Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A borboleta e o negacionista

A borboleta e o negacionista

25/06/2021 Cesar Augusto de Carvalho

Para os aficionados da literatura fantástica é fácil perceber o quanto nossa realidade está repleta de personagens saídos diretamente dela.

Jamais imaginaria isso possível! O negacionista é um desses absurdos. Outro dia cruzei com um, no corredor da padaria, saindo sem máscaras, reclamando da gerência que não o deixou entrar e me espremeu contra o corrimão.

Protestei contra a falta de máscara e a coisa virou bate-boca. Ele alegou o direito de fazer o que bem entendesse. Esperei-o terminar de falar, mas não quis me ouvir.

Calou-me cantando trecho da música de Raul Seixas, “faz o que tu queres pois é tudo da lei” e saiu gritando que a pandemia é coisa da mídia.

Fiquei impressionado! Como uma crença, um conjunto de símbolos que só existe na cabeça da pessoa, pode influenciá-la a tal ponto de colocar, não só sua vida, mas também a vida de inúmeras outras pessoas em perigo?

A ação social de cada um de nós é como o bater das asas da borboleta, não vemos o que ela produz, exceto o fato que produz.

No caso da borboleta, ela voa, no caso do negacionista, ele mata! Cabe a este, feito carapuça, a metáfora do Efeito Borboleta, cujo bater de asas no Brasil provoca tornados no Texas.

O do negacionista expande as tragédias. Deixando as metáforas de lado – afinal elas esclarecem apenas o resultado, não as causas – pensemos o que pode estar por trás das ações do negacionista.

Ao recusar-se a usar a máscara, alegando o direito de fazer o que bem entende, ele comete alguns equívocos que podem colocá-lo na condição de criminoso por desrespeitar a Constituição.

O primeiro é não respeitar a vida alheia. No caso de nosso negacionista, a consequência imediata do seu “direito” de usar ou não a máscara é aumentar a circulação do vírus e intensificar suas consequências já drásticas.

Atitude tão criminosa quanto a de ocupantes de cargo público que adotam a mesma posição. Não é demais lembrar que a Constituição garante o direito à vida e coloca o Estado como corresponsável pela sua manutenção.

A história registra inúmeros casos de políticos que adotaram o negacionismo como princípio administrativo da saúde pública.

Caso notório é o do presidente sul-africano, Tabo Mbeki que, entre 1999 e 2008, negando a gravidade do surto da AIDS, produziu um país com a maior taxa de infectados do mundo, 20%.

Do ponto de vista político, nosso negacionista se revela um ignorante dos princípios básicos da democracia, a liberdade individual que termina onde começa a do outro.

Então, você pode sim, fazer tudo o que quiser, pois, está dentro da lei. Fora dela, é crime. E contaminar o outro, ou colocá-lo em perigo, seja qual for, é violar o princípio básico da cidadania.

Como se vê, o negacionista é uma borboleta. Seu bater de asas amplia a circulação do vírus e macula o relacionamento democrático. Precisamos amputar-lhe as asas.

* Cesar Augusto de Carvalho é escritor, doutor em História e professor de Sociologia aposentado pela Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Para mais informações sobre negacionismo clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: LC Agência de Comunicação



Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador. Mas num futuro breve esse conhecimento será apenas parte dos requisitos.


Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.