Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Assédio Moral no Direito do Trabalho

Assédio Moral no Direito do Trabalho

30/03/2020 Lucas Vinicius Salomé

A evolução da complexidade nas relações de trabalho também aperfeiçoou e expandiu a tipificação dos ilícitos referentes ao assédio moral.

Hoje, os empregados mais esclarecidos têm alguma sensibilidade sobre seus direitos e garantias. Fato que elevou o volume de processos trabalhistas com o foco na matéria.

A autora francesa Marie-France Hirigoyen conceitua o assédio moral como “toda e qualquer conduta abusiva, manifestando-se, sobretudo por comportamentos, palavras, atos, gestos, escritos que possam trazer danos à personalidade, à dignidade ou à integridade física ou psíquica de uma pessoa, pôr em perigo o seu emprego ou degradar o ambiente de trabalho”.

O assédio moral no ambiente de trabalho consiste na exposição inadequada, prolongada e repetitiva a situações humilhantes e vexatórias, com o intuito de forçar, por vezes, pedido de demissão do trabalhador.

É importante saber que o assédio não se caracteriza por um fato isolado. É imprescindível que as práticas sejam reiteradas ao longo de um período expressivo.

Por outro lado, não se configura assédio, demandas profissionais como estabelecimento de metas; críticas construtivas; e cobrança de comportamento do trabalhador, uma vez que são à base da própria relação de trabalho.

Os atos de assédio podem trazer consequências trágicas à saúde do trabalhador. Humilhações e vexames constantes podem gerar distúrbios mentais tais como crises de angústia, ansiedade e depressão, além de outras possibilidades de patologias ocupacionais como os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT).

Dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT) afirmam que 42% dos trabalhadores brasileiros já foram sujeitos a algum ato ou comportamento decorrentes de assédio moral.

Dados que refletem nas estatísticas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), demonstrando um aumento de 28% no número de ações decorrentes de assédio entre os anos de 2015 e 2017.

Somente no ano de 2018 foram instaurados mais de 56.000 novos processos referentes a abusos decorrentes de assédio moral.

Graças às novas tecnologias de informação, como as redes sociais, a informação circula em maior volume e com mais velocidade disseminando instantaneamente textos, sons e imagens para todas as pessoas indistintamente, qualquer que seja o nível social ou intelectual.

Qualquer pessoa operando um simples celular consegue informações básicas sobre seus direitos trabalhistas, inclusive a respeito do assédio moral e suas consequências. Além disso, essa mesma tecnologia pode ser usada na produção de provas de uma ocorrência de assédio.

Uma gravação ou uma imagem registrada são evidências suficientes para a justiça para sustentar uma condenação pesada ao Empregador.

Os valores das condenações nos processos individuais por assédio moral oscilam entre R$ 10.000,00 (dez mil reais) e R$ 30.000,00 (trinta mil reais), mas podem ser muito maiores dependendo de cada caso concreto.

A base destas condenações tem como norte o artigo 1º da Constituição Federal, que nos traz entre os seus princípios fundamentais, a dignidade da pessoa humana e os valores sociais do trabalho.

O empregador não pode mais agir como em décadas atrás e oprimir seus subordinados, achando que não está sujeito a sofrer consequências judiciais.

O Empresário consciente deve liderar seus subordinados e orientar seus comandantes para agirem em conformidade com as normas trabalhistas com o intuito de não sofrer sanções judiciais, bem como ter um meio ambiente de trabalho saudável e adequado.

Agir em conformidade, hoje se reflete na implantação de política de Compliance nas empresas, ação esta que busca, inclusive, a prevenção de riscos nas relações trabalhistas.

Nesse sentido, é recomendável que as empresas desenvolvam Códigos de Ética e Regulamentos Interno, bem como criação de canais de deúncia para que os trabalhadores, de maneira segura, possam comunicar condutas ilegais para coibir comportamentos e situações que gerem quaisquer tipos de comportamento que caracterize assédio moral.

* Lucas Vinicius Salomé é advogado especialista em Direito do Trabalho pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e sócio no Raposo Soares e Salomé Advogados.

Fonte: Vervi Assessoria



Novas regras de combate ao telemarketing abusivo entram em vigor

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) implementou uma série de novas medidas para combater o telemarketing abusivo, reforçando a proteção dos consumidores brasileiros.

Autor: Divulgação


Licença-maternidade sem carência para as autônomas

Foi uma decisão histórica, e com 25 anos de atraso!

Autor: Nayara Felix


Recorde de queixas contra planos de saúde e a necessidade de mudanças

Nos últimos dez anos, o Brasil testemunha um aumento alarmante nas queixas de consumidores contra planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


Conflitos condominiais

Tipos de ações judiciais e maneiras eficientes de resolvê-los.

Autor: Divulgação


Se a doença é rara, o tratamento não pode ser

13 milhões de brasileiros convivem hoje com doenças raras, de acordo com o Ministério da Saúde.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani