Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O Meio ambiente e a vida

O Meio ambiente e a vida

05/06/2020 Victor Correa

Caso tivéssemos dúvidas da intensidade de nossas relações globais, a pandemia nos provou que um vírus consegue, hoje, viajar o mundo inteiro em poucos meses.

Isso não significa apenas o reconhecimento do Antropoceno, mas também que para o estabelecimento dessa nova Era, ainda temos que buscar soluções que permitam problemas antigos ficarem no passado.

Esse fato nos ajuda a entender melhor o bem mais valioso que a Terra tem: a vida. Apenas nós, em todo o universo conhecido, temos acesso a ela.

E compreender isso é aceitar que toda vida deve ser valorizada e que existem refinadas e complexas combinações que permitem as mais belas formas que encontramos na natureza.

O grande dilema que a sociedade moderna enfrenta talvez seja o encontro do mundo natural, que sempre existiu e tem sido suprimido em detrimento do mundo digital, com realidades virtuais.

Não enxergar como essas questões estão diretamente relacionadas com a escassez de recursos naturais em determinados países, surgimento de epidemias, desigualdade social extrema, entre outras mazelas que já deveriam ter sido suprimidas, é cair no limbo do conhecimento. Isso cria vazios difíceis de serem preenchidos.

Talvez somente a fome e a sede sejam capazes de conscientizar aqueles que insistem em negar a relação das ações indiscriminadas em busca de desenvolvimento acelerado com a continuidade das mazelas do nosso tempo.

Mas não devemos ser pessimistas. O humano e sua resiliência são testados constantemente em sua história: em geral, aprendem com seus erros.

Mas talvez nessa nova Era, devêssemos não precisar ver cidades, população e natureza serem destruídos em segundos e impossibilitados de existirem por décadas, para entendermos que bombas atômicas podem destruir nossa existência.

Por outro lado, vemos algumas pessoas realizando o improvável: negando os problemas, como o próprio perigo de um vírus avassalador.

Aqueles que entraram na pandemia negando a intensidade do impacto do humano na natureza, e saem dela com o mesmo pensamento, carecem de racionalidade na compreensão das dinâmicas sociais.

No entanto, enquanto há vida, há esperança. Apesar de tudo, é possível plantar sementes do bem. Para isso, é possível dar os primeiros passos para hábitos sustentáveis, como forma de cada um buscar fazer sua parte.

Trata-se de uma rotina que você tem que incorporar no seu dia a dia. Está na maneira de pensar o que está consumindo e para o que está consumindo. É um processo que nos conecta à vida e ao nosso propósito enquanto humanos.

Mas cuidado, a desinformação tem feito seu papel em postergar as mudanças necessárias. Somente o conhecimento vai acelerar esse processo.

Em números de 2019, a sociedade brasileira produziu 265 mil toneladas dia de lixo. Caso ache que existe possibilidade da natureza absorver isso, só demonstra o quão desconectado você está com ela.

Então, não se trata de algo que deveríamos tratar como uma escolha ou se ainda não houvesse consenso sobre a importância de sermos sustentáveis. A natureza clama por ajuda. Faça sua parte.

* Victor Correa é geógrafo, cofundador do Grão Coworking e consultor de resíduos sólidos.

Fonte: Agência Drumond



Rio Grande do Sul: a reconstrução passa pela recuperação da vegetação nativa

A nova realidade criada pela tragédia exige igualmente novas respostas da gestão pública, incluindo um olhar prioritário para a questão ambiental.

Autor: Divulgação

Rio Grande do Sul: a reconstrução passa pela recuperação da vegetação nativa

Investir em saneamento traz retorno para a saúde

A aprovação do Novo Marco Legal do Saneamento, em julho de 2020, trouxe novas e importantes perspectivas para o avanço da infraestrutura do setor.

Autor: Elzio Mistrelo

Investir em saneamento traz retorno para a saúde

Descoberta de Luzia, um dos esqueletos mais antigos das Américas, completa 50 anos

Arqueólogos encontraram os primeiros ossos em 1974, na área do Monumento Estadual Lapa Vermelha, em Pedro Leopoldo

Autor: Divulgação

Descoberta de Luzia, um dos esqueletos mais antigos das Américas, completa 50 anos

Governo de Minas e Ibama reabilitam onça parda atropelada e a devolvem à natureza

Animal havia sido atingido em rodovia, próximo a Campos Altos, e foi submetido a cirurgia; espécie é a segunda maior espécie de felino das Américas e está ameaçada de extinção.

Autor: Divulgação

Governo de Minas e Ibama reabilitam onça parda atropelada e a devolvem à natureza

Qual produto é mais recomendado para manutenção de fossa séptica?

A manutenção ideal de uma fossa séptica é crucial para manter um sistema de saneamento confiável e saudável.

Autor: Divulgação


A revolução das soluções baseadas na natureza

De acordo com um estudo liderado pela UFRJ, 48 mil pessoas morreram por ondas de calor entre 2000 e 2018 no Brasil.

Autor: Danilo Roberti Alves de Almeida

A revolução das soluções baseadas na natureza

Municípios têm oportunidades com o saneamento

O saneamento básico galgou um novo patamar no interesse de investidores e especialistas.

Autor: Maurício Vizeu de Castro

Municípios têm oportunidades com o saneamento

As bactérias do bem que salvam as águas

Pode soar surpreendente, mas são os microrganismos os agentes mais capacitados para tratar da água de forma natural.

Autor: Monique Zorzim

As bactérias do bem que salvam as águas

Cuidar da água para não faltar

“O Brasil, que se ergueu à beira do mar e em volta dos rios, também escreveu histórias de sede, de muita sede”, já apontava Graciliano Ramos, em 1938, na sua obra “Vidas Secas”.

Autor: Luiz Pladevall

Cuidar da água para não faltar

Dia das Florestas: vale a pena derrubar árvores?

Era de amor a relação dos indígenas com a mata, principalmente antes da invasão portuguesa.

Autor: Víktor Waewell

Dia das Florestas: vale a pena derrubar árvores?

Shopping distribui adubo oriundo da compostagem dos resíduos orgânicos

O adubo é utilizado no paisagismo do próprio shopping, doado para os colaboradores e agora está indo para a casa dos frequentadores.

Autor: Divulgação

Shopping distribui adubo oriundo da compostagem dos resíduos orgânicos

Cada passo importa para um futuro sustentável

O ano de 2023 foi confirmado como o mais quente da história, de acordo com o observatório Copernicus Climate Change Service, da União Europeia.

Autor: Artur Grynbaum

Cada passo importa para um futuro sustentável