Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Meu avô e sua consulta médica: a pinga ou a vida!

Meu avô e sua consulta médica: a pinga ou a vida!

06/12/2023 Antônio Marcos Ferreira

Nascido Adelerme Freilandes de Souza Villaflor, o meu avô, ao se casar, resolveu simplificar o seu nome para Adelerme Ferreira de Souza, mas era conhecido em Manga e redondezas como Seu Délio.

Foi uma figura de muitas histórias, algumas delas já contadas em causos publicados por mim.

Seu Délio viveu até os 97 anos, embora contrariando muitas recomendações de ordem médica, principalmente quando se tratava de hábitos alimentares.

A sua alimentação, além de muito condimentada, era sempre muito gordurosa, condição normalmente rejeitada pelos médicos e muito longe das boas práticas recomendadas. E ele seguia sempre o seu gosto particular, independente do que pensassem os médicos.

Depois que o meu pai mudou-se para Belo Horizonte com a família em 1967, ele vinha para a capital algumas vezes para acompanhar a minha avó, cuja saúde merecia maiores cuidados.

Em Belo Horizonte vivia um meio irmão dele, o tio Alfredo, um senhor bastante diferente nos costumes e no jeito de ser, muito educado, mas bastante formal.

Era pai de dois filhos, um deles médico cardiologista, que passou a ser o médico da nossa família durante muitos anos.

Certa vez, numa dessas vindas a BH, depois dos exames de praxe da minha avó, o meu pai resolveu levá-lo para uma consulta médica com o Dr. Mauro Tostes, seu sobrinho. Meu avô, na ocasião, estava com uns 85 anos.

Na primeira conversa, o médico quiz saber dos seus hábitos e costumes e , como de praxe, solicitou que fosse ao laboratório para os exames de sangue, fezes e urina.

Mais uma contrariedade para ele, que achava uma bobagem todos aqueles exames. Mas fez todos os que foram solicitados.

Alguns dias depois, já com todos os exames feitos e com os resultados em mãos, foram levá-los para o Dr. Mauro. De posse dos resultados, o médico chamou o meu avô e disse:

- Tio Délio, os exames do senhor estão bons, mas eu preciso fazer algumas recomendações. O senhor precisa diminuir a quantidade de sal, de pimenta e, principalmente, gordura na sua comida. E tem outra coisa: aquela pinga que o senhor gosta de tomar, vamos ter de cortar também.

Meu avô escutou aquilo na certeza que era uma grande bobagem. Quando o médico terminou aquelas recomendações, ele perguntou:

- Ô Mauro! Se eu fizer tudim do jeito que ocê tá falando, quantos anos ocê acha que eu vou viver?!

- Difícil dizer, tio Délio, mas pode ser uns 8 ou 10 anos.

Meu avô matutou um pouco e disse:

-Ô Mauro, vamos fazer um negócio? Ocê fica com seus oito ou dez anos que eu vou viver minha vida do jeito que eu quero, viu?

Deixou o consultório do Dr. Mauro pela última vez e viveu mais doze anos, com muita pimenta e gordura na comida e, logicamente, sua inseparável pinga.

* Antônio Marcos Ferreira

Para mais informações sobre histórias clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli