Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Talentos se revoltam contra as ferramentas de recrutamento

Talentos se revoltam contra as ferramentas de recrutamento

08/08/2023 Fabio Ivatiuk

Conforme a economia se recupera, mais postos de trabalho são gerados e, consequentemente, a competitividade por eles também aumenta.

Talentos se revoltam contra as ferramentas de recrutamento

A taxa de desocupação no Brasil vem caindo gradativamente, ainda que de maneira não regular, há praticamente dois anos, segundo a série histórica do indicador, calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com o órgão, são 9,4 milhões de desempregados atualmente no País.

E quem acessa, por exemplo, o LinkedIn, a maior rede social corporativa do planeta, percebe esse movimento na geração de empregos. Diariamente, diversas vagas são abertas, inclusive em empresas que, do ano passado para cá, realizaram demissões em massa. Mas conforme a economia se recupera, mais postos de trabalho são gerados e, consequentemente, a competitividade por eles também aumenta. Um velho debate surge à tona: por que tão poucos candidatos recebem uma resposta durante os processos seletivos? 

É evidente que as ferramentas atuais de recrutamento e seleção, que muitas vezes usam tecnologias como inteligência artificial para fazer a triagem de currículos e a análise comportamental dos candidatos, tem um papel fundamental de desafogar os profissionais de RH, visto que é humanamente impossível filtrar mil, dois mil, três mil currículos para uma única vaga, como comumente acontece. 

Uma pesquisa de 2022 da Greenhouse, empresa especializada em recrutamento, entrevistou 1,5 mil funcionários e candidatos do mundo todo e descobriu que, embora 84% deles estivessem abertos a mudar de emprego nos próximos seis meses, 60% queria que as empresas realizassem processos seletivos mais modernos e menos demorados. Em outras palavras, a forma como se recruta hoje em dia é boa para a empresa, mas não tanto para os candidatos. E esses talentos agora estão se revoltando, reivindicando modelos mais humanizados e justos.

No próprio Linkedin, por exemplo, pipocam posts de candidatos reclamando de que não receberam retornos e questionando os critérios de seleção feito por ferramentas. Há até mesmo casos extremos, de pessoas que dedicam horas de sua vida para realizar diversos testes em processos com inúmeras etapas para, no final das contas, ficar sem uma resposta. 

Na pesquisa da Greenhouse, aliás, mais de 60% das pessoas afirmaram que receber um retorno do empregador em processos seletivos, ainda que com uma resposta negativa, faria com elas ficassem mais inclinadas a se candidatar para outras posições no futuro na mesma empresa.

O motivo de elas não receberem essa resposta está em outro estudo, da Catho, segundo o qual 30% dos recrutadores demoram, em média, de 6 a 10 segundos para descartar um currículo, e 27% em mais de um minuto. Mais do que isso, de cerca de 100 candidaturas, apenas 15 são analisadas com critério e cautela.O que as organizações precisam entender, sobretudo com as novas gerações, que são mais exigentes com seus empregadores, é que a tecnologia não pode beneficiar apenas um lado da relação e, muito menos, ser usada para substituir a humanização dos processos seletivos, que muitas vezes são desnecessariamente extensos e sem efetividade nos questionamentos, desencadeando um ciclo de desânimo e falta de esperança entre os candidatos. 

O caminho é priorizar tecnologias centradas em pessoas, que foquem em informações-chave dos currículos e usem recursos como gamificação para engajar o funcionário antes mesmo de ele entrar na organização. E ainda que o candidato não seja contratado, o processo seletivo tem de ser visto como uma das principais vitrines que as empresas têm  para desenvolver sua marca empregadora. Por isso, não dar retorno, implementar processos demasiadamente longos e se preocupar apenas com o RH (e não com a pessoa candidata) são coisas do passado.

A boa notícia é que já há RHs preocupados em mudar essa realidade, tanto em startups quanto em negócios de grande porte. As empresas precisam usar suas estruturas para dar esperança às pessoas que estão à procura de oportunidades ou que passaram por layoffs.

* Fabio Ivatiuk, CEO e cofundador da Rhevolut, fala sobre o uso de tecnologia para recrutamento.

Para mais informações sobre recrutamento clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Mention



Divino Fogão abre mais de 600 postos de trabalho em todo o Brasil

Vagas são para diferentes cargos, desde gerente a ajudante de cozinha.

Autor: Divulgação


Faltam profissionais no mercado

As manchetes avisam que faltam profissionais no mercado. Então, por que a taxa de desemprego aumenta? Porque sobram amadores.

Autor: Cesar Eduardo da Silva

Faltam profissionais no mercado

Descubra a melhor maneira de dizer “não” ao chefe

Muitos profissionais já se viram diante do dilema de discordar ou recusar uma solicitação do chefe, uma situação que pode ser delicada e desafiadora.

Autor: Hosana Azevedo


Funed abre 51 vagas de emprego temporárias

Inscrições já podem ser feitas exclusivamente pela internet.

Autor: Divulgação


A paridade de gênero no mercado de trabalho

Embora o estudo revele uma recuperação para os níveis pré-COVID-19, o ritmo da mudança estagnou.

Autor: Marina Vaz

A paridade de gênero no mercado de trabalho

Como gerenciar múltiplas gerações no ambiente de trabalho?

Especialista aponta como minimizar conflitos em equipes multigeracionais.

Autor: Divulgação


Procura por vagas de Jovem Aprendiz cresce 65% em janeiro

As profissões de auxiliar administrativo e recepcionista também estão entre as mais buscadas pelos candidatos no início do ano.

Autor: Divulgação


O que as empresas procuram: 5 habilidades essenciais

Com o início do novo ano, é natural que os colaboradores reflitam sobre o que o mercado de trabalho espera no próximo ano.

Autor: Divulgação


Você sabe o que é empregabilidade e como obtê-la?

Especialista comenta por que a "employability" é tão importante na hora de conquistar uma nova posição.

Autor: Divulgação

Você sabe o que é empregabilidade e como obtê-la?

A semana de quatro dias e os impactos para empregadores e empregados

Jornada de trabalho reduzida é um modelo que tem despertado interesse e discussões no âmbito jurídico.

Autor: José D’Almeida Garrett Netto


Vagas de estágio são aliadas no início da carreira

Escolher a área de atuação ideal abrange um conjunto de fatores, como a identificação com as tarefas e as perspectivas de crescimento.

Autor: Divulgação


Qualidade de vida e bem-estar no trabalho muito além da exigência legal

A busca pela excelência nas organizações vai além do desempenho financeiro.

Autor: Raquel Roth

Qualidade de vida e bem-estar no trabalho muito além da exigência legal