Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A mudança da política pelo coaching; ajustes comportamentais

A mudança da política pelo coaching; ajustes comportamentais

25/01/2021 Osmar Bria

O coaching é uma área que vem ganhando cada vez mais relevância nos últimos anos.

Este tema já virou polêmica até em novela, reality show e em inúmeras reportagens na TV. Na política não é diferente, e os profissionais desta área estão se tornando grandes aliados dos candidatos.

Mas fica o questionamento na cabeça do cidadão comum: o coaching realmente pode mudar a política brasileira? Para responder essa pergunta, é necessário definir de forma clara o significado da palavra.

Coaching é um processo de desenvolvimento comportamental; já o coach é o profissional que guia esse processo. É ele quem vai ajudar a pessoa a alcançar o objetivo desejado.

Porém é necessário salientar que este objetivo precisa ser palpável, desejável e alcançável. Por exemplo, a vontade de “ficar rico”, por incrível que pareça, não é um objetivo claro.

O conceito de riqueza pode variar entre as pessoas. Assim, é necessário estabelecer parâmetros para que esse tipo de meta seja alcançada.

Na política, o objetivo já fica muito mais claro se considerarmos as eleições. Um candidato já sabe a data e a hora do seu objetivo e por isso tem mais facilidade em definir suas estratégias e metas.

Um agente político que deseja vencer necessita desenvolver suas habilidades comportamentais de modo que inspire as pessoas a estarem ao seu lado.

Um líder inspirador precisa gerar ressonância, fazer com que seu discurso tenha o alcance desejado. Seus colaboradores precisam se sentir representantes e representados.

Para isso acontecer, é necessário um autêntico alinhamento de propósitos entre todos, após o qual o colaborador passa a entender o seu lugar dentro do projeto político-eleitoral. Assim, ele também vai ajudar a propagar as ideias do agente político.

Compromisso também é uma palavra-chave dentro do ajuste comportamental, pois é ela que vai nortear o relacionamento dos envolvidos no processo eleitoral.

O compromisso juntamente com o alinhamento dos propósitos vai tornar a candidatura ainda mais atraente. Ou seja, mais alcançável e desejável por parte das pessoas.

Tudo isso não pode acontecer sem coerência. Os seres humanos são coerentes quando assumem compromissos, e isto será cobrado durante toda a caminhada eleitoral.

A coerência mora dentro do inconsciente humano e gera a conexão necessária para o alinhamento dos propósitos.

Esses são os pilares do comportamento do líder político inspirador. Este líder também necessita da confiança e credibilidade das pessoas que vão estar ao lado dele em todo o processo eleitoral. Um comportamento ético condiciona a base segura de um grupo político.

Ao desenvolver o ajuste comportamental, o líder passará a desenvolver habilidades como sintonia, sincronia, consciência social, aptidão social, gestão de conflitos, trabalho em grupo, lidar com críticas e, principalmente, empatia.

Em um processo de political coaching, todas essas características serão desenvolvidas de forma assertiva.
Obviamente, o coaching é complexo e trabalhoso. Mas, com certeza, é uma ferramenta a serviço da sociedade.

Profissionais competentes precisam ser procurados e valorizados, principalmente os que possuem conhecimento das técnicas necessárias para desenvolver as habilidades e pilares comportamentais citados neste artigo. Assim, é possível mudar a política brasileira.

* Osmar Bria é autor dos livros “A Fórmula do Voto” e “Mulher, Emoção e Voto”.

Fonte: Conversa Comunicação



16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.