Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mais agentes autônomos de investimentos no mercado

Mais agentes autônomos de investimentos no mercado

17/03/2022 Fábio Orneles

O número de investidores vem crescendo no Brasil já há uns bons anos.

E quando paramos para analisar esse diagnóstico, costumamos nos debruçar sobre planilhas econômicas que mostram a variação da Taxa Selic, o desempenho do mercado externo, o Índice Bovespa e outras variáveis que explicam de onde vem o estímulo para a entrada de novos interessados no mercado financeiro.

Mas outro termômetro que ajuda a confirmar esse crescimento dos investidores é a quantidade de novos agentes autônomos no setor.

Desde o fim de 2019, o número de pessoas físicas credenciadas a captar novos clientes para as instituições financeiras e a receber ordens de compra e venda cresceu 50%.

A exemplo de alguns investimentos à disposição, o número de agentes autônomos de investimentos ativos é tão volátil que é até difícil estabelecer um número atualizado, mas até agosto eles eram cerca de 14.400.

Os números são da Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras (Ancord), que considera somente os agentes que atuam como pessoa física, portanto fora das corretoras.

Apesar desse aquecimento, o mercado ainda precisa de uma boa carga de novos profissionais, visto que cada um atende em torno de 80 a 100 clientes.

Para os próximos cinco anos, dada a injeção de novos investidores no mercado, haverá espaço para até três vezes a quantidade que se tem hoje de profissionais.

Para quem se habilita a atuar no mercado financeiro, é uma excelente notícia. Mas esse é um setor em que os ingressantes mostram-se cada vez mais capacitados.

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que regulamenta todo o mercado no país, estabelece que os agentes tenham pelo menos o ensino médio.

Mas a própria Ancord confirma que todos os novos cadastrados de 2021 apresentavam ensino superior completo. Com um adendo: 23% deles têm pós-graduação, 4% têm mestrado e 1% são doutores ou pós-doutores.

É importante frisar – e a CVM apregoa bastante isso – que os agentes autônomos não são consultores financeiros nem analistas de mercado, e também não podem administrar carteiras de investimentos.

Mas eles têm papel relevante como prepostos de instituições financeiras que operam com investimentos, e são o elo mais próximo do mercado com os investidores.

Ter esse entendimento é importante para quem está aterrissando no mercado e tentando entender como tudo funciona.

Como cerca de 80% dos agentes estão vinculados a alguma corretora, esse esclarecimento costuma ser fácil, já que as pessoas procuram as instituições para iniciar seus primeiros passos.

De toda forma, como em qualquer outro setor, compreender o serviço que o agente autônomo pode oferecer é o prelúdio para alcançar os ganhos que cada investidor deseja.

* Fábio Orneles é assessor da Atrio Investimentos.

Para mais informações sobre investimentos clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli