Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Bolha e demissões agitam as gigantes da internet

Bolha e demissões agitam as gigantes da internet

17/11/2022 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

A demissão, nos últimos dias, de mais de 15 mil funcionários das chamadas Big Techs, donas do Facebook, Instagram, WhatsAPP e outras plataformas, agita o meio econômico.

Na verdade, as operadoras estão corrigindo cálculos e planejamentos superestimados que fragilizam os seus negócios.

Especula-se que pode ser o estouro da bolha que envolvia o setor, algo semelhante à inconsistência do mercado imobiliário norte-americano, ocorrida em 2008.

É cedo para se tirar conclusões, mas a sociedade tem de se manter atenta porque o crescimento das empresas de tecnologia lastreadas na internet absorveu importante setores que não podem entrar em colapso.

Se vier a ocorrer, os prejuízos serão volumosos. As empresas, os trabalhadores e a sociedade não terão como movimentar suas finanças, disponibilizar seus produtos ao mercado e executar todas as tarefas que hoje são desenvolvidas “online” e jamais poderão voltar aos métodos anteriores.

Os efeitos, sem dúvida, serão muito maiores do que os da crise imobiliária. Só um exemplo: os bancos, se não dispuserem do esquema tecnológico atual jamais conseguirão mão-de-obra suficiente para operar à moda antiga e, mesmo que a consiga, não terão capacidade para arcar com os salários.

Uma das justificativas para as demissões é cortar despesas porque o faturamento com publicidade não vem atingindo as metas estabelecidas.

É de se supor que as empresas do setor ousaram tornarem-se gigantes e agora, diante da inflação alta – especialmente nos Estados Unidos e Europa – os anunciantes vem encolhendo os investimentos e, sem eles, não há como sustentar tanta gente.

Importante considerar que o mercado de comunicação e prestação de serviços pelo meio digital é um caminho sem volta.

Apenas seus operadores precisam bem dimensionar sua capacidade de arrecadação para que seja suficiente para honrar os compromissos de investimentos e desembolso com pessoal e manutenção.

Algo que não deve ser tão difícil quanto no setor público, onde os órgãos e empresas são travados pela legislação que dificulta corte de gastos.

As plataformas tiveram protagonismo nas eleições ao redor do mundo. Já participaram da mudança do panorama político em muitos países. As últimas eleições tiveram forte atuação das plataformas, aplicativos e redes sociais.

Tanto que até sofreram censura por parte da Justiça Eleitoral que, por critérios próprios e discutíveis, vem banindo a participação de pessoas, inclusive parlamentares e do próprio presidente da República dentro do contexto de desarmonia entre os poderes da República.

Os problemas surgidos em campanha reforçam a tese do Presidente eleito, Lula da Silva, que há muitos anos sonha com o controle da mídia e da internet.

O Congresso Nacional deverá nos próximos meses se debruçar sobre a regulamentação do setor. É prevista grande discussão porque uma lei que regule veículos de comunicação e internet pode ser inconstitucional na medida em que venha censurar o meio.

Os parlamentares também precisam ter a coragem de adotar providências que evitem o exercício da censura por parte do Poder Judiciário, como vem ocorrendo ultimamente. Temos de buscar o aperfeiçoamento do meio e jamais o encurtamento de sua liberdade.

Quanto às Big Techs, há a esperança de que encontrem o seu ponto de equilíbrio e possam prestar serviços cada dia melhores a toda a população.

O Twitter, agora com novo dono, é uma esperança de modernização e ampliação de serviços.  Assim se faça.

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre tecnologia clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder