Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Pirâmides financeiras e a insegurança jurídica que gera impunidade

Pirâmides financeiras e a insegurança jurídica que gera impunidade

25/01/2021 Jorge Calazans

Os números impressionam. No Brasil, 11% da população já foi vítima de alguma fraude financeira.

Desse montante, 55% perderam suas economias em pirâmides financeiras, e esse número não para de crescer.

O cenário preocupa, de modo que, em 2020, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) encaminhou tanto para o Ministério Público Federal quanto para os Ministérios Públicos Estaduais centenas de reclamações de esquemas fraudulentos dessa natureza.

Cabe frisar que a prática de pirâmide financeira é uma conduta criminosa, sendo os praticantes sujeitos às penas da lei.

Ante esse fato, surge a indagação: se trata de conduta criminosa, por qual motivo esses golpes não param de crescer e os praticantes não estão na cadeia?

No contexto geral, a presente pergunta tem uma resposta, qual seja a falta de um tipo penal claro, que não gere insegurança jurídica nos operadores do direito.

Lógico, isso numa abordagem de maneira macro, pois ainda existe uma série de aspectos que inviabilizam a punição dos criminosos.

Um dos aspectos que constantemente geram insegurança jurídica é a competência, se o caso deve correr na Justiça Federal ou Estadual.

A presente discussão ocorre em inúmeros casos, em virtude da incidência ou não de crimes contra o sistema financeiro, tendo em vista que, geralmente, a conduta é equiparada à oferta de valor mobiliário na modalidade de investimento coletivo, sendo esse aspecto motivo de discussões que se estendem até as instâncias superiores, o que impacta na evolução dos casos.

A presente morosidade desperta nos golpistas um sentimento de impunidade, que enxergam um meio de ficarem milionários à custa da fraude, sem que em curto prazo tenham qualquer movimentação mais contundente no que tange à prática do crime.

Quando o entendimento é pela competência Estadual, mesmo se tratando de crime gravíssimo contra a economia popular, atualmente, a pena no Brasil é irrisória: detenção de 6 meses a 2 anos, e multa, conforme art. 2º, IX, da Lei nº 1.521, de 1951.

São penas tão inócuas que o Poder Judiciário tem preferido enquadrar as práticas de pirâmide financeira no tipo geral de estelionato, haja vista a facilidade de prescrição.

Mesmo enquadrando no tipo previsto, no artigo 171 do Código Penal, os golpistas ainda analisam o custo benefício, se valendo de uma falsa máxima que o estelionato não dá cadeia.

Se não vier em concurso o crime de organização criminosa, bem como tendo de maneira acessória lavagem de dinheiro, de fato o sentimento é de que o crime compensa.

Diante disso, se faz urgente a aprovação do Projeto de Lei 4.233/2019, de autoria do senador Flávio Arns (REDE/PR), que busca criar o tipo penal de pirâmide financeira, endurecendo a pena para quem for condenado neste esquema fraudulento.

Em síntese, o projeto pretende acrescentar o art. 171-A ao Código Penal e a revogação do o inciso IX, do art. 2º da Lei 1.251/51.

Somente com o endurecimento da lei, daremos fim ao sentimento de que o crime compensa. Dessa forma, haverá a diminuição da incidência desse crime que gera anualmente um prejuízo gigantesco para economia do país.

* Jorge Calazans é advogado especialista na área criminal, Conselheiro Estadual da ANACRIM, sócio do escritório Calazans & Vieira Dias Advogados, com atuação na defesa de vítimas de fraudes financeiras.

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



As novas regras e as lacunas do teletrabalho

No último dia 3 de agosto, o Senado Federal aprovou o projeto de lei de conversão da Medida Provisória 1.108/2022, que cria novas regras para o teletrabalho no Brasil.


Pais, quais são os seus direitos?

Embora ainda não haja um direito específico para esse público, há casos em que eles recebem o equivalente ao salário maternidade.


As Eleições de 2022 e o grande desafio da LGPD

A produção e uso de dados de eleitores é um recurso frequentemente utilizado por chapas concorrentes durante o período eleitoral.


A evolução na legislação do teletrabalho no Brasil

As transformações nas relações trabalhistas impostas pela pandemia da Covid-19 foram fundamentais para solidificar algumas flexibilizações previstas na reforma trabalhista.


Decisão do TST traz repercussão ao salário dos aprendizes

Como é de conhecimento da grande maioria dos departamentos de Recursos Humanos, a elaboração do cálculo do salário do aprendiz nunca foi assunto fácil.


Em briga de marido e mulher, o condomínio é obrigado a meter a colher

Está cada vez mais em desuso a frase retrógrada que recomenda: “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”.


Lei de Improbidade, STF e o futuro das eleições

Nessa próxima semana o Supremo Tribunal Federal poderá alterar os rumos das Eleições de outubro.


A safra futura pode ser considerada bem essencial em caso de recuperação judicial?

A safra futura, na maioria dos casos, serve de fomento para a nova plantação e é responsável pelo giro de capital do produtor rural, sendo imprescindível para as atividades produtivas, principalmente para o empresário rural em crise.


Dúvidas sobre inventário pode gerar custos desnecessários

Quando se perde um ente querido tem-se de lidar com a dor e, ao mesmo tempo, com os processos exigidos por lei para a divisão de bens, o famoso inventário.


Justiça do Espírito Santo reconhece legalidade da Buser

Magistrado destaca que imposição da regra do circuito fechado ao transporte por fretamento fere autonomia e liberdade de locomoção dos consumidores.


Bolsas, exchanges cripto e o funcionamento dos mercados

Esses dias conversava com um jovem investidor de criptomoedas que nunca havia operado em bolsa de valores (sim, eles existem).


União Federal permite a utilização de prejuízo fiscal em transação tributária

Desde 2020, grandes devedores podem regularizar seus débitos tributários por meio da celebração de Acordo de Transação Individual.