Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Escola cívico-militar, civismo e organização…

Escola cívico-militar, civismo e organização…

02/06/2024 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

São Paulo teve o desprazer de assistir um grupo de jovens que se dizem secundaristas invadir o plenário da Assembleia Legislativa e parar a sessão com o propósito de impedir a votação do projeto, de autoria do governador, que institui a escola cívico-militar.

Ousadia desmedida essa de impedir o trabalho do Poder Legislativo, quando os deputados já estavam na fase de votação do projeto.

É desconhecimento rançoso, ideológico e antidemocrático querer parar o funcionamento do Poder Público, ali representado pelos parlamentares.

Os temas são colocados em análise e discussão, os representantes do povo, eleitos para esse fim, têm o direito de ser favoráveis ou contrários e a maioria vence. É assim que funciona o Parlamento.

A escola cívico-militar, apesar do incidente, foi aprovada por 54 votos favoráveis e 21 contrários. Agora compete ao governo instalá-las conforme a demanda da comunidade.

Em 1954, entrei para o então jardim da infância. Era um tempo em que o País vivia a mais ampla democracia (1945/64) e as escolas serviam-se de estrutura derivada do militarismo para o controle de seus trabalhos.

Antes de entrar na sala de aulas, os alunos eram enfileirados no pátio, ouviam o Hino Nacional e seguiam, como numa marcha ao local de estudo.

Em sala, só se sentavam depois da ordem do professor e se levantavam sempre chegava algum visitante. Desfilavam nas datas cívicas e eram ensinados a reverenciar a bandeira e demais símbolos nacionais.

Respeito e hierarquia eram pontos de honra, nos mesmos moldes cultivados no militarismo. Havia, inclusive, escolas onde os alunos dos diferentes níveis levavam em seus uniformes pequenas faixas à semelhança das divisas militares.

O professor era respeitado e, mesmo com toda sua autoridade, respeitava o aluno a que tinha orgulho de formar e preparar para a vida.

Enganam-se os que pensam que a escola cívico-militar vai transformar-se num quartel ou ensinar militarismo. O que vai ocorrer é apenar a cultura do civismo, da hierarquia e do respeito entre os membros da comunidade escolar.

Nela não haverá professor agredido por alunos e nem alunos por professor. Também não se ensinará militância político-ideológica.

E, por uma questão de disponibilidade, militares desde que sejam professores e com tempo poderão ser admitidos para funções estruturais e disciplinares.

Afora esse aspecto organizacional, todo o currículo de ensino será o mesmo das demais escolas, mesmo as que não aderirem ao sistema.

É preciso compreender que o meio militar possui muitas coisas que podem fazer bem à população, notadamente na convivência, companheirismo e urbanidade.

Não há porque não aproveitá-las no meio escolar, principalmente no atual estado de coisas em que as pregações ideológicas e políticas esgarçaram as boas relações entre alunos, seus familiares, professores e servidores da rede de ensino.

Ainda mais: adotar ou não o sistema cívico-militar será uma decisão facultativa da comunidade escolar, que o fará (ou não) de acordo com suas conveniências.

Observa-se que os alunos do sistema têm melhores condições de aprendizado e oportunidades para ascender e outras oportunidades.

Vale observar que escola cívico-militar é um nome dado o sistema aqui no Brasil, mas ele se faz presente na rede escolar dos países mais desenvolvidos do mundo que não foram corroídos pela irresponsável ideologia esquerdista e se respeita a bandeira, os símbolos nacionais, o professor, princípios e especialmente o ser humano.

Do episódio na Assembleia Legislativa, resta-nos apenas uma singela reflexão. Que reprimenda mereceriam os que invadiram a sede do Poder e atrapalharam a atividade dos representantes do povo?

Arroubos dessa natureza tornaram-se cada dia mais arriscados, principalmente depois dos episódios de 08/01/2023 em Brasília, cujos invasores dos palácios dos Três Poderes, que nem estavam em funcionamento, pois era um domingo, estão recebendo condenações a penas que vão até 17 anos de prisão.

Acautelem-se, jovens e incentivadores, pois impedir o trabalho da Assembleia ainda poderá vir a ser classificado como ato antidemocrático...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre escola cívico-militar clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Todos os nossos textos são publicados também no X (antigo Twitter)

Quem somos



8 de janeiro

Venho aqui versar a defesa Dos patriotas do “mal”

Autor: Bady Curi Neto


Aborto legal e as idiossincrasias reinantes no Congresso Nacional

A Câmara dos Deputados, em uma manobra pouco ortodoxa do seu presidente, aprovou, nessa semana, a tramitação em regime de urgência do Projeto de Lei nº 1904/2024, proposto pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), integrante da ala bolsonarista e evangélica, que altera, sensivelmente, as regras de tratamento do crime de aborto.

Autor: Marcelo Aith


Há solução para as enchentes, mas será que há vontade?

Entre o fim de abril e o início de maio de 2024, a maior tragédia climática da história se abateu sobre o Rio Grande do Sul.

Autor: Alysson Nunes Diógenes


Primeiro semestre: como estão as metas traçadas para 2024?

O que mais escutamos nas conversas é: “Já estamos em junho! E daqui a pouco é Natal!”

Autor: Elaine Ribeiro


Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan