Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A dor e a crise dos opioides nos EUA

A dor e a crise dos opioides nos EUA

16/07/2023 Fernando Rizzolo

Desde que a humanidade existe, o homem sofre com o efeito colateral de viver num corpo no qual as mais variadas reações se dão por conta de diversas doenças, muitas delas incuráveis.

Como efeito de sucessivas guerras mundiais e do avanço das drogas anestésicas com a finalidade de realizar cirurgias, a indústria farmacêutica mundial, juntamente com pesquisadores, desenvolveu drogas eficazes no combate à dor que, de forma paralela, acompanha também tratamentos oncológicos e que têm por finalidade amenizar o sofrimento da humanidade.

O grande problema, principalmente nos EUA, é que ironicamente essa busca para evitar a dor trouxe um enorme sofrimento para aquele país, uma vez que as mortes por overdose dessas drogas chamadas opioides (potentes analgésicos, geralmente mais potentes que a morfina) quintuplicaram nas últimas duas décadas.

Mas qual seria a razão para os médicos americanos se associarem a uma das mais altas taxas de prescrições de opioides?

Sabe-se que, no final da década de 1990, a Veterans Health Administration, que administra assistência médica aos veteranos militares, pressionou para que a dor fosse reconhecida como o “quinto sinal vital”.

Isso deu à dor o mesmo status da pressão arterial, frequência respiratória e temperatura. Isso passava a ideia clínica de que a dor estava sendo “subtratada”, ideia essa difundida também pelo “núcleo da agenda de marketing das empresas farmacêuticas”.

No Brasil também não é diferente. Muito embora as prescrições sejam feitas com maior parcimônia, existe o uso recreativo dessas drogas ou casos de pacientes que vivem na condição de dependentes, que procuram com frequência unidades de pronto atendimento queixando-se de fortes dores para terem acesso aos opiáceos.

Para piorar a situação, no Brasil, já se tem notícia de apreensões de lotes irregulares de Fentanil, um opioide 50 vezes mais potente que a heroína e cem vezes mais intenso que a morfina.

O Hospital das Clínicas de São Paulo acabou de inaugurar o primeiro ambulatório do país destinado ao tratamento de dependentes de opioides.

A proposta é que o local receba tanto pacientes que se tornaram dependentes após tratamentos prescritos por médicos quanto aqueles que fazem uso recreativo dessas substâncias, pois esse já é um problema de Saúde Pública, fruto de dois aspectos, um mais nobre, que é o combate ao sofrimento causado pela dor, e outro que consiste no uso recreativo por jovens induzidos pelo narcotráfico e que são vítimas da abstinência.

A dor física avilta a vontade de viver e a qualidade de vida, e o vício alimenta o vazio da alma, que, na sede de procurar abrigo, se socorre no tráfico.

Ambas as situações dolorosas merecem respeito, e a iniciativa do HC vem para dar apoio a esse grave problema mundial.

* Fernando Rizzolo é Advogado, Médico, membro efetivo da Comissão de Direitos Humanos da OABSP.

Para mais informações sobre opioides clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Agência Viva



Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan


Roubos de credenciais desviam 15 milhões da União

Nos últimos dias, a imprensa noticiou o desvio de valores do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), do Ministério da Fazenda.

Autor: Diego Muniz


Escola cívico-militar, civismo e organização…

São Paulo teve o desprazer de assistir um grupo de jovens que se dizem secundaristas invadir o plenário da Assembleia Legislativa e parar a sessão com o propósito de impedir a votação do projeto, de autoria do governador, que institui a escola cívico-militar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves