Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Pirâmides financeiras e a insegurança jurídica que gera impunidade

Pirâmides financeiras e a insegurança jurídica que gera impunidade

25/01/2021 Jorge Calazans

Os números impressionam. No Brasil, 11% da população já foi vítima de alguma fraude financeira.

Desse montante, 55% perderam suas economias em pirâmides financeiras, e esse número não para de crescer.

O cenário preocupa, de modo que, em 2020, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) encaminhou tanto para o Ministério Público Federal quanto para os Ministérios Públicos Estaduais centenas de reclamações de esquemas fraudulentos dessa natureza.

Cabe frisar que a prática de pirâmide financeira é uma conduta criminosa, sendo os praticantes sujeitos às penas da lei.

Ante esse fato, surge a indagação: se trata de conduta criminosa, por qual motivo esses golpes não param de crescer e os praticantes não estão na cadeia?

No contexto geral, a presente pergunta tem uma resposta, qual seja a falta de um tipo penal claro, que não gere insegurança jurídica nos operadores do direito.

Lógico, isso numa abordagem de maneira macro, pois ainda existe uma série de aspectos que inviabilizam a punição dos criminosos.

Um dos aspectos que constantemente geram insegurança jurídica é a competência, se o caso deve correr na Justiça Federal ou Estadual.

A presente discussão ocorre em inúmeros casos, em virtude da incidência ou não de crimes contra o sistema financeiro, tendo em vista que, geralmente, a conduta é equiparada à oferta de valor mobiliário na modalidade de investimento coletivo, sendo esse aspecto motivo de discussões que se estendem até as instâncias superiores, o que impacta na evolução dos casos.

A presente morosidade desperta nos golpistas um sentimento de impunidade, que enxergam um meio de ficarem milionários à custa da fraude, sem que em curto prazo tenham qualquer movimentação mais contundente no que tange à prática do crime.

Quando o entendimento é pela competência Estadual, mesmo se tratando de crime gravíssimo contra a economia popular, atualmente, a pena no Brasil é irrisória: detenção de 6 meses a 2 anos, e multa, conforme art. 2º, IX, da Lei nº 1.521, de 1951.

São penas tão inócuas que o Poder Judiciário tem preferido enquadrar as práticas de pirâmide financeira no tipo geral de estelionato, haja vista a facilidade de prescrição.

Mesmo enquadrando no tipo previsto, no artigo 171 do Código Penal, os golpistas ainda analisam o custo benefício, se valendo de uma falsa máxima que o estelionato não dá cadeia.

Se não vier em concurso o crime de organização criminosa, bem como tendo de maneira acessória lavagem de dinheiro, de fato o sentimento é de que o crime compensa.

Diante disso, se faz urgente a aprovação do Projeto de Lei 4.233/2019, de autoria do senador Flávio Arns (REDE/PR), que busca criar o tipo penal de pirâmide financeira, endurecendo a pena para quem for condenado neste esquema fraudulento.

Em síntese, o projeto pretende acrescentar o art. 171-A ao Código Penal e a revogação do o inciso IX, do art. 2º da Lei 1.251/51.

Somente com o endurecimento da lei, daremos fim ao sentimento de que o crime compensa. Dessa forma, haverá a diminuição da incidência desse crime que gera anualmente um prejuízo gigantesco para economia do país.

* Jorge Calazans é advogado especialista na área criminal, Conselheiro Estadual da ANACRIM, sócio do escritório Calazans & Vieira Dias Advogados, com atuação na defesa de vítimas de fraudes financeiras.

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


O cancelamento unilateral dos planos de saúde é legalmente possível?

Apesar de possível, Jurista do CEUB considera a rescisão unilateral e sem motivo como abusiva, já que configura a potencial violação do princípio constitucional de proteção à vida.

Autor: Divulgação


O embate Twitter Files Brasil: que legado queremos deixar?

Elon Musk está usando sua plataforma X (ex-Twitter) para um duelo digital com o presidente do STF, Alexandre de Moraes.

Autor: Patrícia Peck


Justiça e inclusão: as leis para pessoas com TEA

Por muito tempo, os comportamentos típicos de crianças que tinham Transtorno do Espectro Autista (TEA) foram tratados como “frescura”, “pirraça” ou “falta de surra”.

Autor: Matheus Bessa e Priscila Perdigão


Você conhece a origem dos seus direitos?

Advogado e professor Marco Túlio Elias Alves resgata a história do Direito no Brasil e no mundo em livro que democratiza os saberes jurídicos.

Autor: Divulgação


Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani