Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Não a espuma floral

Não a espuma floral

20/07/2020 Levy Seiya Maeda e Ticiana Giovannetti

É possível que você esteja na fase da organização do seu casamento e consequentemente, pensando em sua decoração.

No Brasil, a absoluta maioria dos cenários que levam flores em sua composição, abarcam também as espumas florais.

Resumidamente, são blocos de plástico comprimido, que têm por objetivo ser a base dos arranjos onde as hastes serão espetadas, oferecendo teoricamente mais controle e facilidade.

Hoje, com a cultura sustentável e maior preocupação com os impactos das nossas atividades no meio ambiente, a utilização da espuma floral é internacionalmente considerada irresponsável e inaceitável. Apesar de várias reformulações, o material ainda é tóxico e poluente.

Após o uso, quando a água dos vasos é despejada nas pias e/ou ralos, os microplásticos vão para os oceanos, onde diversos estudos apontam sua presença em grande escala, estima-se que até 2050, a quantidade de plástico nos oceanos será maior que a de peixes.

Além disso, é ingerido por esses animais marinhos que por sua vez, servem de alimento para os seres humanos, portanto, no final do ciclo você pode estar consumindo-o.

Nacionalmente, continua sendo a primeira opção de muitos decoradores. Podemos afirmar que a dificuldade em abandoná-la, deriva-se diretamente de uma agrura em libertar-se da zona de conforto.

É inegável que o material, proporciona praticidade: além de manter as flores no lugar e facilitar o transporte dos vasos, funciona como também como fonte de água. Porém, a grande questão é o preço que pagamos por essa comodidade.

Existem diversas técnicas para a substituição das espumas florais, entre elas, é possível utilizar diferentes materiais como arames, telas de galinheiro, musgos vivos e até abusar da criatividade, equilibrando a utilização entre flores de corte e plantadas, dando assim espaço para novos estilos e composições.

Vale lembrar que além dos benefícios ao meio ambiente, essa mudança também tem um efeito muito positivo para os arranjos em si, que ganharam desenhos mais orgânicos, soltos e leves. Ou seja, é uma revolução do bem.

Um ótimo exemplo, que demonstra como são realizáveis tais transformações, ocorreu no casamento do Príncipe Harry e Meghan Markle, que apresentou um enorme arco de flores, totalmente construído com uma base de madeira unida à pequenos vasos reutilizáveis com água.

Uma vez que estamos falando do casamento real considerado como mais importante do século, percebemos que além de necessário, é viável manter a beleza de um evento com materiais sustentáveis.

Resumidamente, substituir a espuma floral por alternativas sustentáveis é benéfico para o planeta e para a espécie, é possível e esteticamente, ainda melhor.

Porém, iniciar um diálogo que provoca impacto em um país que ainda está na contramão do mundo, sempre é desafiador.

De certa maneira, é gratificante pensar que as grandes mudanças no mundo, nunca foram construídas a partir de processos fáceis.

Atitudes positivas geram o bem para todos, é importante deixar de lado antigos métodos, modernizar sua empresa e entregar um serviço com maior qualidade.

Não é mais uma tendência, é uma obrigação. Somos um novo movimento.

* Levy Seiya Maeda é sócio fundador e diretor da Villa Mandacaru, empresa especializada na realização de casamentos sustentáveis.

* Ticiana Giovannetti é fundadora e decoradora na empresa Bohemian Village, empresa especializada em decoração sustentável de casamentos.

Fonte: Vervi Assessoria de Imprensa



Rio Grande do Sul: a reconstrução passa pela recuperação da vegetação nativa

A nova realidade criada pela tragédia exige igualmente novas respostas da gestão pública, incluindo um olhar prioritário para a questão ambiental.

Autor: Divulgação

Rio Grande do Sul: a reconstrução passa pela recuperação da vegetação nativa

Investir em saneamento traz retorno para a saúde

A aprovação do Novo Marco Legal do Saneamento, em julho de 2020, trouxe novas e importantes perspectivas para o avanço da infraestrutura do setor.

Autor: Elzio Mistrelo

Investir em saneamento traz retorno para a saúde

Descoberta de Luzia, um dos esqueletos mais antigos das Américas, completa 50 anos

Arqueólogos encontraram os primeiros ossos em 1974, na área do Monumento Estadual Lapa Vermelha, em Pedro Leopoldo

Autor: Divulgação

Descoberta de Luzia, um dos esqueletos mais antigos das Américas, completa 50 anos

Governo de Minas e Ibama reabilitam onça parda atropelada e a devolvem à natureza

Animal havia sido atingido em rodovia, próximo a Campos Altos, e foi submetido a cirurgia; espécie é a segunda maior espécie de felino das Américas e está ameaçada de extinção.

Autor: Divulgação

Governo de Minas e Ibama reabilitam onça parda atropelada e a devolvem à natureza

Qual produto é mais recomendado para manutenção de fossa séptica?

A manutenção ideal de uma fossa séptica é crucial para manter um sistema de saneamento confiável e saudável.

Autor: Divulgação


A revolução das soluções baseadas na natureza

De acordo com um estudo liderado pela UFRJ, 48 mil pessoas morreram por ondas de calor entre 2000 e 2018 no Brasil.

Autor: Danilo Roberti Alves de Almeida

A revolução das soluções baseadas na natureza

Municípios têm oportunidades com o saneamento

O saneamento básico galgou um novo patamar no interesse de investidores e especialistas.

Autor: Maurício Vizeu de Castro

Municípios têm oportunidades com o saneamento

As bactérias do bem que salvam as águas

Pode soar surpreendente, mas são os microrganismos os agentes mais capacitados para tratar da água de forma natural.

Autor: Monique Zorzim

As bactérias do bem que salvam as águas

Cuidar da água para não faltar

“O Brasil, que se ergueu à beira do mar e em volta dos rios, também escreveu histórias de sede, de muita sede”, já apontava Graciliano Ramos, em 1938, na sua obra “Vidas Secas”.

Autor: Luiz Pladevall

Cuidar da água para não faltar

Dia das Florestas: vale a pena derrubar árvores?

Era de amor a relação dos indígenas com a mata, principalmente antes da invasão portuguesa.

Autor: Víktor Waewell

Dia das Florestas: vale a pena derrubar árvores?

Shopping distribui adubo oriundo da compostagem dos resíduos orgânicos

O adubo é utilizado no paisagismo do próprio shopping, doado para os colaboradores e agora está indo para a casa dos frequentadores.

Autor: Divulgação

Shopping distribui adubo oriundo da compostagem dos resíduos orgânicos

Cada passo importa para um futuro sustentável

O ano de 2023 foi confirmado como o mais quente da história, de acordo com o observatório Copernicus Climate Change Service, da União Europeia.

Autor: Artur Grynbaum

Cada passo importa para um futuro sustentável