Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Não a espuma floral

Não a espuma floral

20/07/2020 Levy Seiya Maeda e Ticiana Giovannetti

É possível que você esteja na fase da organização do seu casamento e consequentemente, pensando em sua decoração.

No Brasil, a absoluta maioria dos cenários que levam flores em sua composição, abarcam também as espumas florais.

Resumidamente, são blocos de plástico comprimido, que têm por objetivo ser a base dos arranjos onde as hastes serão espetadas, oferecendo teoricamente mais controle e facilidade.

Hoje, com a cultura sustentável e maior preocupação com os impactos das nossas atividades no meio ambiente, a utilização da espuma floral é internacionalmente considerada irresponsável e inaceitável. Apesar de várias reformulações, o material ainda é tóxico e poluente.

Após o uso, quando a água dos vasos é despejada nas pias e/ou ralos, os microplásticos vão para os oceanos, onde diversos estudos apontam sua presença em grande escala, estima-se que até 2050, a quantidade de plástico nos oceanos será maior que a de peixes.

Além disso, é ingerido por esses animais marinhos que por sua vez, servem de alimento para os seres humanos, portanto, no final do ciclo você pode estar consumindo-o.

Nacionalmente, continua sendo a primeira opção de muitos decoradores. Podemos afirmar que a dificuldade em abandoná-la, deriva-se diretamente de uma agrura em libertar-se da zona de conforto.

É inegável que o material, proporciona praticidade: além de manter as flores no lugar e facilitar o transporte dos vasos, funciona como também como fonte de água. Porém, a grande questão é o preço que pagamos por essa comodidade.

Existem diversas técnicas para a substituição das espumas florais, entre elas, é possível utilizar diferentes materiais como arames, telas de galinheiro, musgos vivos e até abusar da criatividade, equilibrando a utilização entre flores de corte e plantadas, dando assim espaço para novos estilos e composições.

Vale lembrar que além dos benefícios ao meio ambiente, essa mudança também tem um efeito muito positivo para os arranjos em si, que ganharam desenhos mais orgânicos, soltos e leves. Ou seja, é uma revolução do bem.

Um ótimo exemplo, que demonstra como são realizáveis tais transformações, ocorreu no casamento do Príncipe Harry e Meghan Markle, que apresentou um enorme arco de flores, totalmente construído com uma base de madeira unida à pequenos vasos reutilizáveis com água.

Uma vez que estamos falando do casamento real considerado como mais importante do século, percebemos que além de necessário, é viável manter a beleza de um evento com materiais sustentáveis.

Resumidamente, substituir a espuma floral por alternativas sustentáveis é benéfico para o planeta e para a espécie, é possível e esteticamente, ainda melhor.

Porém, iniciar um diálogo que provoca impacto em um país que ainda está na contramão do mundo, sempre é desafiador.

De certa maneira, é gratificante pensar que as grandes mudanças no mundo, nunca foram construídas a partir de processos fáceis.

Atitudes positivas geram o bem para todos, é importante deixar de lado antigos métodos, modernizar sua empresa e entregar um serviço com maior qualidade.

Não é mais uma tendência, é uma obrigação. Somos um novo movimento.

* Levy Seiya Maeda é sócio fundador e diretor da Villa Mandacaru, empresa especializada na realização de casamentos sustentáveis.

* Ticiana Giovannetti é fundadora e decoradora na empresa Bohemian Village, empresa especializada em decoração sustentável de casamentos.

Fonte: Vervi Assessoria de Imprensa



Importância da COP 26 para o Brasil e o setor privado

A 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, a ser realizada em Glasgow, na Escócia, de 31 de outubro a 12 de novembro deste ano, terá dois focos prioritários.

Importância da COP 26 para o Brasil e o setor privado

Economia verde: como ter um negócio sustentável

Proteção ao meio ambiente, negócios de longa duração e compromisso social tornam as empresas verdes.

Economia verde: como ter um negócio sustentável

Net Zero: como aplicar estratégias de redução de carbono para a sua empresa?

Entre as possibilidades de compensação estão o investimento em restauração e plantio de florestas, projetos de geração de energia renovável, entre outras.

Net Zero: como aplicar estratégias de redução de carbono para a sua empresa?

Semana Lixo Zero quer incentivar práticas sustentáveis no país

Brasileiros descartam 79 milhões de toneladas de lixo sólido por ano.

Semana Lixo Zero quer incentivar práticas sustentáveis no país

Novo marco e as inovações no saneamento

Podemos esperar muito mais nos próximos anos.

Novo marco e as inovações no saneamento

Caixa ajudará a plantar 600 mil árvores em Minas Gerais e Tocantins

O Caixa Florestas prevê o plantio de 10 milhões de árvores nos próximos cinco anos.

Caixa ajudará a plantar 600 mil árvores em Minas Gerais e Tocantins

Manutenção hidráulica ajuda diminuir em até 30% o consumo de água

“Consumidor pode reduzir o desperdício de água”, orienta o presidente da Apecs.

Manutenção hidráulica ajuda diminuir em até 30% o consumo de água

Cidade do Rio de Janeiro passa a contar com sistema de coleta de lixo eletrônico

Capital fluminense é a 7ª cidade do país a ofertar serviço para a população.

Cidade do Rio de Janeiro passa a contar com sistema de coleta de lixo eletrônico

Florestas plantadas no Brasil somam 9,3 milhões de hectares em 2020

Áreas com cobertura de eucalipto representam 80,2% das florestas.

Florestas plantadas no Brasil somam 9,3 milhões de hectares em 2020

Programa Resgate+ terá ações de atendimento e assistência a animais silvestres

Iniciativa dará destinação adequada aos animais atendidos em operações de resgate e assistência.

Programa Resgate+ terá ações de atendimento e assistência a animais silvestres

Cinco fatos sobre radiação solar que você talvez não saiba

A radiação solar inclui radiação infravermelha e ultravioleta.

Cinco fatos sobre radiação solar que você talvez não saiba

O que são mesmo as cidades inteligentes? A Mantiqueira ensina

Vivemos um momento histórico de perplexidade e ruptura com os nossos padrões.

O que são mesmo as cidades inteligentes? A Mantiqueira ensina