Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A reinvenção do jornalismo

A reinvenção do jornalismo

19/10/2022 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

“O jornalismo sustenta a democracia, não com engajamentos espúrios, mas com a força informativa da reportagem e com o farol de uma opinião firme, mas equilibrada e magnânima. A reportagem é, sem dúvida, o coração da mídia”.

Concordo e destaco o trecho do artigo do jornalista Carlos Alberto Di Franco (Estadão 17/10 – A5), escrito na Espanha, onde o autor participa do VII Encontro Internacional do Programa de Graduados Latino-Americano da Universidade de Navarra, uma das principais instituições mundiais cultoras e difusoras do jornalismo.

Di Franco e tantos outros do ramo que conhecemos são críticos (alguns sagazes) da politização e principalmente da ideologização das redações.

Não criticam os que fizeram sua opção por esta ou aquela posição, mas o fato de muitos deles, incautos, colocarem-na à frente dos objetivos e métodos de sua produção.

Penso que nada impede um jornal, revista, rádio ou televisão ter a sua visão e até opção a política e externá-la. Mas não abro mão – nos veículos que leio, assisto ou ouço – da produção técnica e desengajada do noticiário.

Quero ler a reportagem como ela é, não segundo a opinião do seu autor engajado. Seu engajamento tem de respeitar os ditames da produção informativa e, principalmente, o leitor, seu público alvo e cliente que sustenta a publicação.

Na minha jornada de décadas acompanhando a política e a comunicação do meu país – algumas vezes até participando de ambas – já houve tempo em que não concordava com a linha defendida pelos veículos de comunicação que faziam parte do meu dia-a-dia. Cheguei a não ler a página de opinião por dela discordar.

Mas isso não impedia o consumo diário das seções de notícias e reportagens, pois estas eram apenas informação, mesmo podendo trazer algum viés do pensamento dos controladores do veículo.

O ideal seria que todos os veículos de comunicação mantivessem clara sua posição, para permitir que o leitor saiba as vantagens e as desvantagens do partido ou do candidato de sua preferência e, com essa informação adicional, embase melhor a sua opção.

Isso deve servir tanto para a política quanto para a economia, a administração pública e todas as questões de interesse da sociedade.

O jornalismo é uma fascinante profissão. Durante muito tempo, os profissionais formavam-se na própria redação. O mais novo seguia as pegadas do mais experiente e assim o meio seguia. Vieram as escolas de jornalismo que abriram um grande leque de opções para melhorar o preparo do jornalista.

Mas, lamentavelmente, muitas dessas instituições foram tomadas de assalto por professores-ativistas que em vez de formar jornalistas priorizam a indevida opção de torná-los ativistas.

É um fenômeno que se espalha por todas as profissões, mas se destaca entre educadores e comunicadores. Essa geração poluída, nas últimas décadas, levou as redações - e com elas o veículo de comunicação inteiro - a um beco muitas vezes sem saída.

Os políticos aproveitaram para entrar sem pedir licença e muitas publicações tornaram-se seus arautos, pouco se interessando pela opinião e objetivos do seu leitor, que assina e paga as contas.

Como diz Di Franco, o jornalismo precisa se reinventar. Não para castrar opiniões ou trucar carreiras. Mas para reassumir a sua importância no contexto e deixar de ser mero difusor dos interesses e opiniões de grupos ideológicos, econômicos ou sociais.

O jornal, o rádio, a TV e agora a internet em suas múltiplas redes sociais e aplicativos são excelentes ferramentas. Mas não podem ser utilizados de forma pequena e seletiva.

O bom veículo é aquele que mantém suas portas abertas a todas as tendências, mas não permite que uma delas assuma todo o espaço, pois isso priva as demais e ocasiona a evasão do leitor-cliente.

A reinvenção que o nosso amigo e tradicional colaborador do “Estadão” coloca à mesa me parece um salto rumo à razão.

Principalmente não ser porta voz de qualquer segmento, mas estar aberto, com as devidas cautelas e métodos, a todos para, assim, poder questioná-los, discutir objetivos e promover a evolução da sociedade.

O objetivo deve ser o leitor e a defesa da sociedade, não de partido político, segmento ideológico, econômico ou social.
Reinventem-se já. Não excluam ninguém.

Reúnam todos (os segmentos) e mantenham a força do outrora chamado “quarto poder” – menor apenas que os poderes da República (Legislativo, Executivo e Judiciário), mas forte para influenciá-los...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre jornalismo clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder


O gato que caiu dentro das latas de tinta

Todas as histórias começam com Era uma Vez… A minha não vai ser diferente.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre