Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As perspectivas da economia global para 2075

As perspectivas da economia global para 2075

20/08/2023 João Alfredo Lopes Nyegray

Seja em negócios ou em economia, não é possível prever o futuro, mas pode-se analisar as perspectivas do que virá a partir dos dados atuais.

É o que fez recentemente o Goldman Sachs (GS), uma renomada instituição financeira global fundada nos EUA em 1869.

Trata-se de uma das principais empresas do mundo em termos de investimento, gestão de ativos e valores mobiliários; com uma equipe altamente qualificada de analistas e economistas que realizam pesquisas abrangentes sobre os mercados financeiros, a economia global e diversos setores industriais.

Enquanto hoje os 10 maiores PIBs globais são – em ordem – EUA, China, Japão, Alemanha, Reino Unido, França, Índia, Itália, Brasil e Canadá; o Goldman Sachs projeta um cenário bastante diferente para os próximos 50 anos.

De acordo com a instituição, o atual líder, os Estados Unidos, caiu para o terceiro lugar, ultrapassado por China e Índia. Mais do que isso, a recente análise do GS projeta uma crescente importância dos países emergentes.

Os países emergentes, também conhecidos como economias emergentes, são nações que apresentam rápido crescimento econômico e industrialização crescente, geralmente acompanhados por um aumento no padrão de vida de parte de sua população.

Esses países estão em transição de economias agrárias ou de baixo desenvolvimento para economias mais industrializadas e tecnologicamente avançadas, num processo que se iniciou após o final da Guerra Fria.

Ainda que o termo “país emergente” venha sendo utilizado com cada vez mais frequência, a classificação de um país como tal não possui critérios universais, podendo variar a depender das instituições e agências que a utilizam.

Geralmente os países emergentes têm algumas características em comum, como rápido crescimento econômico, urbanização acelerada e o desenvolvimento do setor industrial.

Na projeção do Goldman Sachs para 2075, países emergentes como Indonésia, Nigéria, Paquistão e Egito não apenas estarão entre as 10 maiores economias do mundo, como estarão à frente do Brasil. Desses, Nigéria, Egito e Paquistão não estão entre as 20 maiores economias do mundo atualmente.

Além desse fato, outro ponto que chama atenção na projeção do GS é a questão populacional. Enquanto atualmente China e Índia são os únicos países do globo a terem mais de um bilhão de pessoas (1,4 bilhão de habitantes cada país), estima-se que a população chinesa cairá para 1 bilhão, enquanto a indiana deverá alcançar 1,7 bilhão.

Países com menor população, mas economicamente muito relevantes hoje, como França e Coreia do Sul, tendem a perder espaço.

O que explica, de acordo com o GS, que países que hoje não são potências – como Egito e Paquistão – e que figurarão entre as 10 maiores economias do mundo é tanto o seu crescimento econômico quanto seu crescimento populacional.

Essas duas nações, Egito e Paquistão, passarão o Brasil que – nos últimos 15 anos – teve um crescimento econômico muito lento.

Para o Goldman Sachs, Nigéria, Paquistão e Egito vão “com as políticas e instituições adequadas, se tornar algumas das maiores economias do mundo”.

Esse é, sem dúvidas, o efeito de termos uma economia deitada eternamente em berço esplêndido: seguimos fadados a ser o país de um futuro que nunca chega.

* João Alfredo Lopes Nyegray é doutor e mestre em Internacionalização e Estratégia. Especialista em Negócios Internacionais.

Para mais informações sobre economia clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

 

Fonte: Central Press



Trabalhadores de aplicativos: necessidades e vulnerabilidades diferentes

A tecnologia é uma realidade cotidiana irreversível. As plataformas, potencializadas pelos reflexos da pandemia da Covid-19, estão inseridas nas principais atividades da vida humana.

Autor: Ricardo Pereira de Freitas Guimarães


O que é direita? O que é esquerda?

O Brasil sofreu uma enorme polarização política nos últimos anos; mas afinal, o que é esquerda ou direita na política?

Autor: Leonardo de Moraes


Reparação mecânica e as tendências para 2024

No agitado mundo automotivo, as tendências e expectativas para 2024 prometem transformar o mercado de reparação de veículos.

Autor: Paulo Miranda


Política não evoluiu no período pós-redemocratização

O que preocupa é a impressão de que no Brasil não mais existem pessoas dedicadas, honestas e com boas intenções dispostas a entrar na política.

Autor: Luiz Carlos Borges da Silveira


Manifestação da paulista: exemplo de civilidade e democracia

Vivenciamos no último domingo, 25/02/2024, um dos maiores espetáculos da democracia.

Autor: Bady Curi Neto


Rio 459 anos: batalhas deram origem à capital carioca

Diversas lutas e conquistas deram origem à capital carioca. Começo pelo dia em que Estácio de Sá venceu uma grande batalha contra os nativos que viviam no território da atual cidade do Rio de Janeiro.

Autor: Víktor Waewell


Números da economia no governo Lula

Déficit de 231 bilhões de reais: um furo extraordinário.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


Lá vai Maria

Lata d’água na cabeça Lá vai Maria Lá vai Maria

Autor: Osvaldo Luiz Silva


O combate ao etarismo em favor da dignidade da pessoa idosa

É fundamental compreender que o envelhecimento é um processo natural e que todos nós, se tivermos a sorte de viver tempo suficiente, nos tornaremos idosos.

Autor: André Naves


Qual é o futuro do ser humano?

No planeta Terra a vida tem sido, em grande parte, moldada por materialistas que examinam a situação, planejam, estabelecem os objetivos e os põem em execução.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.