Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A borboleta e o negacionista

A borboleta e o negacionista

25/06/2021 Cesar Augusto de Carvalho

Para os aficionados da literatura fantástica é fácil perceber o quanto nossa realidade está repleta de personagens saídos diretamente dela.

Jamais imaginaria isso possível! O negacionista é um desses absurdos. Outro dia cruzei com um, no corredor da padaria, saindo sem máscaras, reclamando da gerência que não o deixou entrar e me espremeu contra o corrimão.

Protestei contra a falta de máscara e a coisa virou bate-boca. Ele alegou o direito de fazer o que bem entendesse. Esperei-o terminar de falar, mas não quis me ouvir.

Calou-me cantando trecho da música de Raul Seixas, “faz o que tu queres pois é tudo da lei” e saiu gritando que a pandemia é coisa da mídia.

Fiquei impressionado! Como uma crença, um conjunto de símbolos que só existe na cabeça da pessoa, pode influenciá-la a tal ponto de colocar, não só sua vida, mas também a vida de inúmeras outras pessoas em perigo?

A ação social de cada um de nós é como o bater das asas da borboleta, não vemos o que ela produz, exceto o fato que produz.

No caso da borboleta, ela voa, no caso do negacionista, ele mata! Cabe a este, feito carapuça, a metáfora do Efeito Borboleta, cujo bater de asas no Brasil provoca tornados no Texas.

O do negacionista expande as tragédias. Deixando as metáforas de lado – afinal elas esclarecem apenas o resultado, não as causas – pensemos o que pode estar por trás das ações do negacionista.

Ao recusar-se a usar a máscara, alegando o direito de fazer o que bem entende, ele comete alguns equívocos que podem colocá-lo na condição de criminoso por desrespeitar a Constituição.

O primeiro é não respeitar a vida alheia. No caso de nosso negacionista, a consequência imediata do seu “direito” de usar ou não a máscara é aumentar a circulação do vírus e intensificar suas consequências já drásticas.

Atitude tão criminosa quanto a de ocupantes de cargo público que adotam a mesma posição. Não é demais lembrar que a Constituição garante o direito à vida e coloca o Estado como corresponsável pela sua manutenção.

A história registra inúmeros casos de políticos que adotaram o negacionismo como princípio administrativo da saúde pública.

Caso notório é o do presidente sul-africano, Tabo Mbeki que, entre 1999 e 2008, negando a gravidade do surto da AIDS, produziu um país com a maior taxa de infectados do mundo, 20%.

Do ponto de vista político, nosso negacionista se revela um ignorante dos princípios básicos da democracia, a liberdade individual que termina onde começa a do outro.

Então, você pode sim, fazer tudo o que quiser, pois, está dentro da lei. Fora dela, é crime. E contaminar o outro, ou colocá-lo em perigo, seja qual for, é violar o princípio básico da cidadania.

Como se vê, o negacionista é uma borboleta. Seu bater de asas amplia a circulação do vírus e macula o relacionamento democrático. Precisamos amputar-lhe as asas.

* Cesar Augusto de Carvalho é escritor, doutor em História e professor de Sociologia aposentado pela Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Para mais informações sobre negacionismo clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: LC Agência de Comunicação



Gentileza na política é possível?

Promover a gentileza na política é um desafio, até porque Maquiavel entendia que tal virtude não cabe nas discussões políticas.

Autor: Domingos Sávio Telles


Biden, Haley e Trump: as prévias das eleições nos EUA

Os estadunidenses vão às urnas neste ano para eleger – ou reeleger – aquele que comandará a nação mais poderosa do planeta pelos próximos quatro anos.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Trabalhadores de aplicativos: necessidades e vulnerabilidades diferentes

A tecnologia é uma realidade cotidiana irreversível. As plataformas, potencializadas pelos reflexos da pandemia da Covid-19, estão inseridas nas principais atividades da vida humana.

Autor: Ricardo Pereira de Freitas Guimarães


O que é direita? O que é esquerda?

O Brasil sofreu uma enorme polarização política nos últimos anos; mas afinal, o que é esquerda ou direita na política?

Autor: Leonardo de Moraes


Reparação mecânica e as tendências para 2024

No agitado mundo automotivo, as tendências e expectativas para 2024 prometem transformar o mercado de reparação de veículos.

Autor: Paulo Miranda


Política não evoluiu no período pós-redemocratização

O que preocupa é a impressão de que no Brasil não mais existem pessoas dedicadas, honestas e com boas intenções dispostas a entrar na política.

Autor: Luiz Carlos Borges da Silveira


Manifestação da paulista: exemplo de civilidade e democracia

Vivenciamos no último domingo, 25/02/2024, um dos maiores espetáculos da democracia.

Autor: Bady Curi Neto


Rio 459 anos: batalhas deram origem à capital carioca

Diversas lutas e conquistas deram origem à capital carioca. Começo pelo dia em que Estácio de Sá venceu uma grande batalha contra os nativos que viviam no território da atual cidade do Rio de Janeiro.

Autor: Víktor Waewell


Números da economia no governo Lula

Déficit de 231 bilhões de reais: um furo extraordinário.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


Lá vai Maria

Lata d’água na cabeça Lá vai Maria Lá vai Maria

Autor: Osvaldo Luiz Silva


O combate ao etarismo em favor da dignidade da pessoa idosa

É fundamental compreender que o envelhecimento é um processo natural e que todos nós, se tivermos a sorte de viver tempo suficiente, nos tornaremos idosos.

Autor: André Naves


Qual é o futuro do ser humano?

No planeta Terra a vida tem sido, em grande parte, moldada por materialistas que examinam a situação, planejam, estabelecem os objetivos e os põem em execução.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra