Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Já dá pra fazer o próximo planejamento tributário?

Já dá pra fazer o próximo planejamento tributário?

30/11/2023 Nathália Boaventura

O exercício financeiro das empresas no Brasil coincide com o próprio calendário, de forma que já sabemos que ele começa no dia 1º de janeiro e termina no dia 31 de dezembro do ano vigente.

Isso evidencia não apenas a proximidade do período de transição de um exercício para outro, mas também a possibilidade de já se planejar para o próximo ano-base. O planejamento tributário pode e deve ser pensado antes.

A primeira coisa a entender é que esse planejamento, também conhecido por elisão fiscal, significa economia para o caixa da empresa.

É um conjunto de ações que permitem antever medidas legais que possam resultar na diminuição do pagamento de tributos.

E aí vale destacar: a consequência óbvia para a empresa que consegue reduzir seus compromissos fiscais é tornar seus produtos mais baratos, viabilizando ofertas melhores para o consumidor. Essa medida, é claro, uma vitória diante da concorrência.

Dito isto, é importante o empreendedor saber que não é qualquer pessoa que é capaz de realizar o planejamento tributário.

Isso requer experiência, domínio absoluto da legislação tributária brasileira e um gerenciamento fiscal da corporação levado à risca. Em outras palavras, o empresário que se interessa pelo tema deve buscar auxílio altamente profissional.

Até porque este é um trabalho cuja estruturação passa por definições estratégicas que obedecem a um passo a passo rigoroso.

Alguns percursos fazem parte desse planejamento. Um deles é o enquadramento da empresa na natureza jurídica correta.

Atualmente, existem 25 tipos de natureza jurídica, sendo as mais conhecidas o microempreendedor individual (MEI), a microempresa (ME), as cooperativas, as sociedades limitadas (LTDA) e as sociedades anônimas (S/A).

A diferença não está simplesmente numa escolha de nomenclaturas, mas no entendimento de que cada uma possui legislações próprias, inclusive quanto ao tipo de regime tributário da empresa.

O regime tributário, por sua vez, diz respeito à maneira pela qual os impostos serão calculados e recolhidos. O MEI possui um regime à parte, ao passo que as demais empresas devem variar entre o Simples Nacional, o Lucro Real e o Lucro Presumido.

A definição parte do faturamento anual da empresa, de modo que o Simples – o mais adotado pelas micro e pequenas empresas – efetua a cobrança simplificada dos impostos para empreendimentos que faturaram até R$ 4,8 milhões no ano.

Já o Lucro Real é o regime obrigatório para quem tem faturamento anual superior a R$ 78 milhões, enquanto o Lucro Presumido possui alíquotas que variam conforme a margem de lucro da empresa.

Estes aspectos são apenas parte do planejamento tributário que uma empresa pode fazer entre um exercício e outro. Há muitos casos em que até mesmo esse tipo de ajuste é realizado, e isso já configura um planejamento.

No entanto, é necessário enfatizar: essa organização deve ser elaborada por profissionais muito bem capacitados, até para que o tiro não saia pela culatra.

Um bom planejamento é elaborado para reduzir as cobranças fiscais junto à empresa. Mas quando é dada uma importância secundária a esse trabalho, o resultado tende a ser o oposto.

Para quem gosta de pagar impostos, a melhor decisão é mesmo deixar pra lá.

* Nathália Boaventura é advogada do escritório BLJ Direito e Negócio.

Para mais informações sobre planejamento tributário clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra