Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Bullying, a tragédia na escola e fora dela

Bullying, a tragédia na escola e fora dela

01/04/2023 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

O assassinato da professora Elizabeth Tenreiro, de 71 anos por um aluno de 13 a quem ela teria, dias antes, repreendido ao separar uma briga na escola estadual Tomasia Montoro (Vila Sonia - zona oeste de São Paulo) é mais uma testemunha da insegurança na rede escolar e falta de controle sobre os jovens.

Passados alguns dias, ou semanas, esse triste episódio, que também fez outros quatro feridos, cairá na rotina dos acontecimentos e não será mais do que uma simples página da crônica ao lado de centenas de outras que relatam o sofrimento, de maior ou menor dimensão, vivido dentro da comunidade escolar.

Derivado do termo inglês bully - que pode ser traduzido como intimidar, brigar, maltratar, ameaçar e pode identificar o indivíduo como agressor, bruto, insolente, valentão e  de outros inconvenientes - convencionou-se que bullying é o ato de maltratar, humilhar e intimidar.

O problema é estudado desde os anos 70, na Noruega e sua identificação alastrou-se pelo mundo. Chegou ao Brasil na virada do século (1999/2000), mas tanto aqui quanto no exterior, só aumenta, com o passar do tempo, como se observa pelos atentados, conflitos e maus-tratos, especialmente de alunos contra professores.

Onde há uma escola, grande, media ou pequena localidade e independente de outras variáveis, está presente essa alarmante problemática.

Sem dúvida, o bullying ou violência no âmbito escolar, é resultado da ordem social mundial das últimas décadas. Os códigos de violência tomaram os jovens de assalto e os professores costumam ser suas vítimas porque em boa parte das vezes, são os únicos de seu convívio que tentam lhes impor limites.

A solução parece distante, mas a mobilização é necessária. Enquanto os especialistas buscam a gênese do problema, as famílias deveriam dedicar mais atenção e tempo à orientação dos seus jovens.

Mesmo que essa atitude não seja o suficiente para solucionar o mal, pai, mãe e familiares, em ação preventiva, podem evitar que seus filhos se tornem vítimas ou agressores e tenham o futuro comprometido caso participem de algo mais grave.

Embora envolva aspectos de segurança, é lícito pensar que bullying não é caso de polícia. Só passa a ser quando as desinteligências decorrentes levam ao cometimento de crimes.

Casos como o da professora Elizabeth e outros que produziram vítimas no espaço escolar nāo teriam ocorrido e ainda podem ser evitados se as escolas forem equipadas com portais detectores de metais como os existentes nos fóruns judiciais, bancos e outros estabelecimentos.

A não entrada de armas de fogo, facas, canivetes e similares tornará o ambiente mais salubre e, logicamente, economizar vidas e sofrimento.

Mas não dá para ignorar que os ataques também poderão ocorrer na rua, no supermercado, no posto de combustível ou qualquer lugar, por diferentes motivações.  

A Pedagogia, através dos seus centros de saber, precisa encontrar fórmulas que salvem o alunado dessa nefasta rebeldia e os levem a priorizar a socialização, o aprendizado e a buscar na escola a profissionalização que tornará melhor o seu futuro.

O Judiciário, por seus órgãos especializados, deve buscar alternativas anteriores às da repressão e do apenamento. Governos e parlamentares têm de se debruçar sobre o problema e mirar a prevenção pois depois que o bullying deságua em crime, todos já sabemos o que ocorre e isso não é solução.

O jovem deve ser alertado desde a tenra idade para os problemas que encontrará na passagem pela escola e na sociedade, que terá de frequentar para construir seu futuro pessoal e profissional.

Pais e familiares o ajudarão muito se conseguirem incutir a cultura de não agressão, deboche ou segregação dos diferentes, se informarem à sua criança que existem indivíduos problemáticos que, provocados, poderão chegar a extremos, destruir a vida de terceiros e até a própria.

A propósito, esse tema justificaria até a realização de campanhas governamentais de cidadania, através dos meios de comunicação, valorizando as boas relações humanas e pessoais, o pacifismo e a não agressão entre os indivíduos, respeitando-se as diferenças.

Só o cuidado partido do lar e potencializado pelas campanhas e nas ações dos grupos sociais, poderá evitar muitos problemas e tornar menos penosa a espera até o dia em que a ciência social e educacional possa decifrar e neutralizar os códigos que levam ao bullying em suas múltiplas facetas.

A prevenção aos distúrbios do gênero é um importante trabalho de governo e seus órgãos. Não há o que se falar sobre ação policial, pois esta só ocorre durante e depois do crime. O ideal é evitá-lo. É preciso mitigar o ataque antes dele ocorrer e se tornar caso de polícia...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre bullying clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp



Governar com economia e sem aumentar impostos

Depois de alguns tiros no pé, como as duas Medidas Provisórias que o presidente editou com o objetivo de revogar ou inviabilizar leis aprovadas pelo Congresso Nacional - que foram devolvidas sem tramitação - o governo admite promover o enxugamento de gastos.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


A poderosa natureza

O dinheiro é um vírus que corrompe tudo e quando a pessoa se “infecta”, dificilmente se livra.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


A maior eleição do mundo e o nacionalismo hindu

O ano de 2024 está sendo considerado o superano das eleições pelo mundo. Ao todo, mais de 50 países terão pleitos variados, dentre os quais o Brasil e os Estados Unidos.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


8 de janeiro

Venho aqui versar a defesa dos patriotas do “mal”

Autor: Bady Curi Neto


Aborto legal e as idiossincrasias reinantes no Congresso Nacional

A Câmara dos Deputados, em uma manobra pouco ortodoxa do seu presidente, aprovou, nessa semana, a tramitação em regime de urgência do Projeto de Lei nº 1904/2024, proposto pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), integrante da ala bolsonarista e evangélica, que altera, sensivelmente, as regras de tratamento do crime de aborto.

Autor: Marcelo Aith


Há solução para as enchentes, mas será que há vontade?

Entre o fim de abril e o início de maio de 2024, a maior tragédia climática da história se abateu sobre o Rio Grande do Sul.

Autor: Alysson Nunes Diógenes


Primeiro semestre: como estão as metas traçadas para 2024?

O que mais escutamos nas conversas é: “Já estamos em junho! E daqui a pouco é Natal!”

Autor: Elaine Ribeiro


Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso