado, já que parcela das referências sobre as fases iniciais acaba se perdendo.

O esqueleto recuperado no interior de Minas Gerais estava praticamente completo, de modo que os pesquisadores puderam coletá-lo como um bloco único. Uma das características mais marcantes dos abelissaurídeos é o par de membros anteriores bastante reduzidos. Outro aspecto que os distinguia era o fato de possuírem uma das estruturas cranianas mais especializadas entre os dinossauros carnívoros, com um crânio largo, região occipital alta e articulação intramandibular altamente cinética.

Fonte: Agência Brasil




Projeto de agrofloresta é implantado em Brumadinho

Iniciativa recuperou área degradada e fortaleceu a sustentabilidade socioeconômica e ambiental.

Projeto de agrofloresta é implantado em Brumadinho

Por que o plástico não precisa ser o vilão do meio ambiente?

O plástico tem sido tema central de amplos debates públicos, especialmente em relação a seus riscos ambientais.

Por que o plástico não precisa ser o vilão do meio ambiente?

Massa dos objetos construídos pelo homem supera a dos seres vivos na Terra

Estudo publicado na Revista Nature aponta que a cada 20 anos, a massa antropogênica – produzida pelo ser humano – dobra.

Massa dos objetos construídos pelo homem supera a dos seres vivos na Terra

O poder de transformação do saneamento

Tudo indica que entramos na era do acerto de contas com a nossa dívida histórica com o saneamento.

O poder de transformação do saneamento

ONG planta 265 milhões de árvores no Brasil

Foram recuperadas áreas na Amazônia, Cerrado e Mata Atlântica, por meio da campanha Restaura Brasil.

ONG planta 265 milhões de árvores no Brasil

Os perigos da mineração ilegal

72% de todo garimpo realizado na Amazônia entre janeiro e abril de 2020 ocorreu dentro de unidades de conservação e terras indígenas.

Os perigos da mineração ilegal

Área do Parque Estadual Serra do Papagaio, no Sul de Minas, é ampliada

Parque abrange os municípios de Alagoa, Aiuruoca, Baependi, Itamonte e Pouso Alto.

Área do Parque Estadual Serra do Papagaio, no Sul de Minas, é ampliada

O destino do lixo e o futuro do meio ambiente

Marco Legal do Saneamento Básico viabiliza a construção de 500 aterros sanitários regionais em todo o País, com investimento estimado em R$ 2,6 bilhões.

O destino do lixo e o futuro do meio ambiente

Portal facilita acesso ao monitoramento da água na bacia do Rio Doce

A bacia do Rio Doce tem 92 pontos de monitoramento e 22 estações automáticas instaladas em mais de 650 quilômetros de rios.

Portal facilita acesso ao monitoramento da água na bacia do Rio Doce

Expedição científica descobre quatro novas espécies de peixe em Noronha

Pesquisadores exploraram o arquipélago mais famoso do Brasil por 17 dias, utilizando drones submarinos e equipamentos de mergulho de última geração para fazer os registros.

Expedição científica descobre quatro novas espécies de peixe em Noronha

Solução para crises hídricas está na natureza

O Paraná vive a seca mais severa dos últimos anos, submetido, desde maio, à condição de emergência hídrica. Outras regiões brasileiras estão passando por problemas semelhantes. 

Solução para crises hídricas está na natureza

Onçafari registra mais de mil animais em câmeras de monitoramento no Legado das Águas