Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As CPIs e a crise política que já dura dez anos

As CPIs e a crise política que já dura dez anos

24/06/2023 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Toda vez que o embate político se torna turbulento, desumano e sofismático - como atualmente - está presente o risco de crise social, política ou até institucional.

Pululam as narrativas de supostos ilícitos cometidos tanto pelos que saíram quanto pelos que chegaram ao poder e, segundo as falas, não teriam agido de forma republicana.

São cotidianas as citações sobre tentativa de golpe, omissão de autoridades, judicialização de risco e outros comportamentos que ferem os princípios da liberdade e colocam em risco o regime democrático. O mais grave é que, com o passar dos meses, as escaramuças aumentam em vez de diminuírem.

O governo, sem base parlamentar, se vê na situação de investir elevadas somas do dinheiro público em áreas e localidades determinadas por deputados e senadores em troca dos seus votos.

E, mesmo assim, não forma uma bancada de apoio, obrigando-se a negociar caso-a-caso, num quadro que conserva as características dos criminalizados mensalão, petrolão e similares.

A diferença mínima de votos das eleições de 2022 é o grande complicador se somada a todas as intercorrências havidas na formação dos grupos e nas desconfianças lançadas ao próprio processo eleitoral.

Incapazes de bater o adversário no voto (que é relativamente equilibrado) os contendores procuram fazê-lo no terreno das nulidades, da acusação de crime eleitoral e do tapetão. E isso fragiliza a República.

A sociedade brasileira presencia agora o decolar das CPIs (Comissões Parlamentares de Inquérito) destinadas a apurar os distúrbios de 8 de janeiro (quando as sedes da Presidência da República, Congresso Nacional e Supremo Tribunal Federal foram invadidas e depredadas), as ações do MST (Movimento dos Sem Terra), invasor de propriedades, a atividade das ONGs (Organizações não Governamentais) que teria lucrado sem nada produzir na Amazônia e outras.

Especialmente a investigação sobre o quebra-quebra dos palácios é controversa e muitos parlamentares temem consequências a seus grupos políticos.

É preciso que atuem com extrema responsabilidade, acima do embate ideológico e focados exclusivamente em aclarar a verdade dos fatos e identificar indubitavelmente os responsáveis pelos distúrbios e denunciá-los à Justiça no foro competente, não ao STF, que deve continuar atuando só como sede recursal de última instância, como determina a Constituição. Passado o susto dos conflitos, é indispensável que tudo volte aos devidos lugares.

Os membros das CPIs têm, nesse momento, uma difícil missão, mas, em contrapartida, ela oferece a oportunidade de recuperar o poder e o prestigio do Legislativo, ora abalado pelo grande número de congressistas enrolados em processos e investigações.

Na condição de representantes do povo que, em última análise, é quem sofre quando ocorre instabilidades sociais, políticas e econômicas, as investigações precisam ser bem elaboradas e executadas e produzir resultados que reequilibrem a Nação.

Não podemos continuar vivendo indefinidamente na crise política. Se observarmos bem, ela já dura dez anos – desde os frustrados movimentos pelo passe livre nos ônibus, já provocou muitos estragos (até um impeachment) e, se não for contida, ainda pode trazer muitos problemas ao País e ao povo...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre crise política clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques