Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Solidariedade e sustentabilidade como diferenciais competitivos

Solidariedade e sustentabilidade como diferenciais competitivos

22/12/2020 David Braga

“O que se leva da vida é a vida que se leva.”

Solidariedade e sustentabilidade como diferenciais competitivos

A frase do pensador Antoine de Saint-Exupéry, autor do clássico “O Pequeno Príncipe”, parece ter ganhado relevância maior no cenário atual. No mundo corporativo, empresas e profissionais procuram, cada vez mais, deixar uma marca diferenciada, construir um legado e poder fazer algo além das suas atividades rotineiras, que possa contribuir para um mundo melhor. E, neste ano, em função da pandemia da Covid-19, ficou mais que visível, fora e dentro das organizações, o quanto o espírito colaborativo e de ajuda ao próximo é essencial. Nesse aspecto, a solidariedade ganha destaque, especialmente porque as pessoas vivem em sociedade e dependem sempre umas das outras.

Sendo assim, é importante observar, em primeiro lugar, que estamos falando de um valor humano universal, presente em todas as culturas. Inclusive, a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu, na Assembleia Geral de 2005, o Dia Internacional da Solidariedade Humana, comemorado dezembro. A celebração tem como objetivo destacar a importância da ação coletiva para superar os problemas globais e alcançar as metas mundiais de desenvolvimento, de forma a construir um mundo melhor e mais seguro para todos.

Boa parte das empresas já tem aprimorado essa percepção e incorporado o tema à cultura organizacional. Afinal, se discutimos tanto sobre legado, ser solidário é também pensar nesse viés, uma vez que é importante se sensibilizar com a dor do outro e estender a mão para ajudá-lo de alguma maneira. Ou seja, é ser empático e ter escuta ativa, duas competências e habilidades (soft skills) cada vez mais exigidas, do estagiário ao presidente, dentro das corporações, assim como o espírito colaborativo e cocriativo. Além disso, praticando a solidariedade, todos os envolvidos se apropriam de situações positivas. Quer dizer que quem recebe o apoio é beneficiado, da mesma forma que quem oferece também tem muito a ganhar ao promover o bem-estar do próximo.

Com esse entendimento e após todos os graves impactos provocados pela pandemia à população desde os primeiros meses de 2020, o Terceiro Setor está em ascensão. As companhias perceberam as muitas necessidades da sociedade a partir daquele momento e a importância da colaboração de todos: poder público, iniciativa privada e pessoas físicas para superar a crise. Em todas as esferas, uma nova consciência surgiu. E as pessoas se engajaram em todo tipo de doações, não apenas pela causa, que é de todas as camadas sociais, mas também para ter a consciência tranquila de participar da construção de algo positivo para a sociedade.

Além disso, é importante lembrar que, em termos de carreira, atuar no Terceiro Setor agrega credibilidade ao currículo do profissional, que se mostra socialmente responsável. Quando a solidariedade está presente no dia a dia do indivíduo, a forma como ele enxerga a vida costuma ser diferente. Isso porque entende que tudo e todos estão conectados e cada qual tem uma missão e um propósito no mundo. Ninguém avança sozinho. Ao contrário, sempre precisamos uns dos outros mutuamente.

Dessa forma, independentemente do nível hierárquico ocupado na empresa, o colaborador pode promover ações solidárias genuínas, seja destinando seu tempo livre para apoiar pessoas, seja fornecendo suporte financeiro ou mesmo empreendendo seus conhecimentos técnicos para auxiliar organizações não governamentais (ONGs), por exemplo. De qualquer modo, uma coisa é certa: as empresas estão em constante busca por profissionais sustentáveis, o que vai muito além de tratar apenas do meio ambiente.

Por sua vez, as companhias têm a grande oportunidade de transformar essa corrente de generosidade inédita em algo permanente. Aquelas que não avançarem ainda mais na sustentabilidade – o que significa respeitar os aspectos socioambientais, a diversidade e agora também se mostrarem adeptas da solidariedade – serão cobradas e, dificilmente sobreviverão. Vale lembrar que os resultados de uma instituição não estão mais focados somente nos indicadores financeiros. Buscar a evolução da organização, das pessoas e da sociedade é uma das principais características da liderança sustentável.

* David Braga é CEO, board advisor e headhunter da Prime Talent, empresa de busca e seleção de executivos de média e alta gestão, que atua em todos os setores da economia na América Latina, com escritórios em São Paulo e Belo Horizonte.

Fonte: Link Comunicação Empresarial



Rio Grande do Sul: a reconstrução passa pela recuperação da vegetação nativa

A nova realidade criada pela tragédia exige igualmente novas respostas da gestão pública, incluindo um olhar prioritário para a questão ambiental.

Autor: Divulgação

Rio Grande do Sul: a reconstrução passa pela recuperação da vegetação nativa

Investir em saneamento traz retorno para a saúde

A aprovação do Novo Marco Legal do Saneamento, em julho de 2020, trouxe novas e importantes perspectivas para o avanço da infraestrutura do setor.

Autor: Elzio Mistrelo

Investir em saneamento traz retorno para a saúde

Descoberta de Luzia, um dos esqueletos mais antigos das Américas, completa 50 anos

Arqueólogos encontraram os primeiros ossos em 1974, na área do Monumento Estadual Lapa Vermelha, em Pedro Leopoldo

Autor: Divulgação

Descoberta de Luzia, um dos esqueletos mais antigos das Américas, completa 50 anos

Governo de Minas e Ibama reabilitam onça parda atropelada e a devolvem à natureza

Animal havia sido atingido em rodovia, próximo a Campos Altos, e foi submetido a cirurgia; espécie é a segunda maior espécie de felino das Américas e está ameaçada de extinção.

Autor: Divulgação

Governo de Minas e Ibama reabilitam onça parda atropelada e a devolvem à natureza

Qual produto é mais recomendado para manutenção de fossa séptica?

A manutenção ideal de uma fossa séptica é crucial para manter um sistema de saneamento confiável e saudável.

Autor: Divulgação


A revolução das soluções baseadas na natureza

De acordo com um estudo liderado pela UFRJ, 48 mil pessoas morreram por ondas de calor entre 2000 e 2018 no Brasil.

Autor: Danilo Roberti Alves de Almeida

A revolução das soluções baseadas na natureza

Municípios têm oportunidades com o saneamento

O saneamento básico galgou um novo patamar no interesse de investidores e especialistas.

Autor: Maurício Vizeu de Castro

Municípios têm oportunidades com o saneamento

As bactérias do bem que salvam as águas

Pode soar surpreendente, mas são os microrganismos os agentes mais capacitados para tratar da água de forma natural.

Autor: Monique Zorzim

As bactérias do bem que salvam as águas

Cuidar da água para não faltar

“O Brasil, que se ergueu à beira do mar e em volta dos rios, também escreveu histórias de sede, de muita sede”, já apontava Graciliano Ramos, em 1938, na sua obra “Vidas Secas”.

Autor: Luiz Pladevall

Cuidar da água para não faltar

Dia das Florestas: vale a pena derrubar árvores?

Era de amor a relação dos indígenas com a mata, principalmente antes da invasão portuguesa.

Autor: Víktor Waewell

Dia das Florestas: vale a pena derrubar árvores?

Shopping distribui adubo oriundo da compostagem dos resíduos orgânicos

O adubo é utilizado no paisagismo do próprio shopping, doado para os colaboradores e agora está indo para a casa dos frequentadores.

Autor: Divulgação

Shopping distribui adubo oriundo da compostagem dos resíduos orgânicos

Cada passo importa para um futuro sustentável

O ano de 2023 foi confirmado como o mais quente da história, de acordo com o observatório Copernicus Climate Change Service, da União Europeia.

Autor: Artur Grynbaum

Cada passo importa para um futuro sustentável