Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Câmara aprova a criação da bancada negra

Câmara aprova a criação da bancada negra

09/11/2023 Julio César Cardoso

A Câmara dos Deputados aprovou o projeto que cria a bancada negra, composta por parlamentares negros. Com a aprovação, a proposta segue para promulgação.

Trata-se de aprovação despropositada, controversa, pois todos os segmentos sociais ou raciais deveriam ser tratados com observância ao princípio da isonomia e igualdade.

Por outro lado, prega-se no mundo a inclusão de todos os povos, independentemente de posição social ou racial, agora surge no país a bancada negra, tipo apartheid tupiniquim, que pode gerar discriminação no Parlamento.

A bancada negra, que representa 24% na Câmara, jamais foi impedida de ter voz no Parlamento. As alegações de dificuldades enfrentadas para defender seus interesses e pautas fazem parte das discussões no Congresso e nada têm a ver com restrição de natureza racial.

A bancada negra, de acordo com Constituição Federal (art.5º), não deveria ter tratamento diferenciado, por exemplo, das bancadas temáticas.

As bancadas temáticas são grupos de parlamentares que se organizam em torno de temas específicos, como saúde, educação, meio ambiente, direitos humanos, etc., não têm base legal, mas são reconhecidas pelo regimento interno da Câmara e do Senado.

Elas têm o objetivo de influenciar as decisões legislativas e fiscalizar as políticas públicas relacionadas aos seus temas de interesse. Logo, a bancada negra deveria seguir o modelo das bancadas temáticas.

A diferença entre bancada negra e bancadas temáticas é que a bancada negra, além de respaldo legal, terá direito a voto nas reuniões de líderes, onde são definidas as pautas e as prioridades do plenário.

Segundo os defensores, a bancada negra pretende combater o racismo, a desigualdade e a violência que afetam a vida de negras e negros no país.

Ora, essa preocupação já está sacramentada no art. 3º da Constituição Federal, que trata dos objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil, e deveria ser observada pelos governos e políticos.

Por que também não é oficializada, por lei, a bancada indígena, cujo povo é marginalizado, menosprezado e representa o verdadeiro proprietário deste país? 

O racismo contra o negro no Brasil está relacionado principalmente às condições sociais em que vivem, como também os brancos pobres, em decorrência da ausência de políticas públicas educacionais de qualidade, pois somente a educação é capaz de dar dignidade de vida a todos.

Ademais, a questão racial contra o negro, infelizmente, é um problema mundial e de característica específica de pessoas de índoles incivilizadas. E nenhuma medida ou lei vai corrigir o problema.

* Júlio Cesar Cardoso é servidor feral aposentado.

Para mais informações sobre bancada negra clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp



Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan