Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como construir uma operação mais segura para o futuro

Como construir uma operação mais segura para o futuro

27/01/2021 Guilherme Araújo

Em uma de suas mais célebres frases, Peter Drucker, o pai da Administração moderna, disse que existem os riscos que uma empresa não pode correr jamais, e existem os riscos que nunca se pode deixar de correr.

Para o professor, a diferença é simples: só vale a pena correr um risco se ele puder ajudar a fazer a companhia crescer; no mais, todo tipo de ameaça deve ser evitado ao máximo.

Evidentemente, essa é uma análise que continua a fazer sentido. No entanto, após um ano em que previsibilidade e certeza passaram longe de existir para a maioria dos mercados, saber identificar quais são as iniciativas e condições que fazem parte de um ou de outro grupo de risco se tornou uma tarefa das mais complexas.

Por exemplo: é preciso avançar na jornada de transformação digital e saber usar os dados como um diferencial, ao mesmo tempo em que é urgente entender como proteger as informações, mitigando as ameaças em torno de sua utilização.

Por isso, se estivesse vivo, Drucker certamente concordaria que a capacidade de construir uma operação resiliente em termos de cibersegurança, com real capacidade para se adaptar rapidamente às mudanças do ambiente digital, é algo indispensável para o sucesso de uma companhia atual.

Não por acaso, uma recente pesquisa realizada pela PwC indicou que 40% dos executivos de TI planejam aumentar a quantidade de testes de resiliência para garantir que suas operações continuarão funcionando, mesmo em caso de um potencial ataque cibernético.

A preocupação tem fundamento, pois as chances de uma ocorrência na área de cibersegurança nunca foram tão altas como agora.

O ano de 2020 ficará marcado pela disseminação do coronavírus e, também, por uma enorme expansão nos números relacionados às invasões, ransomwares e roubos de dados, além da explosão na quantidade de tentativas de phishing, com novos golpes e fraudes surgindo diariamente.

A grande questão, todavia, é que a simples mudança de ano não provocará qualquer alteração neste cenário. Ao contrário.

O estudo citado acima revela que 55% dos líderes da área dizem que é provável ou muito provável que seus provedores de serviços em Nuvem sejam ainda mais ameaçados em 2021 – e no futuro. Ou seja, eles preveem que as ameaças seguirão aumentando.

De fato, à medida que as formas de trabalho remoto avançam e os dados são migrados cada vez mais para ambientes conectados, baseados em Nuvem, mais é de se esperar que as informações e ativos digitais corporativos fiquem na mira dos cibercriminosos.

Algumas condições a serem consideradas para esse contexto são que estamos mesclando dispositivos e informações pessoais e corporativas a todo o tempo, e que monitorar o tráfego desses dados se tornou uma tarefa bastante complexa.

Se antes tudo estava concentrado em um único ponto, hoje existe uma gigantesca multiplicidade de fontes interagindo simultaneamente, com uma grande malha tecnológica envolvida.

A complexidade é notória, mas a boa notícia é que há caminhos práticos para maximizar a visibilidade sobre as operações.

Neste sentido, aliás, vale ponderar e chamar a atenção para outra importante mensagem de Drucker: “tudo que pode ser mensurado ou medido pode ser melhorado”.

É essencial que as companhias construam ambientes resilientes, capazes de predizer e antecipar as ameaças, a partir de ferramentas modernas de cibersegurança.

Assim como o treinamento das pessoas para evitar exposições desnecessárias é de suma importância para se evitar fraudes e golpes nas tentativas de phishing, é imprescindível que os diretores e líderes agreguem novos recursos à proteção dos links, controle de conteúdo, criptografia de dados sensíveis, à utilização de métodos seguros de conexão e à formação de um ambiente de alta performance também no que diz respeito às estratégias de segurança da informação.

A segurança cibernética é fundamental para evitar ameaças hoje em dia. As ferramentas para detectar ameaças e responder aos ataques, impedindo impactos reais às operações, estão progredindo rapidamente, agregando cada vez mais valor aos negócios.

Investir na cibersegurança, hoje, é abrir espaço para a inovação e à possibilidade de seguir avançando na jornada digital.

O que não faltam são oportunidades para ter mais previsibilidade e eficiência, sem abrir mão de conectividade e mobilidade que precisamos diariamente.

É hora de crescer, mas não há motivos para seguir correndo riscos que já não precisam ser corridos.

* Guilherme Araújo é Diretor de Serviços da Blockbtit.

Fonte: Planin



Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.