Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Pirâmides financeiras e a insegurança jurídica que gera impunidade

Pirâmides financeiras e a insegurança jurídica que gera impunidade

25/01/2021 Jorge Calazans

Os números impressionam. No Brasil, 11% da população já foi vítima de alguma fraude financeira.

Desse montante, 55% perderam suas economias em pirâmides financeiras, e esse número não para de crescer.

O cenário preocupa, de modo que, em 2020, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) encaminhou tanto para o Ministério Público Federal quanto para os Ministérios Públicos Estaduais centenas de reclamações de esquemas fraudulentos dessa natureza.

Cabe frisar que a prática de pirâmide financeira é uma conduta criminosa, sendo os praticantes sujeitos às penas da lei.

Ante esse fato, surge a indagação: se trata de conduta criminosa, por qual motivo esses golpes não param de crescer e os praticantes não estão na cadeia?

No contexto geral, a presente pergunta tem uma resposta, qual seja a falta de um tipo penal claro, que não gere insegurança jurídica nos operadores do direito.

Lógico, isso numa abordagem de maneira macro, pois ainda existe uma série de aspectos que inviabilizam a punição dos criminosos.

Um dos aspectos que constantemente geram insegurança jurídica é a competência, se o caso deve correr na Justiça Federal ou Estadual.

A presente discussão ocorre em inúmeros casos, em virtude da incidência ou não de crimes contra o sistema financeiro, tendo em vista que, geralmente, a conduta é equiparada à oferta de valor mobiliário na modalidade de investimento coletivo, sendo esse aspecto motivo de discussões que se estendem até as instâncias superiores, o que impacta na evolução dos casos.

A presente morosidade desperta nos golpistas um sentimento de impunidade, que enxergam um meio de ficarem milionários à custa da fraude, sem que em curto prazo tenham qualquer movimentação mais contundente no que tange à prática do crime.

Quando o entendimento é pela competência Estadual, mesmo se tratando de crime gravíssimo contra a economia popular, atualmente, a pena no Brasil é irrisória: detenção de 6 meses a 2 anos, e multa, conforme art. 2º, IX, da Lei nº 1.521, de 1951.

São penas tão inócuas que o Poder Judiciário tem preferido enquadrar as práticas de pirâmide financeira no tipo geral de estelionato, haja vista a facilidade de prescrição.

Mesmo enquadrando no tipo previsto, no artigo 171 do Código Penal, os golpistas ainda analisam o custo benefício, se valendo de uma falsa máxima que o estelionato não dá cadeia.

Se não vier em concurso o crime de organização criminosa, bem como tendo de maneira acessória lavagem de dinheiro, de fato o sentimento é de que o crime compensa.

Diante disso, se faz urgente a aprovação do Projeto de Lei 4.233/2019, de autoria do senador Flávio Arns (REDE/PR), que busca criar o tipo penal de pirâmide financeira, endurecendo a pena para quem for condenado neste esquema fraudulento.

Em síntese, o projeto pretende acrescentar o art. 171-A ao Código Penal e a revogação do o inciso IX, do art. 2º da Lei 1.251/51.

Somente com o endurecimento da lei, daremos fim ao sentimento de que o crime compensa. Dessa forma, haverá a diminuição da incidência desse crime que gera anualmente um prejuízo gigantesco para economia do país.

* Jorge Calazans é advogado especialista na área criminal, Conselheiro Estadual da ANACRIM, sócio do escritório Calazans & Vieira Dias Advogados, com atuação na defesa de vítimas de fraudes financeiras.

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Legalidade ou ilegalidade: o falso impasse das empresas offshores

Apesar de pouco utilizadas pela maior parte dos indivíduos, as empresas offshores são bastante conhecidas, face à intensa profusão de material acerca delas, seja com conteúdo fictício ou não.


As controvérsias do acesso aos dados de vacinação dos trabalhadores

Ainda existem muitas controvérsias sobre a exigência de vacinação de trabalhadores aqui no Brasil.


Efeitos do plano de demissão voluntária na quitação geral do contrato de trabalho

As relações individuais e coletivas produzem efeitos diferentes nas relações de trabalho e, ao que parece, ainda vão ocupar as discussões jurídicas nas questões envolvendo os direitos atingidos no âmbito de cada uma e a adequação instrumental que permita sua compreensão e redução da litigiosidade.


Está proibida a venda de remédios para emagrecer

O Supremo Tribunal Federal derrubou a lei que autorizava a produção, a venda e o consumo de 4 medicamentos para emagrecer: a sibutramina, a anfepramona, o femproporex e o mazindol.


Por que fazer um planejamento previdenciário

O primeiro argumento para convencer você a fazer um planejamento previdenciário é o tempo.


As vantagens (e os perigos) das contratações temporárias

A chegada do fim do ano, com as festas de Natal e do Réveillon, abre a temporada de contratações temporárias no varejo.


Direitos autorais na pichação e no grafite

Você sabe qual é a diferença entre pichação e grafismo? As pichações são as escritas nas fachadas e nos muros, e muito presente nos anos 80 quando ainda não tinha uma lei específica para a prática.


A restituição do dinheiro aos investidores no caso GAS Consultoria

Recentemente, uma ação conjunta entre Ministério Público Federal (MPF) e Polícia Federal denominada Operação KRYPTOS, com ampla cobertura midiática, encerrou as operações da GAS Consultoria, sob acusação dos responsáveis pela empresa supostamente cometerem crimes contra o sistema financeiro nacional.


Stalking: o que você precisa saber

Nas últimas semanas, liderou o Top 10 da Netflix o seriado Você (You), cujo roteiro romantiza a vida de um personagem charmoso e carismático que pratica o denominado “stalking” em pessoas de seu círculo social.


O dilema do reconhecimento da paternidade

O pedido de reconhecimento de paternidade muitas vezes é constrangedor para a mulher e assustador para o homem.


Doença mental adquirida no exercício profissional pode ser considerada acidente de trabalho

Alguns tipos de transtornos mentais podem estar relacionados ao ambiente de trabalho.


Os paradigmas legais da greve dos jogadores do Cruzeiro

Os jogadores do elenco profissional do Cruzeiro anunciaram no dia 13 de outubro que estão em greve por conta do atraso no pagamento dos salários.