Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Nova rota tecnológica permitirá a separação de materiais recicláveis de lâmpadas LED

Nova rota tecnológica permitirá a separação de materiais recicláveis de lâmpadas LED

21/02/2020 Divulgação

A tecnologia, que gerou um depósito de patente, tem potencial para possibilitar a reciclagem de cerca de duas toneladas de lâmpadas led ao mês.

Nova rota tecnológica permitirá a separação de materiais recicláveis de lâmpadas LED

Uma parceria entre o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e a Tramppo, empresa especializada na destinação ambientalmente correta de lâmpadas, teve como resultado a criação de uma nova rota tecnológica focada no processo de separação física dos componentes recicláveis das lâmpadas de LED. A tecnologia, desenvolvida a nível conceitual, é inovadora e rendeu o depósito de uma patente entre os parceiros.

O projeto surgiu da necessidade da Tramppo de encontrar uma forma de atender à nova demanda do mercado: as lâmpadas fluorescentes estão sendo, pouco a pouco, substituídas pelas de LED, e cada qual tem uma destinação diferente no meio ambiente. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Iluminação (Abilux), o Brasil importou 20 milhões de unidades de lâmpadas LED em 2014, atingindo, em 2017, 214 milhões de unidades. 

“Diferentemente das fluorescentes, compostas basicamente por vidro e mercúrio, as lâmpadas de LED são feitas com uma infinidade de materiais, que vão de plástico a metais, e em diferentes formatos”, explica Sandra Lúcia de Moraes, coordenadora do projeto. “No entanto, ambas são classificadas como resíduos de classe 1, perigosos, que não podem ser depositados em aterros por conta das substâncias tóxicas que liberam: o mercúrio no caso das fluorescentes, e o chumbo e os fenóis nas de LED”.

Os métodos de separação da empresa não eram adequados para o novo produto que passaram a receber. Além disso, era necessário entender a composição das lâmpadas, seu impacto ambiental e a quais mercados seus componentes poderiam atender para serem reciclados. Com esses objetivos no horizonte, o Instituto desenvolveu o projeto em três fases.

Na primeira etapa, profissionais do IPT foram em busca de equipamentos para a separação dos componentes de dois modelos de lâmpadas de LED: as tubulares e as de bulbo. Nessa fase, desenvolveram um projeto conceitual de um equipamento de separação, que foi o responsável pelo depósito de patente feito no final de 2019.

Na segunda fase, a Coordenadoria de Desenvolvimento e Negócios do IPT fez uma análise de viabilidade econômica simples, com o objetivo de levantar mercados para receber os componentes como matéria-prima e posterior reciclagem. Nessa simulação, a primeira estimativa mostrou que a média de valores praticada no Brasil teria um potencial de retorno de cerca de R$ 183,00 a cada 100 kg de resíduos gerados, e a destinação de rejeitos seria praticamente zero.

A terceira e última fase do projeto se focou em uma análise do ciclo de vida (ACV) das lâmpadas de LED e a comparação de seu impacto ambiental considerando dois cenários: a reciclagem e a incineração.
“A terceira fase foi apenas uma análise preliminar e considerou um cenário hipotético – afinal, não existe a incineração como opção no Brasil. A reciclagem se mostrou economicamente e ambientalmente viável, com mitigação de cerca de 86 % dos impactos ambientais. Como as lâmpadas não podem ser descartadas em aterros sanitários, o desenvolvimento dessa tecnologia é essencial”, aponta a pesquisadora.

O IPT e a Tramppo agora aguardam um segundo edital para continuar o projeto – nele, os parceiros pretendem criar um protótipo do equipamento e testá-lo em escala piloto e industrial, além de estudar com mais profundidade o cenário mercadológico e o impacto ambiental do produto.

Fonte: IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas



Comércio global de répteis é um viveiro de doenças

Proteção Animal Mundial faz estudo sobre o comércio de cobras pítons bola.

Comércio global de répteis é um viveiro de doenças

Isolamento social ajuda na recuperação ambiental

Animais silvestres em cidades, canais cristalinos e ar límpido; confira o impacto do isolamento social na natureza.

Isolamento social ajuda na recuperação ambiental

Saneamento 4.0, Inovação e Universalização

Saneamento 4.0, que nos permitirá sermos uma nação mais igualitária e digna.

Saneamento 4.0, Inovação e Universalização

Brasil perdeu 7,6% de suas florestas em 18 anos, diz IBGE

De 2000 a 2018, a área agrícola cresceu 44,8%.

Brasil perdeu 7,6% de suas florestas em 18 anos, diz IBGE

O impacto da industrialização no consumo de água para o Planeta Terra

Especialista em eficiência hídrica revela o gasto do recurso na produção de diversos itens do nosso cotidiano.


Economia e meio ambiente, qual a relação?

Nesta nova onda da industrialização, eles estão intimamente associados.


Conflitos pela água

As paisagens inóspitas do sertão nordestino representaram por décadas o flagelo de uma população obrigada a enfrentar uma aridez cortante.


Fevereiro não teve seca extrema pela primeira vez desde 2015

Nos estados da Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Piauí e Rio Grande do Norte houve diminuição da seca.

Fevereiro não teve seca extrema pela primeira vez desde 2015

O desafio mundial de proteger a Água

A água é fonte de vida e essencial para a sobrevivência das espécies, inclusive do homem.


Como diminuir sua pegada de carbono enquanto estuda

Veja as razões como o aprendizado on-line se encaixa em um estilo de vida mais sustentável.

Como diminuir sua pegada de carbono enquanto estuda

App SmartAcqua mostra produção e perdas de água em cada cidade do país

Agora qualquer pessoa pode ter acesso às informações referentes ao saneamento básico de sua cidade por meio do celular e do computador.

App SmartAcqua mostra produção e perdas de água em cada cidade do país

Atitudes que podem diminuir impacto das mudanças climáticas

Alteração do clima comprova a importância de cada um fazer a sua parte para reduzir emissões, mostra Feam.

Atitudes que podem diminuir impacto das mudanças climáticas