Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Assédio no trabalho

Assédio no trabalho

11/01/2021 Maria Inês Vasconcelos

A sociedade sempre padeceu de grandes contradições. O mundo não tem consensos.

No que diz respeito à questão da violência em face da mulher, a hipocrisia se empenhou de encobertar ainda mais a verdade: o trabalho alberga facilidades práticas do assédio sexual, tanto quanto os lares.

A retórica do mandar, exigir e cumprir fazem parte da crônica laborativa. “Manda quem pode obedece quem tem juízo”, virou mantra e foi inserido no inconsciente coletivo.

A subordinação é o traço capital da relação de emprego, abrindo espaços para distorções. Uma delas é a posse da pessoa do empregado, que não existe e não pode existir.

Há uma linha bem definida entre direitos e deveres. E os conceitos não se confundem. Exigir favores sexuais ou dar uma cantada é assédio sexual.

A visão da mulher como reprodutora e não como alguém que colabora na produção da riqueza é antiga e desafiadora. Muito há que se trabalhar para romper a profecia de nosso único destino biológico: o de ser mãe.

Mas é claro, em pleno século XXI, depois de Margareth Thatcher, Michelle Obama e Angela Merkel houve espaço para a reformulação dos pensamentos machistas.

Tem razão Vinícius de Moraes: não há nada mais bonito do que uma mulher linda, ou linda na ilusão de alguém.

Sabemos também que emoções e fantasias são sentimentos normais que não tornam o homem menos humano ou mais direito.

Contudo, no trabalho não há o menor espaço para a satisfação sexual, lascívia, a não ser que haja bilateralidade, a vida não permite que um force o outro a fazer coisa que não queira.

A saída para essa opressão, pode ser ampla e há muito a se fazer, desde a vigília permanente e cuidadosa das instituições envolvidas, até a aplicação da lei penal, porque a mulher tem direito constitucional a um ambiente de trabalho digno e à preservação de sua honra e liberdade.

Deixar só para a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT resolver, com uma simples aplicação da pena mais rigorosa, com justa causa, de longe é a saída.

A impulsividade incontrolável de alguns gestores e de colegas de trabalho, que tornam as mulheres protagonistas de assédio sexual no trabalho, tem que ser castigada. E por vários motivos: o primeiro deles porque é crime.

O segundo porque o assédio causa danos às suas vítimas, que são muito severos, inclusive no campo mental. O sofrimento é brutal. É algo fora do normal.

E a coisa vai muito além de perder ou se demitir do emprego. É algo tão grave que muito frequentemente respinga no ambiente familiar, desestruturando casamentos e relacionamentos.

Adoece as suas vítimas de vários modos. Não é fácil denunciar e muitas mulheres se calam temendo o julgamento e o peso de abrir a boca.

Há hoje um grande cerco em torno do assédio sexual e uma verdadeira campanha em torno dessa visão clichê de que mulher pode e gosta de levar cantada. Mas sabe-se que mentiras permeiam a cabeça do homem e lhe roubam o juízo e a crítica.

Triste é ver que as mulheres ignoram suas próprias perspectivas e direitos, por acharem impossível romper a barreira do preconceito, retornando humilhadas à posição de origem.

Só denunciam quando a situação quase sai do trilho. Ganhamos menos, ocupamos apenas 10% das posições de chefia e antropologicamente a mulher veio da costela de Adão. Somos o pescoço e não a cabeça.

O trabalho é propício ao assédio sexual. O homem confunde a empregada como coisa e a vê num prisma de inferioridade.

O sadismo, a mentalidade de que a mulher, por convicção - deles - está sujeita ao domínio do macho, todas essas encarnações do machismo. Tudo isso junto é o que faz o homem enxergar a mulher numa visão doméstica e sempre inferior.

O homem pensa duas vezes para assediar outro homem. Claro, aqui estamos falando do assédio não sexual. Mas é uma grande verdade. Macho tem medo de macho. A visão da mulher objeto ultrapassa a razão.

Seja lá como for, a coisa está cada vez mais complicada para os agressores. Provado o assédio, a Justiça tende a ser dura, aliás duríssima.

Há campanhas e mais campanhas incentivando as denúncias e hoje todo mundo sabe que o mundo é vigilante. Aliás, vivemos a sociedade da vigilância.

Há câmeras, para todo lado, gravadores, celulares, etc. O espaço diminuiu. O discurso mudou e o medo é menor. O espaço para a violência tem suavizado.

Contudo, o assédio no trabalho ainda é um desafio. São lutas desiguais e às vezes sórdidas, porque a maioria dos chefes são homens. Mas temos que persistir radiantes esperanças. Não pode haver aqui qualquer resignação.

* Maria Inês Vasconcelos é advogada, especialista em Direito do Trabalho, professora universitária e escritora.

Fonte: Naves Coelho Comunicação




Prisão do deputado Daniel Silveira

A toda ação corresponde uma reação.


Exportações de minério de ferro cresceram 9% em janeiro

O mês de janeiro registrou uma alta de 9% na quantidade de minério de ferro exportado do Brasil para o exterior, tendo por comparação o mesmo período do ano passado, segundo dados do Ministério da Economia.


A dificuldade de cassar mandato político

A imoral prerrogativa constitucional que confere somente ao Congresso o poder de cassar o mandato de um parlamentar por cometimento de ilegalidade, à vista de qualquer cidadão de mediana cultura, constitui-se de medida irrazoável que fere o princípio da igualdade de tratamentos.


Ainda não nos preocupamos com o combate à pobreza

Um dos piores anos da história recente do país, 2020 também foi o ano em que a taxa de pobreza atingiu 8%, seu menor patamar em 44 anos.


Um ano de pandemia

A Covid-19 apareceu causando surpresa e aflição em todas as instâncias da sociedade, seja para a economia, a política, a educação, ou para as pessoas, no que se refere aos relacionamentos, sentimentos próprios, etc.


Como os paradigmas determinam nossos resultados

Você sabia que os nossos comportamentos habituais são moldados por paradigmas?


Ferrovias para poucos

Está em curso no Congresso, de forma quase silenciosa, mais um atentado à soberania brasileira.


Recomeço? Primeiro, o porquê

Existe um texto - às vezes atribuído ao Carlos Drummond de Andrade, embora não seja de sua autoria - que corre na internet há bastante tempo. Diz assim:


Tributação no e-commerce: a importância do regime tributário

O e-commerce tem crescido vertiginosamente nos últimos anos, em todos os países, a despeito das crises e solavancos da economia.


Em tempo de pandemia

Nestes tristes dias de pandemia, em que os médicos do Serviço de Saúde, lamentam que não se tem o devido cuidado, protegendo-se e protegendo o semelhante, lembrei-me de antigo chefe, que tive, quando era menino e moço.


2021, o ano em que seremos melhores

Nos últimos 20 anos as empresas fizeram altos investimentos em tecnologia e marketing para capturar dados de seus clientes e prospects e armazená-los em grandes repositórios de dados.


Navegar é preciso, viver não é preciso

“Navigare necesse, vivere non est necesse.”