Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Anular as penas de Lula, um perigoso precedente

Anular as penas de Lula, um perigoso precedente

10/03/2021 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

É um petardo a decisão do ministro Edson Faquim, que torna sem efeito as condenações do ex-presidente Lula na 13ª Vara Federal de Curitiba, que cuida dos processos da Operação Lava Jato e tinha como titular o juiz Sérgio Moro.

Estranha-se, porém, que os processos tenham se desenrolado por pelo menos sete anos e precisado chegar à suprema corte para alguém de lá encontrar nulidades.

Antes de embarcar na crítica ou defesa da medida, precisamos raciocinar se efetivamente não houve razão para o ex-presidente ser processado por aquela instância e o porquê de tudo ter transcorrido até sua condenação e cumprimento de mais de 500 dias de cadeia.

Não queremos, a priori, acatar as argumentações de que o ministro seria militante das causas petistas ou qualquer outra tese que comprometa sua imparcialidade e, principalmente, a honorabilidade.

Mas não podemos perder de vista que, a anulação dos processos do ex-presidente vai gerar argumentos para livrar seus comparsas e todos os participantes das inconformidades que se transformaram em ações penais e condenações.

Políticos de diferentes níveis, empreiteiros e executivos enredados nos acontecimentos terão o direito de requerer revisão e, até reivindicar a devolução dos dinheiros denunciadamente roubados que entregaram à Justiça e aos cofres públicos ao longo dos processos, delações e acordos judiciais.

O que temos sobre a mesa é a segurança jurídica ameaçada. Se os processos que levaram o ex-presidente à desgraça eram inviáveis, ilegais ou indevidos, porque ninguém se pronunciou em tempo de evitar as condenações que, nessas condições, seriam injustas? A prevalecer o despacho do ministro Fachin, teremos uma grande guinada judicial e política.

Será necessário desvendar porque, mesmo com as impropriedades ora alegadas, o ex-governante foi também condenado (e até teve sua pena majorada) no Tribunal Federal de Recursos de Porto Alegre e as sentenças confirmadas no STJ (Superior Tribunal de Justiça), a segunda corte judicial brasileira. Teriam aqueles colegiados falhado?

A prevalecer a anulação das sentenças, pelo menos uma centena de condenados de diferentes níveis que têm isonomicamente o direito à revisão.

Isso sem dizer que quem os denunciou e condenou também estará moralmente comprometido na questão, podendo também sofrer sanções. Não somos contra quem defende o ex-presidente.

Mas eles precisam, de forma consistente, demolir as narrativas de que o petista era chefe de um mega-esquema de corrupção e, além de salvá-lo das condenações já prolatadas, limpar a sua periferia para que, com isso, fique patente a impropriedade dos feitos; não pode Lula sair ileso e seus parceiros continuarem pagando pelos crimes apurados.

Há que se verificar se os crimes de lesa-pátria realmente existiram ou não passaram de suposições. Todos são condenados ou todos são absolvidos.

Ninguém pode pagar sozinho ou com parceiros irrelevantes pelo comparsa maior que, mercê de sua influência e de favores supostamente prestados no passado, tem costas quentes junto aos centros de decisão.

Mais do que o favorecimento e a volta da elegibilidade do ex-presidente, o que está em jogo é a credibilidade da Justiça brasileira, que pode sair arranhada.

Se ocorrer, será muito ruim, pois a Justiça é o último bastião da defesa da sociedade e dos cidadãos. Descredibilizá-la é um perigoso retrocesso.

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre justiça clique aqui…



Saúde e Compliance na era da Governança de Riscos

Os desafios e pressões enfrentados pelo setor de Saúde devido à crise da Covid-19 terão efeitos significativos sobre a necessidade, já inerente ao setor, de aumentar o nível de maturidade de programas de Governança, Riscos e Compliance (GRC).


Inovação no plano de saúde corporativo atrai e retém talentos

A pandemia provocou a transformação de diversos setores, incluindo o de plano de saúde corporativo.


Aviso e anúncios nas redes sociais

Ao abrir, hoje, a minha rede social para ver as publicações de meus amigos, deparei, varado, com aviso, informando-me que certa matéria, colocada por mim, era parcialmente falsa.


Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.