Portal O Debate
Grupo WhatsApp

D. Pedro II e a cidade do Porto

D. Pedro II e a cidade do Porto

01/03/2021 Humberto Pinho da Silva

Sempre existiu amizade, entre os Imperadores e a população da cidade da Virgem; e desta, pelas terras de Vera Cruz, pois muitos foram os portuenses, que fizeram fortuna no Brasil.

Seu pai, D. Pedro I, chegou mesmo a legar, ao burgo tripeiro, o coração, grato pela forma como sempre foi recebido nessa cidade. D. Pedro II realizou duas visitas à cidade do Porto.

Na primeira, foi recebido apoteoticamente pelo povo, que com entusiasmo O aplaudiu ao longo do trajecto, entre a estação ferroviária das Devesas, em Gaia, e a cidade do Porto.

Na segunda, o Imperador, viu falecer, no burgo portuense, a Mulher (filha do Rei Francisco I,) o que agravou, ainda mais, a aflitiva angustia em que vivia, pela afronta que lhe fizeram ao destrona-Lo.

Ele, que sempre foi correcto, justo, pronto a perdoar a todos mesmo aos antagonistas. Acerca de D. Pedro II, Ramalho Ortigão, escreveu, em Junho de 1971, nas “Farpas”,Vol. XII:

“O Sr. D. Pedro II cultivou o seu talento: é filólogo, é naturalista, conhece a história, a filosofia, a química, a medicina. De sorte que, quando um grande homem faz um discurso ao imperador, o imperador remunera-o fazendo um discurso ao grande homem”

Existe interessante livrinho, impresso em Coimbra, no ano de 1872, intitulado: “Viagem dos Imperadores do Brasil em Portugal”, que minuciosamente descreve a primeira estadia do Soberano:

Desembarcou, o Imperador, no dia 1 de Março de 1872, pelas seis e meia da manhã, vindo de comboio, na estação das Devesas (Gaia), sendo recebido pelas autoridades e muito povo. A banda de música do Palácio de Cristal, animou a recepção.

Seguiram os Soberanos, para o Porto, atravessando a bela Ponte Pênsil, que fora engalanada de vistosas bandeiras, assim como todas as artérias, por onde passava o Imperador, com: galhardetes, arcos e bandeiras.

Nesse mesmo dia, visitou, na Igreja da Lapa, o mausoléu, que contem o coração de D. Pedro – Seu Pai.

Deslocou-se depois: à Igreja de S. Francisco, à Igreja da Misericórdia, ao antigo Convento de S. António, em S. Lázaro e à Academia de Belas Artes.

À noite D. Pedro II concedeu, no Hotel do Louvre – que ficava na esquina da Rua do Rosário e a Rua do Triunfo (actual D. Manuel II) – recepção, a numerosos convidados, que durou cerca de duas horas.

Assistiu, de seguida, no teatro Baquet, à comédia de Machado de Assis: “O Caminho da porta”. No dia seguinte, o Imperador, aguardava, no hotel, a visita do romancista Camilo Castelo Branco, mas este desculpou-se de não estar presente, invocando motivo de saúde.

Sem vaidade, simples, como sempre foi, D. Pedro II, resolveu deslocar-se à casa do escritor. Luiz Oliveira Guimarães, em: “O Espírito e a Graça de Camilo” – Edição Romano Torres – 1952, – conta-nos o curioso encontro:

“Em 1872, Camilo que morava, então, no Porto, na Rua de S. Lazaro, foi visitado pelo Imperador do Brasil, que o condecorou com a Ordem da Rosa. Na pequena sala do romancista, havia, pendurados na parede, além de vários retratos dos Braganças, o retrato do poeta Béranger. O Imperador detinha-se a examinar a pequena galeria, quando Camilo observou:

“ - Vossa Majestade está a contemplar os retratos dos seus avós…

“- Mal imagina, meu amigo, em que eu estou a reparar! Estou a reparar que Béranger tem expressão muito mais feliz do que os meus antepassados…

“- E sabe Vossa Majestade porquê?

“Porque é menos perigoso fazer versos, do que decretos!”

Mais tarde o escritor dedicar-lhe-ia o romance: “Livro de Consolação”.

A segunda visita e última à cidade, pelo D. Pedro II, foi, como disse, angustiosa e dramática:

D. Pedro II hospedou-se no Hotel do Porto, na Rua de Santa Catarina. A Imperatriz, muito doente, faleceu, a 28 de Dezembro de 1889, dizendo angustiosas palavras de tristeza: “Ó Brasil… minha terra tão linda e não me deixam lá voltar!…”

Era preciso translada-La para o Panteão de S. Vicente (de Fora) em Lisboa. O Imperador não possuía a quantia necessária.

O médico, Mota Maia, condoeu-se da atroz aflição, e foi contar ao Cônsul, o embaraço de sua Majestade. Este, movido de compaixão, lembrou-se do Visconde de Alvares Machado, homem rico, que fizera fortuna no Brasil.

Avisado pelo Cônsul, o Visconde, prontamente emprestou a quantia solicitada – vinte contos fortes. Deste modo evitou-se o constrangimento de se pedir empréstimo bancário, e que a noticia caísse no domínio publico.

Doente, amargurado, triste, o Imperador (e Família,) partiu para o exílio, onde faleceu, a 5 de Dezembro de 1891 – com 66 anos de idade, – no hotel Berdford, em Paris.

D. Pedro II era um homem culto, inteligente, notável intelectual, admirado e respeitado em todo o mundo.

O prestígio granjeado pelo Imperador, levou o governo republicano de França a realizar as exéquias só prestadas a Chefes de Estado, na igreja Madeleine.

A urna, que continha terra brasileira, terminada a cerimonia, foi transportada, de comboio, para Lisboa, onde foi sepultado no mausoléu Real de São Vicente de Fora, ao lado de Sua Mulher, a Imperatriz Tereza Cristina Maria.

Trinta anos depois da sua morte, era proclamada a lei do banimento, que permitiu, que os restos mortais do Imperador e Sua Mulher – a 8 de Janeiro de 1921, – fossem trasladados para Petrópolis, Brasil.

* Humberto Pinho da Silva

Para adquirir LIVROS clique aqui…



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques