Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Moeda é Poder

Moeda é Poder

12/04/2022 Igor Macedo de Lucena

As sanções econômicas aplicadas por parte das nações ocidentais contra a Rússia como meio de retaliação após o início desta guerra, ainda sem data para seu final, se mostraram efetivas e muito rápidas.

Contudo uma específica foi a mais forte de todas: a sanção financeira atrelada às moedas que são internacionalmente aceitas como reserva de valor e meio de trocas a nível mundial.

Neste contexto, a proibição de parte das empresas e do governo russo de transacionar com o dólar norte-americano, a libra esterlina, o euro, o iene japonês e o franco suíço, além do congelamento de ativos financeiros vinculados a essas moedas, colocou a Rússia na pior das situações entre as nações em desenvolvimento.

As citadas moedas são poderosas, pois representam a confiança internacional de seus países emissores e conjuntamente representam aproximadamente 92% de todas as reservas internacionais do planeta; elas são usadas em aproximadamente 80% de todas as transações comerciais internacionais.

Após essas informações, chegou-se à conclusão de que quem controla a emissão e a circulação dessas moedas controla também, indiretamente, o fluxo de recursos e autoriza que terceiros possam manter essas moedas como uma reserva de valor além de suas fronteiras, por isso a moeda é hoje considerada um instrumento de poder geoeconômico.

Essa característica referente às principais moedas mundiais já era algo estudado na academia e no ambiente das relações internacionais, principalmente durante as crises econômicas, em que essas nações se mostram com uma maior capacidade de executar uma política monetária expansionista, tendo em vista sua conversibilidade em praticamente quase todas as moedas estrangeiras e sua elasticidade em relação a preços.

Entretanto, esta é a primeira vez que, conjuntamente, essas moedas são efetivamente usadas como um instrumento de “combate” , digamos, dentro de uma guerra, mostrando na prática, e com vigor, sua capacidade destrutiva quando se torna necessário seu uso dentro da ótica do poder geoeconômico financeiro.

Estamos assistindo à história sendo escrita. Mais que isso, conseguimos compreender o poder que a moeda possui de destruir uma economia. Não há neste texto qualquer interesse de expor crítica pelas sanções.

Muito pelo contrário, acredito que elas são verdadeiramente as melhores e mais eficazes “armas” a serem utilizadas para enfrentar a Rússia sem que se dê início a um conflito em escala mundial. 

Prevendo o mundo pós-guerra na Ucrânia, segue-se uma explicação prática do que já havia sido afirmado em artigos anteriores, o fato de que o Estado, ao deter o controle exclusivo da emissão de moeda e seu poder perante os agentes que a usam, apresenta uma capacidade de exercer seu poder a nível internacional; portanto, nunca os Estados deverão abrir mão de tal importante poder voluntariamente.

Por tal motivo, enalteço a crítica às criptomoedas como possíveis sucessoras das moedas nacionais. Ora, a existência de moedas como Bitcoin, Ethereum, Cardano e outras são de fato ameaças existenciais ao poder do Estado no âmbito financeiro, pois se hipoteticamente se tornassem os principais meios transacionais e de reserva de valor de Estados nacionais, o poder geoeconômico das moedas, como conhecemos tradicionalmente, seria extinto.

Nesse contexto, acredito que a regulação dos ativos e a sua adoção pelos Estados devem se tornar uma tendência, devidamente alocada dentro da margem do sistema financeiro, algo focado em nichos de investimento e não necessariamente dentro da economia real de trocas de bens e serviços.

Existem diversas críticas aos criptoativos, seja por fraudes, pela instabilidade ou mesmo pelo uso no submundo da economia, e esses são elementos que contribuem para a manutenção do poder dos Estados sobre as moedas em escala global.

O que outrora fora uma desconfiança pelo uso em guerras desse poder por parte das nações mais industrializadas do mundo, hoje já é uma realidade contra a Rússia e despertou o olhar antes cético de nações do mundo árabe, como ocorre na Arábia Saudita, que passa seriamente a discutir a venda de petróleo em Yuan, moeda corrente da China, temendo que suas reservas internacionais em Dólares e Euros possam um dia ser usadas contra eles mesmos em conflitos internacionais, tais como está ocorrendo na Rússia.

Se por um lado essas nações têm um extraordinário poder financeiro ao exercer o controle das principais moedas de transação e reserva de valor do planeta, por outro o uso delas em um conflito internacional também pressupõe questionamentos sobre sua adoção internacional, como um possível “Cavalo de Troia” para nações não liberais e para aquelas em que o seu alinhamento não é total e irrestrito em conflitos internacionais.

A manutenção do poder dessas moedas e sua composição a nível internacional certamente serão um importante campo de estudo para a academia no campo da economia e das relações internacionais, bem como um tema a ser debatido, no âmbito da estratégia internacional das nações, em um mundo no qual a Realpolitk volta a se impor com centralidade internacional.

* Igor Macedo de Lucena é economista e empresário, Doutor em Relações Internacionais na Universidade de Lisboa.

Para mais informações sobre sanções econômicas clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Comunica PR



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli