Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Champs Elysees: quando um olhar por trás da burca quase me espetou

Champs Elysees: quando um olhar por trás da burca quase me espetou

07/09/2022 Antônio Marcos Ferreira

Agosto de 2006. Há doze dias estamos conhecendo as belezas da Europa juntamente com minha esposa, Flávia, e um casal de amigos, Sandra e Dirceu.

Já havíamos passado pela Itália, onde estivemos em Roma, Florença e Veneza.

Na França, depois de Paris, alugamos um carro em Versalhes e fizemos um tour pelo Vale do Loire, para conhecer alguns castelos, Chambord, de Blois e Villandry. Perto deste último, paramos para almoçar. 

Minha proposta foi pedir algo o mais parecido possível com a comida brasileira, pois não queria correr nenhum risco gastronômico, área na qual sou totalmente conservador. 

O Dirceu, buscando uma experiência um pouco mais agressiva, buscou no cardápio algo que pudesse dar a ele uma nova experiência na gastronomia francesa. 

Encontrou um prato chamado Gacho. Pelo que pudemos verificar, seria algo próximo ao que costumávamos comer no Brasil. Chegados os pratos, não tivemos dificuldades com o prato que eu escolhera. 

Já o Dirceu, ao verificar aquilo que pedira e que agora estava sobre a mesa, olhou para nós como se dissesse: tem certeza que foi isso mesmo que eu pedi? 

Rimos bastante ao conferir o prato: era uma tijela com bastante caldo, uma sopa de tomate, rala, fria e, boiando dentro dela, alguns bichinhos que pareciam gafanhotos. O jeito foi devorar as entradas e pedir mais um do outro prato mesmo. 

Voltando a Paris, discutimos no jantar o nosso programa para o dia seguinte. O Dirceu e eu queríamos conhecer o complexo de tênis onde é disputado o torneio Roland Garros.

Programa que não interessava às mulheres, mas que dava a elas a oportunidade de fazer compras, sem o crivo dos maridos. 

Naquela época a nossa primeira netinha, Isabela, estava com sete meses de idade, e a Flavinha não poderia perder a oportunidade de dar um reforço no seu enxoval. Descobriu uma região onde o comércio desse tipo de roupa era farto e com bons preços e combinaram de irem lá. 

Fomos então conhecer o complexo de tênis, que mesmo sem o torneio, me causava muita alegria, como praticante amador do esporte e admirador de grandes tenistas, especialmente do Roger Federer. 

Quando voltamos ao hotel, as esposas já estavam lá, felizes com as compras que fizeram. Nem cheguei a ver as compras que a Flavinha fizera, pois, segundo ela, já estavam devidamente guardadas na mala.

A satisfação estava estampada no rosto. Imaginei que comprara algumas roupinhas lindas para a Isabela. 

Somente quando chegamos ao Brasil, ao desembalar as malas ela foi mostrar as roupinhas da neta. Começou a tirar uma, depois outra, mais uma, e eu só olhando, e mais uma, até que tirasse todos os vinte e três conjuntinhos! 

Minha reação foi apenas rir. Isso era a cara dela mesmo! Isabela teria roupa de Paris por vários anos. 

No dia seguinte às compras, o programa era passear a pé pela Champs Elisés, desfrutando daquela beleza. No calçadão da avenida algumas lojas tinham na frente uns locais como se fossem quiosques vinculados a elas, onde se poderia tomar uns chopes e comer alguns petiscos. 

Como coração do mundo, ali se misturava gente de todo lugar. Muitos africanos vendendo produtos típicos e orientais com suas máquinas fotográficas de fazer inveja. Várias línguas se ouviam naquela mistura de raças. 

Dentre elas uma em especial me chamou muito a atenção e por pouco não nos causou um problema. Em determinado momento, vimos vários homens conversando, vestidos de bermudas, rindo bastante. Perto deles, suas mulheres vestindo burca preta, onde apenas os olhos ficavam à vista.

Nunca tinha estado assim tão próximo e fiquei realmente curioso. Não só pelos trajes, que imaginava muito desconfortáveis naquele calor de verão europeu, mas pela discrepância com os seus maridos tão à vontade e com trajes tão diferentes e de acordo com o clima local.

Curioso que estava, olhei demoradamente para uma delas, que, ao perceber o meu olhar, ao invés de se encantar, ficou enfurecida e gritou para mim:

-What??? 

Aquele grito me deixou gelado! Aquele "what" parecia que tinha sido gritado num alto falante! Fiquei imaginando se o seu marido percebesse e viesse tomar satisfação. Numa língua que eu não entendia absolutamente nada! 

Ainda trêmulo, desviei o olhar, pedi um chope e caprichei num tiragosto. Mas o olhar daquela mulher de burca esteve comigo durante muito tempo. 

Sem nenhuma paixão. Apenas estranhamento e pena pela desigualdade em que elas viviam com seus maridos. Mas o olhar da Flavinha, sem burca, me faz um bem danado! Ainda bem.

* Antônio Marcos Ferreira

Para mais informações sobre mundo clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves