Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A medicina é para os humanos

A medicina é para os humanos

24/04/2024 Felipe Villaça

O grande médico e pintor português Abel Salazar, que viveu entre 1889 e 1946, dizia que “o médico que só sabe de medicina, nem de medicina sabe”.

Sua afirmação quase centenária mostra-se cada vez mais sólida e, arrisco dizer, mais apropriada para os tempos atuais do que para o contexto em que resolveu pronunciá-la pela primeira vez.

Diferentemente do que existia naquele tempo, a medicina atual está bastante avançada, ainda que necessite seguir em permanente evolução.

Isso torna a atenção médica mais focada na realização de procedimentos que inequivocadamente aumentarão as chances de cura dos pacientes.

Mas ainda falta algo, uma sustância que não aparece nas práticas científicas e que não são exigidas nas escolas de medicina. Falta amor.

Não me refiro ao amor fruto de um discurso piegas, romantizado. Tampouco motivada por uma falsa elegância ou marketing pessoal.

Mas a verdade é que a ciência alcançou um ponto em que sobra medicina, mas que ainda carece de humanismo.

As relações instantâneas e digitalizadas do mundo globalizado não entram em cena quando se está com uma seringa à mão, apontando para o braço de uma criança aos prantos ou para a pele fina de um idoso.

À frente do profissional encontra-se um ser humano que deposita confiança, respeito e esperança no seu trabalho, mas que não abre mão da sua sensibilidade.

Por isso, de pouco serve o alto pedestal de um médico, qualquer que seja sua especialidade, quando não se solidariza com as lutas e as dores de um paciente.

A medicina é para os humanos, e, reiterando as palavras de Abel Salazar, o médico que não consegue compreender isso hoje sequer está preparado para exercer sua função.

Ainda que tenha um currículo recheado de mestrados, doutorados e PhDs em Harvard, Oxford, Cambridge ou em Melbourne.

Não se trata, portanto, de titulação, mas de uma boa dose de empatia. Por mais desafiador que seja, o médico contemporâneo precisa dominar e aplicar habilidades inatas como comunicação, compaixão e respeito.

E esses valores devem coexistir à técnica, ao conhecimento médico. O foco não é sobre a doença nem sobre seu tratamento, mas sobre o bem-estar do indivíduo que está diante dele.

A partir desse olhar, que é assustadoramente recente, é que o profissional se imbui de valores que vão para muito além da formação.

Essa concepção sobre a medicina não ocorre de maneira aleatória. É, na verdade, o reconhecimento da importância da relação médico-paciente e de seus efeitos no alcance de resultados clínicos.

Criar laços positivos com a pessoa assistida é uma etapa essencial para que haja uma integração do paciente com o tratamento, fortalecendo suas expectativas em torno do procedimento.

Cada indivíduo tem sua história, seus medos e frustrações, e considerar todos esses aspectos durante o período de internação é uma condição importante para que ele se sinta mais acolhido física e emocionalmente.

Essa descoberta tem um valor científico tão valioso quanto qualquer outra, com a diferença de que o paciente efetivamente sente seus efeitos imediatamente.

Até porque um sorriso e uma palavra agradável também são um ótimo remédio para quase todo mal.

* Felipe Villaça é cirurgião plástico da FVG Cirurgia Plástica e diretor técnico do Hospital São Rafael.

Para mais informações sobre medicina clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Naves Coelho Comunicação



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques