Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Feliz Dia do Síndico

Feliz Dia do Síndico

01/12/2020 Paulo Melo

Em comemoração ao Dia do Síndico, este artigo de opinião procura estimular uma profunda reflexão sobre o verdadeiro papel do síndico e do próprio comportamento na figura do representante do condomínio junto à sociedade.

O dia 30 de novembro é a data em que se comemora o dia do síndico. Conforme convenção de entidades de síndicos do Brasil todo e algumas leis municipais, estaduais e distrital.

Simbólico e poético! Porém, a simples instituição da lei ainda não foi suficiente para valorizar de fato essa honrosa missão.

Os síndicos são muito importantes para a sociedade, mas acabam não sendo valorizados pelos condôminos e funcionários de condomínios.

Os conflitos que o síndico tem que resolver, combinado com os problemas do condomínio, o fazem solitário e desvalorizado.

No entanto, os síndicos e gestores condominiais acabam esquecendo que, assim como em outras missões, o mais importante é ser persistente para conseguir cumprir e fazer cumprir a convenção, o regimento interno e as determinações da assembleia. 

O condomínio é a base democrática e participativa de uma sociedade. O que seria dos condôminos sem um síndico para responder civil e criminalmente, assinar contratos, cuidar da conservação e guarda das áreas comuns do condomínio, identificar problemas na infraestrutura ou em equipamentos, elaborar previsão orçamentária anual, realizar a prestação de contas, fiscalizar o pagamento das taxas condominiais buscando evitar a inadimplência, aplicar e cobrar multas ou advertências caso seja necessário, garantir o pagamento de funcionários e outras despesas, e buscar a contratação do seguro do condomínio.

Mas não podemos desanimar, pois em contraponto a falta de respeito histórica ao síndico, estão surgindo entidades que buscam fortalecer as prerrogativas do síndico e valorizar cada vez mais o seu trabalho pelo condomínio.

Assim como em qualquer outro trabalho, é necessário ter perseverança e persistência, além de atualizar-se constantemente em cursos e congressos.

Em suma, a valorização da profissão começa pelos próprios síndicos, que devem acreditar e difundir esta ideia.

Por exemplo, se recebemos propina de algum prestador de serviço, qual será o resultado disso? Com certeza será ruim.

O mesmo ocorre com a política, quanto mais fizermos besteiras, mais desvalorizarmos a importância do síndico, menos importância teremos na sociedade. Então, comece hoje, comece por você, seja honesto, competente e conciliador.

Percebam que o síndico tem um propósito ético e moral de contribuir para a mudança desse país. Chega do “jeitinho brasileiro”, da “malandragem”, do “gato”, do “todo mundo faz isso”, da “lei do me dar bem a todo custo”, do “honesto no Brasil é trouxa”.

E como posso fazer isso? Comece em seu condomínio, no seu trabalho, nas atividades diárias e em sua casa.

Administre bem o seu condomínio, dê atenção ao tempo e entregue as atividades dentro do prazo, respeite os compromissos, cuide do seu ego, valorize o trabalho dos demais, seja colaborativo, compartilhe informações, atualize-se, ajude os demais e, quando se fizer necessário, bata no peito e diga “isso eu resolvo”.

Administre o seu condomínio de forma ética, cumpra as leis, pague os impostos, preocupe-se com o ambiente onde vive, use os recursos do seu condomínio de maneira otimizada, estimule os melhores resultados, procure ser um cidadão melhor, cobre o que é correto, cobre honestidade como o mínimo que se espera de qualquer um, seja carinhoso e responsável com seus vizinhos.

Somos mais de 450 mil síndicos em todo Brasil, cuidamos de 70 milhões de brasileiros, movimentamos mais de 120 bilhões de reais, geramos mais de 4 milhões de empregos diretos e indiretos, e estamos aí para cuidar das pessoas.

Somos todos Síndicos pelo Brasil. Síndico, eu tenho orgulho de ser!

* Paulo Melo é Especialista em Condomínios, Administrador, Jornalista e está Síndico em 6 Condomínios, Presidente Nacional da Associação Brasileira de Síndicos e Condomínios – ABRASSP e Vice-presidente do SindiCONDOMÍNIO-DF.



PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques


Violência urbana no Brasil, uma guerra desprezada

Reportagem recente do jornal O Estado de S. Paulo, publicada no dia 3 de março, revela que existem pelo menos 72 facções criminosas nas prisões brasileiras.

Autor: Samuel Hanan


Mundo de mentiras

O ser humano se afastou daquilo que devia ser e criou um mundo de mentiras. Em geral o viver passou a ser artificial.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Um País em busca de equilíbrio e paz

O ambiente político-institucional brasileiro não poderia passar por um tempo mais complicado do que o atual.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nem Nem: retratos do Brasil

Um recente relatório da OCDE coloca o Brasil em segundo lugar entre os países com maior número de jovens que não trabalham e nem estudam.

Autor: Daniel Medeiros


Michael Shellenberger expôs que o rei está nu

Existe um ditado que diz: “não é possível comer o bolo e tê-lo.”

Autor: Roberto Rachewsky