Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O poder de transformação do saneamento

O poder de transformação do saneamento

19/01/2021 Ricardo Mendes

Tudo indica que entramos na era do acerto de contas com a nossa dívida histórica com o saneamento.

O poder de transformação do saneamento

Os recentes leilões para concessão dos serviços de saneamento em Alagoas e no Espírito Santo demonstram que estamos no caminho certo para a universalização dos serviços de abastecimento de água e cobertura de 90% da rede de esgoto até 2033, conforme metas estabelecidas pelo Novo Marco Legal do Saneamento. Com a participação de pesos-pesados do setor, as vencedoras apresentaram propostas audaciosas e revelaram o apetite do mercado para um dos segmentos menos desenvolvidos na infraestrutura brasileira até o momento.

Em Maceió (AL), a proposta vencedora apresentou outorga de aproximadamente R$ 2 bilhões ante o valor mínimo da disputa de R$ 15,1 milhões. Na PPP de Cariacica (ES), os investimentos devem alcançar R$ 580 milhões em infraestrutura de saneamento básico ao longo dos 30 anos de contrato. A vencedora tem o compromisso de investir R$ 180 milhões nos primeiros cinco anos do projeto. Esses são apenas dois dos exemplos da movimentação do setor para os próximos anos. Até o fim de 2021, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Social) prevê mais sete leilões com potencial para injetar até R$ 165 bilhões na economia.

Tudo indica que entramos na era do acerto de contas com a nossa dívida histórica com o saneamento. Ainda vivenciamos um atraso de décadas que deixa mais de 35 milhões de brasileiros sem água potável e outros 100 milhões que vivem em moradias sem ligação a um sistema de coleta de esgoto. A incapacidade governamental de atender tantas e variadas demandas encontra no Novo Marco Legal um instrumento para substituir a letargia de anos pela eficiência, com planejamento e metas.

Além de contribuir substancialmente para a redução das desigualdades no Brasil, o avanço dos empreendimentos em saneamento vai ter peso significativo para a retomada do crescimento econômico. Nos próximos 13 anos, o Plansab (Plano Nacional de Saneamento Básico) prevê investimentos na ordem de R$ 750 bilhões segundo estudo da Abcon (Associação Brasileira das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto). Do total, a previsão é de R$ 498 bilhões apenas para a ampliação das redes nos municípios brasileiros.

O potencial econômico do avanço do saneamento traz reflexos diretos na construção civil e na indústria de equipamentos, mas as demandas devem alcançar outros setores como os de brita, pedras e aço. O estudo aponta ainda que para cada 1 real investido em saneamento para extensão de redes, aproximadamente 76 centavos movimentarão a construção civil e 6 centavos o setor de máquinas e equipamentos.

Os impactos econômicos causados pela pandemia do novo coronavírus podem ser reduzidos com o avanço das obras em saneamento básico de Norte a Sul do país. O setor pode criar 14 milhões de empregos ao longo dos próximos anos, trazer inovação tecnológica significativa para as companhias brasileiras e torná-las ainda mais competitivas no mercado internacional. No total, o setor de saneamento deve movimentar indiretamente R$ 1,4 trilhão na economia.

Nas regiões metropolitanas, os projetos para a redução de perdas hídricas devem ganhar impulso nos próximos anos, promovendo maior dinamismo econômico. As cidades brasileiras têm 38,45% de média de perdas, o que representa um grande desperdício de água captada, tratada e potável. Estamos deixando o dinheiro escorrer nos vazamentos.

O avanço do saneamento é um dos principais pilares para deixarmos de ser uma sociedade em desenvolvimento e nos tornarmos uma nação que oferece amplas oportunidades e igualdade para os seus cidadãos. Com o Novo Marco Legal, vamos finalmente conseguir tirar do papel os projetos que realmente farão uma grande transformação no Brasil.

* Ricardo Lazzari Mendes, é presidente da Apecs (Associação Paulista de Empresas de Consultoria e Serviços em Saneamento e Meio Ambiente), engenheiro pela Escola de Engenharia de São Carlos da USP e doutor em engenharia hidráulica e sanitária pela Escola Politécnica da USP.

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada




Mais de 25 mil espécies da flora só existem no Brasil, mostra estudo

Dados são de pesquisa coordenada pelo Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Mais de 25 mil espécies da flora só existem no Brasil, mostra estudo

Estados Unidos voltam formalmente ao Acordo de Paris sobre o clima

Após exatos 107 dias, os Estados Unidos estão de volta ao Acordo de Paris sobre o clima.

Estados Unidos voltam formalmente ao Acordo de Paris sobre o clima

Poluição por combustíveis fósseis é responsável por 1 em cada 5 mortes no mundo

Sudeste do Brasil destaca-se entre as regiões mais afetadas, mostra estudo.

Poluição por combustíveis fósseis é responsável por 1 em cada 5 mortes no mundo

Pesquisa internacional de mercado pretende plantar até 10 mil árvores na Amazônia

Com objetivo de compreender novos hábitos e preferências de pacientes odontológicos, ação vai acontecer em 13 países e auxiliar no reflorestamento.

Pesquisa internacional de mercado pretende plantar até 10 mil árvores na Amazônia

Índice de reciclagem de plástico no país cresceu 8,5% em 2019

Em 2019 foram produzidas 838 mil toneladas de plásticos reciclados.

Índice de reciclagem de plástico no país cresceu 8,5% em 2019

14º Seminário Nacional de Resíduos Sólidos, evento online da ABES

O evento tem como objetivo discutir os dez anos da Política Nacional de Resíduos Sólidos, seus avanços, retrocessos e desafios. As inscrições estão abertas.


Serra da Piedade vira Reserva de Patrimônio Natural

IEF comemora criação de Reservas de Patrimônio Natural na Serra da Piedade, em Caeté.

Serra da Piedade vira Reserva de Patrimônio Natural

Desestatização de visitações de parques tem adesão de seis estados

Programa do BNDES estimula a desestatização dos parques.

Desestatização de visitações de parques tem adesão de seis estados

Projeto de agrofloresta é implantado em Brumadinho

Iniciativa recuperou área degradada e fortaleceu a sustentabilidade socioeconômica e ambiental.

Projeto de agrofloresta é implantado em Brumadinho

Por que o plástico não precisa ser o vilão do meio ambiente?

O plástico tem sido tema central de amplos debates públicos, especialmente em relação a seus riscos ambientais.

Por que o plástico não precisa ser o vilão do meio ambiente?

Massa dos objetos construídos pelo homem supera a dos seres vivos na Terra

Estudo publicado na Revista Nature aponta que a cada 20 anos, a massa antropogênica – produzida pelo ser humano – dobra.

Massa dos objetos construídos pelo homem supera a dos seres vivos na Terra

ONG planta 265 milhões de árvores no Brasil

Foram recuperadas áreas na Amazônia, Cerrado e Mata Atlântica, por meio da campanha Restaura Brasil.

ONG planta 265 milhões de árvores no Brasil